Cultura+

Morre aos 91 o filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman

Filósofo e sociólogo polonês é conhecido sobretudo pela sua teoria da "modernidade líquida", que fala da efemeridade das relações humanas

Plenário da AlepePlenário da Alepe - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

O filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman morreu nesta segunda-feira (9), aos 91 anos, em Leeds, no norte da Inglaterra, onde morava, informou o jornal polonês "Gazeta Wyborzca".

Nascido em Poznan, no oeste polonês, em 1925, ele serviu na Segunda Guerra Mundial pelo Exército da União Soviética. Nos anos 1940 e 50, foi militante do Partido Comunista polonês.

Sua biografia reflete sobre a sociedade e as mudanças do mundo contemporâneo. A "modernidade líquida", sua principal teoria, fala da "liquidez" das relações sociais na modernidade e na pós-modernidade. Ela abriu um vasto campo de estudos para a filosofia, a cultura e o relacionamento humano -com ênfase no individualismo e na efemeridade das relações. Também versava sobre a revolução que as mídias digitais trouxeram para a sociedade moderna.

Ativo até o fim da vida, Bauman continuava a trabalhar em livros e teorias. Grande parte de sua obra foi traduzida para o português. Seu último livro lançado no Brasil foi "A Riqueza de Poucos Beneficia Todos Nós?" (editora Zahar). Ele deixa a mulher, Janine Lewinson-Bauman, com quem era casado desde a época do pós-Guerra, e três filhas.

Veja também

Ave Sangria celebra Paulo Rafael em show no Teatro do Parque
Música

Ave Sangria celebra Paulo Rafael em show no Teatro do Parque

Morre, aos 73 anos, o rabequeiro de Aliança, Mestre Luiz Paixão
Luto

Morre, aos 73 anos, o rabequeiro de Aliança, Mestre Luiz Paixão