Mesmo após acidente, Uma Thurman diz que trabalharia com Tarantino

Em entrevista à publicação americana Entertainment Weekly, a atriz Uma Thurman afirmou que sempre teve uma boa relação com o cineasta, mesmo após o acidente

Atriz Uma ThurmanAtriz Uma Thurman - Foto: Loic Venance/AFP

Três meses depois de revelar ao New York Times que Quentin Tarantino foi o responsável por um acidente que sofreu no set de filmagem de "Kill Bill" (2003 e 2004), a atriz Uma Thurman disse que trabalharia novamente com o diretor.

Em entrevista à publicação americana Entertainment Weekly, ela afirmou que sempre teve uma boa relação com o cineasta, mesmo após o acidente.

"Nós tivemos nossas brigas ao longo dos anos", disse. "Algumas tragédias aconteceram? Claro. Mas você não pode reduzir a história e o legado da nossa relação."

Leia também:
Uma Thurman acusa Harvey Weinstein de assédio
'Eu estava errado', diz Tarantino sobre acidente com Uma Thurman


Em depoimento dado ao jornal em fevereiro, Thurman acusou Harvey Weinstein, produtor de "Kill Bill", de assédio e disse ainda que foi forçada por Tarantino a dirigir em alta velocidade para uma certa cena do filme.

Ela compartilhou um vídeo da época que mostra que a cena acabou terminando num acidente. A atriz diz ter sofrido uma lesão e que as dores perduram até hoje. Mais tarde, Tarantino se desculpou pelo ocorrido.

Na entrevista, apesar de ressaltar que não acha que isso vá acontecer, já que o diretor tem planos de se aposentar em breve, Thurman disse que atuaria em mais um de seus longas. "Se ele escrevesse um bom papel", afirmou.

Atualmente, Tarantino trabalha em um filme baseado nos assassinatos cometidos por Charles Manson em 1969, em Los Angeles. Leonardo DiCaprio, Brad Pitt e Margot Robbie são alguns dos nomes que já foram confirmados no elenco.

Veja também

Ironia e celebração a Spike Lee marcam poemas da semana de Wilson Araújo
Poesia

Ironia e celebração a Spike Lee marcam poemas da semana de Wilson Araújo

Lei Aldir Blanc fez ressoar "artistas invisíveis" do Estado
Fomento

Lei Aldir Blanc fez ressoar "artistas invisíveis" do Estado