Leão Coroado tem seu patrimônio imaterial em projeto de salvaguarda

Grupo do Maracatu Leão Coroado, fundado em 1863, é considerado patrimônio vivo do Estado. Agora, ganha CD, DVD, livro e website, lançados no Centro Cultural dos Correios

Maracatu Leão Coroado lança projeto de salvaguarda do seu patrimônio imaterial Maracatu Leão Coroado lança projeto de salvaguarda do seu patrimônio imaterial  - Foto: Katarina Real/Fundaj

Um dos mais antigos maracatus de Pernambuco está em festa. Nesta terça-feira (3), a partir das 15h, será o lançamento do projeto "Salvaguarda do Maracatu Nação Leão Coroado - 150 anos de história, cultura e tradição". Vários produtos compõem o projeto: um livro registrando a história viva da agremiação, um CD com 16 toadas tradicionais, um vídeo-documentário e um website, que vai continuar sendo alimentado pelos próprios integrantes do maracatu.

O lançamento ocorre no Centro Cultural dos Correios, no Bairro do Recife, e contará também com uma mesa de diálogo sobre a importância do Leão Coroado enquanto guardião da memória afrodescendente e, ao final, degustação de gastronomia de terreiro.

"Ao longo de três anos, com apoio do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura), foram pesquisados e sistematizados materiais como fotos, músicas e registros audiovisuais do Leão Coroado, em entidades parceiras como a Comissão Pernambucana de Folclore, a Fundação Joaquim Nabuco, o Museu da Abolição, a Confraria de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos e os próprios integrantes do maracatu, especialmente os mais antigos", conta o coordenador do projeto e presidente da organização não governamental Instituto Cooperação Econômica Internacional (Icei Brasil), Diego Di Niglio.

Leia também:
Nações fizeram 28º encontro de maracatus em Olinda
[Fotos] Os rituais e as cores do maracatu rural; grupos se encontram esta segunda
Dia D do maracatu no Recife


Junto com o levantamento e catalogação das imagens e da confecção do livro, do CD e do DVD, o projeto realizou oficinas de transmissão de saberes (como dança, percussão, fabricação de instrumentos e confecção de fantasias e estandartes) e gravação de videoaulas voltadas para integrantes do Leão Coroado, alunos de escolas locais e outros moradores do bairro de Águas Compridas, em Olinda, onde fica a sede do maracatu.

Fundado em 1863 e considerado patrimônio vivo de Pernambuco, o Leão Coroado nunca tinha sido registrado com tanta amplitude e profundidade. Em 1989, a Prefeitura do Recife editou o livro "Leão Coroado", focando no antigo mestre da agremiação, Luiz de França, falecido em 1997, e em 2013, ano em que a agremiação completou 150 anos, foi realizada uma exposição fotográfica com a impressão de um catálogo. Nada, contudo, comparável ao resgate promovido agora.

Desfile das baianas no Leão Coroado

Desfile das baianas no Leão Coroado - Crédito: Divulgação


"Esse tipo de projeto é fundamental para valorizar e preservar manifestações de cultura popular, especialmente as de matriz africana, que têm a oralidade em sua base. De um lado, se organiza e registra a memória, e de outro serve de base para o futuro", aponta Di Niglio, destacando que o fato de haver uma multiplicidade de linguagens amplia o olhar e favorece a apropriação por parte da própria comunidade.

Para o mestre do Leão Coroado, Afonso Gomes de Aguiar Filho, seria importante que outras agremiações pernambucanas pudessem ser alvo desse tipo de resgate e incentivo. "O Leão Coroado sente orgulho de poder contar essa história, desde os primórdios até os dias atuais. A gente vem tentando dar sequência a um legado, conservando nossas tradições e mostrando às pessoas como é um maracatu de verdade, em um momento em que o excesso de estilização está fazendo muitos perderem o fio da meada", critica.

Distribuição

 

Os materiais que compõem o projeto vão ser distribuídos gratuitamente durante o evento, e posteriormente serão vendidos ao custo de R$ 40 (livro) ou R$ 20 (CD ou DVD). A renda arrecadada será revertida para a construção da sede do Leão Coroado.

No momento, os adereços e outros materiais da instituição centenária ficam guardados na casa do próprio mestre Afonso. "Já temos o terreno, e tenho esperança de que, agora que temos esse material como contrapartida, seja possível realizar o sonho de ter uma sede onde possamos ensaiar e passar esse saber adiante", afirma.

Serviço:
Lançamento do projeto "Salvaguarda do Maracatu Leão Coroado"
Nesta terça-feira (3), a partir das 15h
Auditório do Centro Cultural dos Correios (Rua Marques de Olinda, 262, 1º andar, Bairro do Recife)

Veja também

Nasce a primeira filha de Tiago Leifert e Daiana Garbin
Famosos

Nasce a primeira filha de Tiago Leifert e Daiana Garbin

Engenheiro militar assume subpasta na Cultura
Governo Federal

Engenheiro militar assume subpasta na Cultura