Mergulho fundo para compor personagem

No papel da caiçara Vanda, atriz Cinara Leal conheceu a cultura e aprendeu a manipular rede e a pescar

Novo plenário da Assembleia LegislativaNovo plenário da Assembleia Legislativa - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

 

Aos 38 anos, Cinara Leal tem uma visão bem abrangente de sua trajetória da tevê. A intérprete da caiçara Vanda, de “Sol Nascente”, começou há dez anos em “Vidas Opostas”, da Record. De lá para cá, entre participações especiais e papéis de maior destaque, ela comemora cada oportunidade que tem. Para a atual novela, a atriz foi convidada para fazer um teste. “Já conhecia os produtores de elenco e fui fazer o teste muito feliz”, celebra. Aliás, o fato de já ter trabalhado com a mesma equipe facilita o processo. “Já existe uma confiança deles em mim, por entender a linguagem e por entregar o meu melhor para cada personagem”, define.
Na história, Vanda é uma das líderes da comunidade caiçara da qual pertence. Ao lado de Chica, interpretada por Tatiana Tibúrcio, a personagem dá as ordens no lugar. “Ela é uma trabalhadora braçal, por isso é uma atleta do seu ofício. É uma mulher séria, forte e obstinada”, valoriza.
Além de se inspirar em histórias cotidianas para compor a personagem, Cinara também foi atrás de uma composição mais concreta. Para isso, viajou até Paraty – região localizada no litoral sul do estado do Rio de Janeiro – para conhecer a cultura caiçara.

“Senti a necessidade de ver de perto. Então, fui às comunidades observar a força dessa cultura e como eles se comportam”, conta. Além disso, fez “workshops” com dois pescadores para ganhar naturalidade ao realizar as cenas de pesca. “Aprendi a manipular a rede, jogar a tarrafa, abrir o peixe, limpar…”, conta. Para completar, também fez laboratório na colônia de pesca de Copacabana, na Zona Sul carioca, e teve aulas de mergulho e natação. “Foi uma preparação bem intensa. Busquei um condicionamento físico maior porque a pesca exige isso”, explica.

 Além do ofício de atriz, Cinara também se aventura na produção de conteúdo. “Tenho uma série para tevê, dois longas e uma ‘websérie’ que escrevi. Pretendo realizar esses projetos em até dois anos. Essa é minha meta”, diz, motivada.

 

Veja também

'Fazer o certo requer coragem', diz Dani Calabresa sobre acusações contra Marcius Melhem
Assédio

'Fazer o certo requer coragem', diz Dani Calabresa sobre acusações contra Marcius Melhem

Mais de 40 filmes de terror nacionais são exibidos em mostra online
Cinema

Mais de 40 filmes de terror nacionais são exibidos em mostra online