A-A+

Morre o escritor argentino Leopoldo Brizuela

Brizuela vivia em La Plata, e perdeu sua biblioteca em 2013, quando houve uma grande inundação na cidade

Escritor Leopoldo Brizuela morreu aos 55 anosEscritor Leopoldo Brizuela morreu aos 55 anos - Foto: Soledad Amarilla/ Ministerio de Cultura de la

O escritor Leopoldo Brizuela, 55, morreu nesta terça-feira (14), em Buenos Aires, causando surpresa e tristeza no meio literário argentino. A causa ainda não havia sido revelada até o fechamento deste texto. Brizuela havia ganho o prêmio Alfaguara de 2012 por "Uma Mesma Noite", lançado no Brasil pela Alfaguara.

Considerado um dos principais autores de sua geração, Brizuela vivia em La Plata, e perdeu sua biblioteca em 2013, quando houve uma grande inundação na cidade.
Antes, havia estudado em Cambridge e cursado direito e letras na Universidade Nacional de La Plata, uma das mais importantes do país.

Leia também:
Site de literatura Angústia Criadora completa oito anos
Escritor Lourival Holanda lança livro sobre crítica literária
Música, dança e literatura na programação de maio da Caixa Cultural


Seu primeiro romance, "Tejiendo Agua", saiu em 1985, e ganhou o prêmio da Fundação Amalia Lacroze de Fortabat. Também era conhecido por seu trabalho como tradutor, tendo vertido ao espanhol obras de Henry James e Flannery O'Connor, entre outros. Outro de seus livros que tiveram projeção internacional foi "Inglaterra - Una Fábula" (1999), vencedor do prêmio Clarín de Romance.

Em 2012, entrevistei Brizuela por conta do prêmio que havia ganho, em Buenos Aires. "Uma Mesma Noite" é uma reflexão sobre a ditadura na Argentina. Brizuela aborda o tema por meio de uma ótica pessoal, pois é ambientado em La Plata, baseado em histórias que ouviu de pessoas conhecidas. O livro se passa em dois momentos, durante a ditadura e em 2010, quando, ao testemunhar um assalto, o protagonista, que é um escritor, como Brizuela, lembra-se da noite em que era um garoto e tocava piano enquanto seus pais eram interpelados por um "grupo de tarefas", os repressores do regime militar, na sala de jantar da mesma casa.

"O que salva o personagem é a literatura, não porque por meio dela encontre respostas, mas porque o mantém confuso e com capacidade de seguir questionando", contou Brizuela na época.

Veja também

Alanis Guillen deixa os pelos crescerem para viver Juma em 'Pantanal'
Televisão

Alanis Guillen deixa os pelos crescerem para viver Juma em 'Pantanal'

Pabllo Vittar anuncia capa e estreia de clipe de 'Bang Bang'
Música

Pabllo Vittar anuncia capa e estreia de clipe de 'Bang Bang'