Mostra Baobácine, no Cinema São Luiz, expõe a pluralidade do continente africano

Além de sete filmes, a Baobácine - Primeira Mostra de Filmes Africanos do Recife também traz um espaço de debate com minicurso e roda de conversa

Filme "Wùlu" é uma das produções contemporâneas da programação do eventoFilme "Wùlu" é uma das produções contemporâneas da programação do evento - Foto: Divulgação

“A imagem que as pessoas têm da África é uma terra de selvagens, um lugar de miseráveis, quando a realidade africana é muito mais que isso”, sentencia Raquel Santana, diretora de produção da Baobácine - Primeira Mostra de Filmes Africanos do Recife, cuja proposta é, acima de tudo, enegrecer o cinema e apresentar uma imagem de África plural.

A mostra começa nesta quarta-feira (23) no Cinema São Luiz e segue até o sábado (26), com início sempre às 19h. A programação se completa através de atividades paralelas, com minicurso e roda de conversa.

Leia também:
Curadoria: diferentes olhares compõem festivais de cinema em Pernambuco
Crítica: 'Pantera Negra' representa momento simbólico no cinema
Cinema São Luiz recebe mostra com filmes clássicos nacionais


A ideia de realizar uma mostra cinematográfica focada apenas no cinema negro-africano vem da latente falta de visibilidade que este tipo de cinema presencia no cenário nacional, o que contribui para a reprodução de preconceitos raciais.

"A representação que temos de negros na mídia é pequena e, quando existe, está associada a papéis de traficantes, assassinos, de mulheres hipersexualidadas”, critica a diretora. “E se os negros brasileiros são retratados desse jeito, o estereótipo em cima dos negros africanos é ainda mais pesado”, conclui.

As diferentes experiências com negritude também são pauta da mostra, que procura ser o mais plural possível. "Quisemos traçar um panorama mais geral do cinema, trazer várias cinematografias do cinema africano, mas dando uma ênfase nas produções mais atuais", explica Raquel.

Dentro dos temas abordados, há sessões focadas em gênero, pioneirismo e expressões contemporâneas. “Privilegiamos filmes mais naturais e tivemos essa preocupação de trazer filmes dirigidos por mulheres. De filmes clássicos trazemos dois, em uma sessão de filmes mais curtos. Há também um longa-metragem sobre a África árabe", desenvolve.

   Para além das exibições

As atividades complementares, por sua vez, são uma maneira de estimular a discussão para além do audiovisual. “Essa mostra tem como finalidade a educação, a formação de um público para um tipo de cinema que é muito marginalizado. Por isso, quisemos fazer essas atividades para além das sessões”, diz a diretora.

A roda de conversa "Presença da mulher negra nos cinemas de África e Diáspora" ocorre às 14h do sábado no próprio Cinema São Luiz, enquanto o minicurso "Para além de Nollywood: experiências contemporâneas do cinema autoral africano" toma forma no Espaço Pasárgada, na Boa Vista, na quinta e sexta-feira, às 13h30.

A programação da mostra, bem como as inscrições gratuitas para as atividades complementares, pode ser feita no site baobacinemostra.blogspot.com.br. A Baobácine é uma realização do Fazendo Milagres Cineclube, em parceria com o Fórum Itinerante de Cinema Negro (FICINE), com financiamento do Funcultura. Durante a mostra, uma feira quilombola com 15 expositores acontece no primeiro andar do prédio, com artesanatos, colares, turbantes e brincos à venda.

Programação da Baobácine - Primeira Mostra de Filmes Africanos do Recife

Programação da Baobácine - Primeira Mostra de Filmes Africanos do Recife - Crédito: Divulgação


 

   Sinopses dos filmes

Félicité (2017 | 123 min)
Quando o filho de Félicité sofre um acidente de moto e recebe a notícia que terá que amputar uma das pernas, ela explora a cidade em busca de traços de seus sonhos antigos.

África sobre o Sena (1957 | 21min)
Um retrato da vida de imigrantes africanos em Paris, vivendo no Quartier Latin e às margens do Sena.

O Retorno do Aventureiro (1966 | 34min)
De regresso de uma viagem aos Estados Unidos, um jovem nigeriano oferece aos amigos da sua aldeia equipamentos de cowboys.

Contos cruéis de guerra (2002 | 51min)
Através da narração de uma volta ao Congo-Brazzaville, seu país natal, Ibea Atondi lança um olhar singular sobre as guerras da África contemporânea.

À espera dos homens (2007 | 56min)
Com uma sociedade dominada pela tradição, pela religião e pelos homens, três mulheres se destacam ao discutir o relacionamento entre homens e mulheres.

São eles os cães (2013 | 85min)
Depois de vinte anos na cadeia, um prisioneiro político é solto em meio a Primavera Árabe.

Wùlu (2016 | 95min)
Um jovem começa a traficar cocaína e rapidamente se envolve no mundo de drogas do Mali.

 

Veja também

Cais do Sertão celebra aniversário com programação voltada à cultura popular
Pernambuco

Cais do Sertão celebra aniversário com programação voltada à cultura popular

Rapper Dadá Boladão quer espalhar brega funk pela Europa
Música

Rapper Dadá Boladão quer espalhar brega funk pela Europa