Literatura

Laurentino Gomes lança livro e ministra conferência no Recife

Escritor, jornalista e historiador apresentou, nesta quinta-feira (4), o terceiro volume da série de livros "Escravidão", no auditório Benício Dias da Fundação Joaquim Nabuco, em Casa Forte

O escritor, jornalista e historiador Laurentino GomesO escritor, jornalista e historiador Laurentino Gomes - Foto: Paullo Almeida / Folha de Pernambuco

A manutenção da estrutura econômica e social escravocrata, mesmo após o fim do período colonial do País, é o assunto do terceiro volume da série de livros "Escravidão", do escritor, jornalista e historiador Laurentino Gomes, lançado no Recife, nesta quinta-feira (4), no auditório Benício Dias, do Cinema da Fundação Joaquim Nabuco, em Casa Forte, onde o autor também ministrou a conferência “A escravidão e o seu legado no Brasil de hoje’, prestigiada por personalidades locais de peso, a exemplo do presidente do Grupo EQM, Eduardo de Queiroz Monteiro

Abolição precisa ser completada
Em seu novo livro, o autor aborda o período compreendido entre a Independência do Brasil à Lei Áurea, no século XIX, fato histórico que marcou uma abolição formal, mas manteve o pensamento escravocrata. “O rigor da pesquisa dos textos, as suas fontes, marcam a obra de Laurentino, consagrada no Brasil e no exterior. Seu último livro se detém aos últimos 70 anos, da independência à Lei Áurea, e traz importantes relatos. O Brasil foi o maior território escravista do hemisfério ocidental durante 350 anos. Importou cerca de cinco milhões de negros da África e resistiu a fazer a abolição, sendo o último país da América a fazê-la. Uma abolição formal que precisa ser completada”, destaca o presidente da Fudação Joaquim Nabuco, Antônio Campos.

O legado da escravidão
Laurentino lança um olhar crítico sobre a abolição da escravidão no País que, além de tardia, não trouxe uma real democracia racial. “O Brasil foi o último país a acabar com o tráfego negreiro em 1850 e o último país a acabar com a escravidão, em 1888. Falo do movimento abolicionista e desse personagem extraordinário que foi Joaquim Nabuco, mas também dos outros abolicionistas negros (José do Patrocínio, Luiz Gama e André Rebouças) e, por fim, falo do legado da escravidão, o 14 de maio, o dia seguinte, do abandono e do esquecimento, que nos persegue até hoje”, avalia Laurentino.

“Essa segunda abolição jamais foi feita e, enquanto ela não acontecer, o Brasil nunca vai ser um país decente, digno dos nossos sonhos. Quem tiver um olhar atento vê a escravidão na realidade brasileira hoje. O Brasil é um dos países mais segregados do mundo. Ele é segregado na paisagem - se você olha as grandes metrópoles, quem mora nos bairros de boa qualidade de vida e bem assistidos pelo Estado? Majoritariamente a população branca descendente de colonizadores europeus. E quem mora naqueles bairros insalubres e abandonados pelo Estado brasileiro, às vezes dominados pelo crime organizado? A população descendente de escravos. Então, é uma segregação na geografia brasileira”, pontua o autor.

Em mais de 500 páginas, o volume III de “Escravidão” dá sequência ao trabalho de Laurentino Gomes que começou a chegar ao público em 2019 com a 1ª publicação. Ele mergulha no cenário da Independência, pelos primeiro e segundo reinado, chegando nos movimentos abolicionistas e na assinatura da Lei Áurea, em 1888, quando o Brasil se tornou o último país da América a extinguir a escravidão. 

Já “1822” volta às livrarias em edição especial. No livro, o autor se empenha em desmistificar todo o processo político que trouxe a Independência do Brasil. A nova edição conta com ensaios dos historiadores Heloisa Murgel Starling, Jean Marcelo Carvalho França e Jurandir Malerba.

Conferência aconteceu no Cinema da Fundação Joaquim Nabuco, em Casa Forte (Foto: Paullo Almeida / Folha de Pernambuco)

Sobre o autor
Laurentino Gomes vem da cidade de Maringá, no Paraná, formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná. Venceu sete vezes o prêmio Jabuti, o mais importante da literatura nacional. Além de "Escravidão" e "1822", é autor dos livros "1808", sobre a fuga da família real portuguesa para o Brasil, "1889", sobre a Proclamação da República e "Caminhos do Peregrino", escrito em coautoria com Osmar Ludovico da Silva. Sua obra traz uma densa pesquisa historiográfica e o coloca como uma das principais referências na difusão da história do Brasil.

SERVIÇO
"Escravidão", Globo Livros
Preço médio: R$ 59

Veja também

João Gomes anuncia rapper L7nnon como segundo convidado de DVD que será gravado no Marco Zero
MÚSICA

João Gomes anuncia rapper L7nnon como segundo convidado de DVD que será gravado no Marco Zero

Atriz Anne Heche está intubada e estável após grave acidente de carro nos EUA
hospitalizada

Atriz Anne Heche está intubada e estável após grave acidente de carro nos EUA