Lana Condor achou que seria impossível viver protagonista por ser asiática

Para ela, a melhor parte de "Para Todos os Garotos que Já Amei" é que o protagonismo asiático é normalizado

Lana Condor interpreta a personagem Lara JeanLana Condor interpreta a personagem Lara Jean - Foto: Reprodução/Netflix

Prestes a estrear a 2ª parte da comédia romântica "Para Todos os Garotos que Já Amei", que alavancou sua carreira em 2018, Lana Condor desabafa sobre a indústria do cinema. Para a atriz de 22 anos, ser protagonista em um filme era algo impensável por conta de seus traços asiáticos, mesmo tendo nascido nos Estados Unidos.

"Eu realmente queria ser a protagonista de um filme, muito mesmo. E é muito triste o quão rápido eu coloquei na minha cabeça que seria impossível, por conta da minha aparência", revelou Condor em entrevista à imprensa, durante sua passagem pelo Brasil com Noah Centineo para o Tudum Festival da Netflix.

"Essa era uma mentalidade infeliz, porque, sabe, todos temos que mudar isso. Quando recebi essa oportunidade [de ser protagonista de um filme], eu estava tão desesperada para conseguir o trabalho, e me lembro de estar sentada no carro, antes das pré-audições, pensando: 'Eu preciso conseguir esse emprego, porque preciso mostrar para as pessoas que podemos ser protagonistas'", completou.

Leia também:
Série 'Onisciente', dos mesmos produtores de '3%', estreia na Netflix
Terceiro filme da trilogia 'Para Todos os Garotos que Já Amei' já está em produção


A problemática por trás de uma indústria que prioriza protagonistas brancas, segundo a artista, é que ela acaba não refletindo a realidade, podendo fazer com que a noção de "normalidade" seja distorcida.

Para ela, a melhor parte de "Para Todos os Garotos que Já Amei" é que o protagonismo asiático é normalizado, podendo fazer com que outros diretores enxerguem que um filme com elenco diferente do comum possa fazer sucesso -tanto que, além da sequência prevista para ser lançada no próximo dia 12, um terceiro filme já foi gravado e deverá ser anunciado em breve.

"Eu me sinto honrada", diz Condor. "Todo dia vou ao trabalho e me lembro disso. É muito mais do que contar uma história de amor, pelo menos para mim".

Agora, a atriz quer expandir seu portfólio. Apesar de amar comédias românticas -em sua lista de filmes favoritos estão "10 Coisas que eu Odeio em Você" e "De repente 30"-, a atriz afirma que gostaria de estrelar mais longas de ação. Em 2016, ela pôde integrar o elenco de "X-Men: Apocalipse", e em 2018, "Deadly Class".

"Estou tentando crescer um pouco, claro, então quero assumir papéis mais maduros", conta. "Mas na verdade eu só quero continuar contando histórias interessantes e diversas, sendo protagonista".

Veja também

Saiba o que muda para Hollywood agora que a China bateu os EUA em bilheteria
Audiovisual

Saiba o que muda para Hollywood agora que a China bateu os EUA em bilheteria

A psicodelia moderna de Petrônio e as Criaturas em novo Ep
Música

A psicodelia moderna de Petrônio e as Criaturas em novo Ep