K-pop arrasta seguidores no Recife

Ritmo frenético sul-coreano conquista jovens pela coreografia complexa e carisma dos cantores

Grupo sul-coreano "Mamamoo"Grupo sul-coreano "Mamamoo" - Foto: Reprodução/Facebook

A música pop sul-coreana, o k-pop, vem ganhando espaço nas terras brasileiras. Somente em 2017, grupos como Blanc7, KARD e BTS passaram pelo País arrastando uma multidão de fãs para os shows. Recentemente, o grupo feminino Dreamcatcher veio à capital pernambucana para uma sessão de autógrafos.

Mas não é de hoje que a cultura Hallyu (nome dado a cultura pop sul coreana) vem marcando presença no território brasileiro. Eventos ligados à cultura geek japonesa vêm abrindo espaço para a música sul-coreana com palcos exclusivos para esse nicho e até mesmo concursos de dança de nível nacional.

A drag queen Mei Jin Lian, interpretada pelo ator e dançarino recifense Wanderson César, 22, conta que começou a consumir k-pop ouvindo o hit mundial "Gangnam Style", do rapper Psy, e daí seguiu para artistas como Hyuna, Fiestar, Girl’s Generation e SHINee. Em admiração à cultura, Mei chegou a produzir um hanbok, vestido tradicional coreano, para usar no Festival da Cultura Coreana em Pernambuco, estado no qual residem 36 famílias vindas do país asiático.

A drag, que integrou o júri do NE K-Pop contest na SuperCon 2017, no Recife, conta que os concursos estão cada vez mais concorridos e populares, principalmente entre jovens na faixa dos 15 anos. “Os concursos acontecem regularmente, e os grupos devem estar o mais próximo dos idols quanto possível, na execução da coreografia, sincronia, expressão corporal e artística”, explica. “Como arte educador, eu acho isso maravilhoso, ver essa juventude se engajando tanto nas artes.”



Para a dançarina e designer Júlia Gusmão, 21, a dedicação dos idols em serem multi-talento, dançarem coreografias complexas enquanto cantam e o forte carisma é o que a atrai ao k-pop. Ela conta que conheceu o gênero musical em 2012 e desde então passou a procurar vídeos no YouTube, talk shows e doramas (novelas) em que seus bias (artistas preferidos) participavam e buscar grupos cover, além de seguir páginas de fandons e frequentar eventos que abraçassem o k-pop.

Em 2014, a convite de uma amiga, começou a dançar k-pop e participar de concursos. “Eu vim do balé clássico, então por um lado as coisas eram fáceis porque eu entendo rápido os movimentos; por outro, é difícil perder todo o trejeito do balé para se encaixar no estilo marcado e firme do k-pop”.

As telenovelas coreanas, conhecidas como doramas, são outra fonte que o público ocidental dispõe para conhecer mais sobre a cultura sul-coreana. Os figurinos exibem suntuosas vestimentas tradicionais e penteados característicos da época, simulando o dia a dia da Coreia ainda unificada.

Leia também
MinC quer que Caixa execute programa de fomento à cultura com verba de loterias
Falta de recursos dificulta uso da internet na cultura, aponta pesquisa
Planos a longo prazo para a cultura de Caruaru

Veja também

Livro de Germana Accioly e nova exposição de Dani Acioli em cartaz na Casa Estação da LuzOlinda

Livro de Germana Accioly e nova exposição de Dani Acioli em cartaz na Casa Estação da Luz

Festival de Vídeos de Dança 'Na Ponta do PÉ' começa nesta sexta (3)Festival

Festival de Vídeos de Dança 'Na Ponta do PÉ' começa nesta sexta