CINEMA E TELEVISÃO

Luz, câmera... Mulheres!: atrizes e diretoras vêm superando obstáculos no audiovisual

Cenário Hollywoodiano ainda não é o ideal, mas as conquistas têm seu valor

Viola Daves, atriz Viola Daves, atriz  - Foto: Reprodução

Fernanda Montenegro, Sônia Braga, Viola Davis e Meryl Streep. Esses são alguns dos nomes que podemos pensar quando falamos em grandes mulheres da indústria cinematográfica e televisiva. Nem sempre foi assim. Cada uma delas precisou passar por obstáculos e rejeições apenas por serem mulheres.

Quando levantamos a questão do racismo, os problemas aumentam. A atriz Viola Davis, tão imponente e premiada em seu trabalho, destacou a disparidade entre mulheres brancas e negras em uma entrevista com a diretora executiva da "Women in the World", Tina Brown, em 2018. “O que elas [mulheres brancas] recebem é metade do que os homens recebem e ganhamos um décimo do que a mulher branca recebe (...), eu tenho uma carreira que pode ser comparada com a de Meryl Streep, Julianne Moore... e mesmo assim, não somos iguais em dinheiro e oportunidades de emprego”, disse Davis.

Na busca por espaço

As conquistas têm valor: na TV, MJ Rodriguez foi a primeira mulher transexual a ganhar um Globo de Ouro pelo seu trabalho em “Pose”, as franquias de super-heróis contam com filmes inteiros dedicados às heroínas. As princesas da Disney estão cada vez mais empoderadas. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, é válido relembrar o passado para não repetir os mesmos erros nos dias de hoje.
 

Em 1940, Hattie McDaniel foi a primeira mulher negra a vencer o Oscar. Mesmo assim, foi barrada da premiação e só pôde entrar minutos antes de receber sua estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante, por seu desempenho em "E o Vento Levou". Seu discurso foi escrito pela produtora, ela leu palavras que não eram suas, agradeceu e saiu.  
 

Cena de "E o Vento Levou" (Foto: Reprodução)

A indústria da juventude

Hollywood é considerada a mais antiga e importante indústria cinematográfica do mundo e, por muitos anos, foi comandada por homens brancos e heterossexuais. Com esse perfil nos estúdios, o patriarcado era regra. Marilyn Monroe, um dos grandes ícones de Hollywood, era a típica loira jovem e sonhadora, transformada em símbolo sexual e vítima dos padrões de beleza da época. Sua morte por overdose é tema de debate até hoje.  

A indústria consegue ser impiedosa com a idade. Ao menor sinal de envelhecimento, as atrizes eram descartadas e substituídas por outra jovem loira. Às mulheres de 40 anos ou mais eram dadas personagens vazias e estereotipadas, servindo de apoio para o protagonista, o homem branco.

Estereótipos x Personagens multifacetadas

O principal motivo que faz o público acompanhar um filme é o personagem. Precisamos sentir empatia ou identificação na tela. Em “E o Vento Levou”, a personagem que consagrou Hattie McDaniel era uma empregada doméstica. Assim era como os homens brancos viam mulheres negras. No horror, personagens como a de Lupita Nyong'o, em “Us”, são desenvolvidas com profundidade e várias dimensões, as franquias “Halloween” e “Pânico” trazem protagonistas corajosas, com nuances e que enfrentam seus algozes.

A representatividade é poderosa. O que vemos na tela tem poder e quanto mais mulheres protagonizarem suas histórias, mais o público feminino se sentirá corajoso e forte para ocupar espaços na vida real.

Confira algumas conquistas das mulheres em Hollywood:

1940 - Hattie McDaniel foi a primeira mulher negra a vencer o Oscar. À época, foi premiada na categoria Atriz Coadjuvante por sua performance em "E o Vento Levou", mas foi barrada da celebração;

1977 - Lina Wertmüller foi a primeira mulher indicada ao Oscar de Direção, por "Pasqualino Sete Belezas";

1987 - Marlee Matlin foi a primeira atriz surda a vencer o Oscar, pela performance em "Filhos do Silêncio";

2002 - Halle Berry foi a primeira mulher negra a vencer o Oscar de Melhor Atriz, por sua interpretação em "A Última Ceia";

2010 - Kathryn Bigelow foi a primeira mulher a vencer o Oscar de Direção, pelo drama "Guerra ao Terror";

2017 - Julia Louis-Dreyfus quebra o recorde e se torna a atriz de comédia mais premiada do Emmy. Dreyfus venceu seis vezes a categoria de Atriz em Comédia por "Veep";

2022 - MJ Rodriguez é a primeira mulher trans a vencer o Globo de Ouro como melhor atriz em drama. Rodriguez foi condecorada por sua atuação em "Pose".

Veja também

Isabella Taviani se apresenta no Teatro do Parque neste domingo (3)
Música

Isabella Taviani se apresenta no Teatro do Parque neste domingo (3)

Casa Astral recebe terceira edição do projeto Sonora Visual
Audiovisual

Casa Astral recebe terceira edição do projeto Sonora Visual