João Carlos Martins – o maestro da superação – deu aula emocionante no Teatro RioMar

Artista tocou ao lado da Orquestra Criança Cidadã, que faz campanha para arrecadar fundos para apresentação em Nova York, em dezembro

Eduardo da Fonte e Miguel BarbosaEduardo da Fonte e Miguel Barbosa - Foto: Divulgação

Na matemática da vida do maestro João Carlos Martins, superação é um dos lemas que ele mais cultua. Aos 76 anos, sendo 63 de palco, entre a carreira como pianista e a fase mais recente em que se descobriu também como regente, ele esteve na noite da última terça-feira (8), no Teatro RioMar, para evento a convite do shopping de mesmo nome, no bairro do Pina, no Recife.

O músico acumula 22 cirurgias realizadas em internações em hospitais para que pudesse continuar tocando depois de sofrer acidentes que o deixaram com seqüelas aparentemente irreversíveis, tendo chegado a perder o movimento das mãos que anos antes o faziam executar 21 movimentos por segundo nas teclas do instrumento de predileção. O artista se apresentou ao lado da Orquestra Criança Cidadã, formada por moradores do Coque e arredores, que faz campanha para arrecadar fundos para conseguir viajar à sede da ONU, em Nova York, nos Estados Unidos, onde tem concerto marcado no plenário da instituição, em celebração aos 70 anos da Unicef, para o dia 12 de dezembro deste ano. Para quem quiser fazer doação por meio da conta corrente, o número é: 300.000-1, ag. 3249-2, do Banco do Brasil.

Em noite que começou com palestra do consultor Carlos Ferreirinha, sobre mercado de luxo, João Carlos Martins foi o responsável por emocionar a plateia na segunda parte da programação, levando alguns espectadores, às lágrimas, time no qual me incluo, por ter diante dos olhos um ser humano que superou tantas tragédias e não perdeu a elegância e o bom humor. Ao executar ao piano músicas como da trilha de filmes como “Em algum lugar do passado” e ”Cinema Paradiso”, ele conseguiu imprimir personalidade a melodias conhecidas, e mostrou carisma ao intercalar as performances com breves histórias contadas ao microfone sobre suas andanças pelo mundo, em lugares como Cartagena, na Colômbia, em que experimentou sua primeira aventura amorosa; ou quando retomou a carreira como concertista, depois de ser desenganado pelos médicos, com apresentação para o Carnegie Hall de Nova York lotado em seus 2,8 mil lugares e com mais 300 cadeiras extras que se fez necessário providenciar. João Carlos é homem de superar expectativas e contrariar previsões.

Numa das pausas, o pianista comentou sobre o filme com sua biografia, que tem previsão de estreia para 7 de maio de 2017. Dirigido por Mauro Lima (o mesmo de “Tim Maia” e “Meu nome não é Johnny”), o longa-metragem traz o ator Alexandre Nero no papel de João Carlos na fase adulta, além de outros atores famosos, como Caco Ciocler, Fernanda Nobre e Alinne Moraes. Foi coproduzido pela LCBarreto, de Luiz Carlos Barreto, com a GloboFilmes e a Rio Filmes, com orçamento de R$ 9,1 milhões. Batizado simplesmente como “João”, a saga acompanha a vida dele desde a infância, tendo ingressado na profissão aos 13 anos de idade e estreado internacionalmente aos 18, até as muitas cirurgias pelas quais passou, e o processo de fisioterapia e treinos obsessivos até voltar a fazer tudo aquilo que os especialistas alegavam que ele não conseguiria. Na prévia que foi mostrada em primeira mão – pois o trailer oficial ainda não foi liberado pelo estúdio, há desde cenas como a em que ele passa por uma convulsão na escola e desmaia no pátio do colégio, até passagens dele homem feito, ao quase discutir com seu mordomo pois os vizinhos pediam que ele tocasse com a janela do apartamento aberta, para que o pudessem ouvir melhor, enquanto praticava as partituras ao piano.

E foi regendo que o artista encerrou a noite, primeiro liderando os músicos da OCC para executar “Trem das Onze”, o clássico de Adoniran Barbosa para o cancioneiro da MPB. Em seguida, do meio para o final deste número, ele se voltou para a plateia, e pediu que acompanhassem a orquestra cantando. Uma homenagem de São Paulo para o Recife, por um talento raro, que diz ter orgulho de ser brasileiro.

Veja também

'Fazer o certo requer coragem', diz Dani Calabresa sobre acusações contra Marcius Melhem
Assédio

'Fazer o certo requer coragem', diz Dani Calabresa sobre acusações contra Marcius Melhem

Mais de 40 filmes de terror nacionais são exibidos em mostra online
Cinema

Mais de 40 filmes de terror nacionais são exibidos em mostra online