Lançados mais dois volumes de "Contos de Kolimá", de Varlam Chalámov

Escritor soviético foi preso por criticar regime stalinista

O coro do STBNB na Capela David MeinO coro do STBNB na Capela David Mein - Foto: Reprodução/Divulgação

A Editora 34 lançou mais dois volumes dos “Contos de Kolimá”, a obra mais conhecida do dissidente soviético Varlam Chalámov (1907-1982). Crítico do regime stalinista, Chalámov sobreviveu quase 20 anos na prisão, a maior parte do tempo em campos de trabalho na Sibéria. Libertado em 1951, Chalámov só retornou a Moscou após a morte de Stálin, em 1953, e começou então a redigir seus contos e poemas.

Reabilitado em 1956, viveu o suficiente para ver suas obras publicadas no exterior. Conquistou admiradores fervorosos, como o escritor Roberto Saviano (“Gomorra”), que assina o prefácio de “A Margem Esquerda”, e Svetlana Aleksiévitch, Nobel de Literatura em 2015.

Assim como o primeiro tomo dos “Contos de Kolimá”, os dois novos livros encerram escritos notáveis, com destaque para “Lida”, no segundo volume, e “A Cruz”, no terceiro. Mas o texto mais impressionante é “Sobre a Rosa”, o posfácio de “O Artista da Pá”.

Chalámov sustenta que “o romance morreu” pois o leitor perdeu a confiança na ficção: tramas artificiais o exasperam.

Na escola secundária, as pessoas se familiarizam com todos esses truques para construir um enredo ficcional: o leitor exige uma “solução para as questões de vital importância, procura respostas sobre o sentido da vida”, mas “perdeu a esperança de encontrá-la na literatura de ficção”.

“O homem de hoje”, diz Chalámov, avalia “seus atos não pelos atos de Julien Sorel [de ‘O Vermelho e O Negro’], Rastignac [de Balzac] ou Andrei Bolkonski [de ‘Guerra e Paz’], mas pelos acontecimentos e pelas pessoas da vida real”. É preciso que o autor tenha participado do “drama da vida” para oferecer seu testemunho.

A verossimilhança deixou de ser suficiente, o presente exige a verdade: “Foi o meu próprio sangue que cimentou as frases de ‘Contos de Kolimá’”. A literatura deve se ater ao realismo da fotografia: a arte é uma forma de ver o mundo. Cabe ao escritor selecionar, dentre tudo o que ele testemunhou, o que é mais relevante para a história.

O escritor trabalha por subtração. Como ele não deve “inventar” algo que não existe, só lhe cabe remover da matéria-prima fornecida pela realidade tudo o que não é essencial. Por isso, algumas histórias parecem não ter coesão: sua obra abriga “contos com e sem enredo, mas ninguém vai dizer que os segundos são menos importantes”.

Dessa perspectiva, a “forma” artística é algo secundário diante do “conteúdo”: “Nos ‘Contos de Kolimá’ não existe uma linha, uma frase, que seja literária”.

A verdade está na origem: a primeira ideia que vem à cabeça é sempre a melhor. Por isso o trabalho de elaboração formal deve ser reduzido ao mínimo, para que a autenticidade do conteúdo não seja destruída pelas tentativas de embelezar o texto.

O acabamento posterior é “uma violência do pensamento sobre o sentimento”: “Todas as repetições, todos os lapsos, sobre os quais os leitores me acusam, foram feitos por mim, não por acaso, não por descuido, não por pressa”. Foram feitos porque a estética deve se subordinar à ética.

Veja também

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações
Streaming

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos
Celebridades

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos