Kéfera volta à adolescência no filme 'Eu sou mais eu'

Em entrevista ao Diversão&arte, Kéfera Buchmann e João Côrtes falam sobre o novo longa-metragem, que aborda temas como amor próprio e autoaceitação

Cena da comédia "Eu sou mais eu"Cena da comédia "Eu sou mais eu" - Foto: Catarina Sousa/Divulgação

Marcada por inúmeras transformações, a adolescência é uma fase que muita gente prefere apagar da memória. Imagine, então, voltar no tempo e ser obrigado a reviver todos os dilemas e inseguranças dessa época? Essa é a premissa de "Eu sou mais eu", novo filme estrelado pela atriz, youtuber e escritora Kéfera Buchmann, que chega hoje aos cinemas nacionais. Na última terça-feira, a artista esteve no Recife, ao lado do ator João Côrtes, para a pré-estreia do longa-metragem. Antes da sessão com os fãs, os dois conversaram com o Diversão&arte sobre o projeto.

Na comédia dirigida por Pedro Amorim ("Mato sem cachorro"), Kéfera interpreta Camilla Mendes, uma arrogante estrela da música pop que só se importa com a sua carreira. Após ser perseguida por uma fã incomum, ela retorna misteriosamente para o ano de 2004. Adolescente novamente, ela precisa aguentar o bullying da colega de escola Drica, vivida por Giovanna Lancellotti. Enquanto tenta desfazer essa confusão, aos poucos, acaba reencontrando sua própria essência.

"Acredito que a mensagem principal do filme é a importância da autoaceitação. Essa época da adolescência é muito cruel. Por isso, é interessante falar sobre amor próprio para o público dessa idade", comenta Kéfera. Dona de um canal no YouTube desde os 17 anos, ela conta que teve que aprender a conviver com o cyberbullying ainda muito nova.

Leia também:
'Sai de Baixo - o Filme': piadas de Magda e Ribamar com cenas de ação
'Pantera Negra' é o primeiro super-herói indicado ao Oscar de melhor filme
Após adotar estilo de vida mais saudável, Kéfera lança programa fitness por aplicativo


"Algumas pessoas se sentem muito protegidas pela tela do computador. Por isso, falam atrocidades que chegam até você em massa. Não é como estar em sala de aula, com umas 30 pessoas, e ter um grupo que te zoa. É sobre ter muita gente na internet criticando o seu cabelo, seu corpo, sua cara. Por outro lado, acho que isso me fortaleceu", afirma.

Para os adultos que assistirem ao longa, o elemento mais atrativo talvez seja o sentimento de nostalgia, já que a história traz de volta as canções, a moda e os costumes que marcaram os anos 2000. "Quem foi adolescente nesse período vai se identificar com coisas como jogo da cobrinha, ir na locadora e ouvir músicas no discman", aponta Kéfera.

Durante a preparação, a atriz passou por aulas de canto e dança. Fã da cantora norte-americana Demi Lovato, ela diz que se divertiu ao gravar um videoclipe. "Foi muito legal ficar toda montada, com maquiagem e peruca, fazendo dancinha e toda a parte sensual, porque geralmente eu guardo isso para o meu banheiro, em frente ao espelho e segurando uma escova", brinca.



Enquanto para Kéfera a música é um hobby, para João Côrtes ela representa um futuro profissional. Após ficar em segundo lugar no programa musical "Popstar", da TV Globo, o ator pretende lançar um EP ainda neste semestre. A ligação com a música é o principal ponto em comum entre ele e seu personagem em "Eu sou mais eu".

"É através da música que o ‘Cabeça’ se conecta com a ‘Camilla’ - sua melhor amiga - e com ele mesmo. Ele é um instrumentista que gosta de experimentar, misturar vários sons. Então, acredito que é isso que o faz se manter fiel a sua essência", diz.

Perguntado se gostaria de voltar no tempo para mudar alguma coisa, assim como a protagonista do filme, João responde que não. "Penso que as coisas acontecem do jeito que tem que acontecer. E tudo o que ocorre na nossa vida nos leva a chegar aonde a gente chegou e a ser quem a gente é", observa. O elenco da comédia conta ainda com Flávia Garrafa, Arthur Kohl, Marcella Rica, André Lamoglia e a participação especial de Felipe Titto.

Veja também

Record demite Marcos Mion após 11 anos na emissora, diz colunista
Famosos

Record demite Marcos Mion após 11 anos na emissora, diz colunista

Cinco filmes que merecem continuações
Cinema

Cinco filmes que merecem continuações