Joana Lira leva Carnaval pernambucano ao Instituto Tomie Ohtake

Peças produzidas pela artista gráfica para a decoração da folia no Recife serão expostas a partir do dia 23 de janeiro

Joana Lira no carnaval pernambucanoJoana Lira no carnaval pernambucano - Foto: Divulgação

O Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, abre espaço, a partir do dia 23 de janeiro, para a exposição “Quando a vida é uma euforia”, da artista gráfica pernambucana Joana Lira, que foi responsável pela identidade visual do carnaval pernambucano por dez anos.

A curadoria é de Mamé Shimabukuro e visa uma aproximação sensorial do visitante com a festa pernambucana, trazendo personagens, ritmos e sentimentos. A exposição é uma oportunidade de ampliar o conhecimento nacional sobre o carnaval do pernambucano que, apesar de ser considerado uma das maiores festas populares brasileiras, ainda tem muito de sua diversidade desconhecida.

Leia também:
Exposição revela o terreno simbólico da fotografia de Iezu Kaeru
Santander terá que realizar mostras sobre diversidade


Para fortalecer esta ideia de conhecimento e experimentação, a exposição foi dividida em três núcleos e traz trilha sonora de Maurício Badé. O primeiro núcleo apresenta conteúdos e registros de manifestações como o Frevo, Maracatu Rural, Maracatu Nação e Caboclinhos, juntos a intervenções artísticas de Joana, permeando a ideia de pertencimento.

O segundo núcleo dá ao visitante a experiência de sentir a pulsação carnavalesca através de grandes projeções e sons dos variados ritmos. Por fim, o último núcleo leva o espectador à transcendência, exibindo personagens em tamanhos monumentais, característicos do trabalho de Joana.

A pernambucana Joana Lira tem trabalhos aplicados em produtos e materiais de comunicação para clientes como Organização das Nações Unidas (ONU), L´Occitane, Banco do Brasil, Ambev, Alpargatas, Tok & Stok, Prefeitura do Recife e Governo do Estado de São Paulo. Em 2009, foi premiada pelo Pearl Awards, em Nova York, na categoria Best Use of Illustration, com a ilustração de capa da revista Audi (editora Trip). Em 2015 e em 2016, recebeu junto com a equipe da L´Occitane au Brésil o primeiro lugar no Prêmio da Associação Brasileira de Embalagem (Abre), respectivamente com as linhas Olinda e Água de Coco. Vive e trabalha em São Paulo desde 1999.

Mamé Shimabukuro, paulistana. Estudou Interior Construction na Parson’s School e Lighting Design na School of Visual Arts em New York, em 1992. Atualmente está envolvida com o roteiro e direção do documentário Minha Sorte é o Olho que eu Tenho, apresentando uma grande coleção de arte popular que contrapõe o erudito e o popular.

Exposição: Quando a vida é uma euforia

Abertura: 23 de janeiro de 2018, às 20h
Até 04 de março de 2018 - grátis
De terça a domingo, das 11h às 20h
Instituto Tomie Ohtake, Av. Faria Lima 201

Veja também

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações
Streaming

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos
Celebridades

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos