'Mudernidade' de Jéssica Caitano aporta no Molotov em Belo Jardim

Multiartista pernambucana é uma das atrações do festival que inicia nesta terça (15), etapa de Belo Jardim

Jéssica CaitanoJéssica Caitano - Foto: Sara Andrade

Foi em meio às raízes do Sertão do Pajeú que Jéssica Caitano cedeu ao "muderno" do eletrococo, definido por ela como "coco eletrônico, meio que isso, um rap repente, rap embolado, um negócio assim", ganhando palcos e desbravando sonoridades em voz e rimas. Sábado (19), na edição de Belo Jardim do “No Ar Coquetel Molotov” - festival que começa hoje com intensa programação de música, cinema e oficinas -, ela se apresenta com promessa de boniteza pelas bandas do Agreste pernambucano.

“Preparamos um negócio bem bonito para fazer lá, uma sambadinha, um baile moderno.” Será a segunda participação da multiartista no festival - a primeira foi em 2017, quando fundiu cultura popular e tecnologia em um mesmo espaço, junto ao Radiola Serra Alta, um dos projetos que integra sua rotina de brincante.

"Sou artista popular, poeta, cantora, compositora, declamadora, percussionista, arte-educadora, ativista (ou artevista). O que quero é buscar todos os espaços possíveis e imagináveis, onde eu possa manter presença e transmitir mensagem positiva", se autodeclara ela em conversa com a Folha de Pernambuco. E quer saber? Ela é esse bocado de coisas mesmo, e faz tempo.

Leia também:
No Ar Coquetel Molotov divulga programação da edição 2019
Todos os detalhes do 5º Coquetel Molotov Belo Jardim


Oficialmente sua estreia na música se deu em 2007, na percussão do Maracatu Serra Grande do Pajeú. Mas um tanto antes, foram dos LP's de Lindalva do Pandeiro e do coco de mestras como Vó Mera e Olindina, esta última do Quilombo das Águas Claras, localizado em Triunfo, sua terra natal, que Jéssica impôs seu cantar, e de nomes como Louro do Pajeú e Severina Branca, que ela desandou a falar (com e sobre arte).

"Ouvia muita poesia e embolada, rima cantada e falada, do povo antigo, da poesia antiga. São referências de importância para mim, assim como Nelson Triunfo, que quero mencionar quando da minha entrada no hip hop e que é da minha cidade, conheci na infância e tem grande relevância no rolê que a gente faz no Sertão", ressalta.

Ao lado de Chico Correa, parceiro a quem ela não poupa elogios, Jéssica Caitano tem percorrido espaços além das fronteiras do Sertão. Com ele, a produção do próximo disco segue na pegada da "mudernidade" e deve chegar aos (bons) ouvidos em 2020. "Tá ficando muito bonito, cheio de participações lindas. Chico é quem produz todos os beats desse projeto, do começo ao fim, ele tá produzindo tudo. Tá ficando do jeito que a gente pensava porque entendemos a frequência sonora do outro e transformamos numa melodia bonita. A gente quer dançar essa 'mudernidade', que é gostosa demais", enaltece ela, sedenta em engatar pela arte "mensagens que cheguem de formas diferentes e para pessoas diversas".





"Espero que não sejamos censurados em um futuro que tá próximo (e doido). Meu sentimento é de gratidão de poder cantar e falar sobre verdade e de felicidade de estar me conectando com minha raiz e ancestralidade quando estou no palco, de forma intensa e profunda, do tamanho e da boniteza que é poder estar falando o que sinto e o que acredito, que almejo e preciso", conclui.

Molotov Belo Jardim
Entre shows, oficinas e cinema (Mostra Play The Movie), a programação do festival No Ar Coquetel Molotov, etapa Belo Jardim, segue de hoje até sábado, com acesso gratuito nos espaços que recebem as atrações: Cine Teatro Cultura, Chaminé e Parque do Bambu. Acompanhe:

Shows
Parque do Bambu, sábado (19)

Palco
Academia da Berlinda (PE)
Luiz Lins (Nazaré da Mata)
Jéssica Caitano (Triunfo)
Ciel Santos (Bezerros)

Som Na Rural
Nix La Marge (Arcoverde)
Mago Trio (Belo Jardim)
O Tapete Voador (PE)
Cortejo do Maracatu Boi da Gente (Belo Jardim)

Oficinas
Chaminé Recepções
Terça-feira (15) até quinta-feira (17), às14h
Imersão com TOMAGA (Inglaterra)

Cine Teatro Cultura
Terça-feira (15), às 14h
Workshop sobre produção de música no Brasil
Facilitadora: Melina Hickson

Cine Teatro Cultura
Quarta-feira (16), às 14h
Corpo Maré - Vivência Experimental Para Mulheres
Facilitadoras: Coletivo Desabrochar e Marília Azevedo

Cine Teatro Cultura
Quinta-feira (17) e sexta-feira (18), às 14h
Oficina Produção de videoclipes com smartphone
Facilitador: Rostand Costa

Mostra Play The Movie - Cine Teatro Cultura (terça, 15)
14h - Imersão com o grupo TOMAGA
19h - Seleção de videoclipes da Convocatória Play The Movie 2019
19h15 - Sessão acessível - "Neurônios da Ilha" (Dir: Rostand Costa)
19h30 - Sessão acessível - “Clara Estrela” (Dir: Susanna Lira e Rodrigo Alzuguir)

Quarta-feira (16)
19h - Seleção de videoclipes da Convocatória Play The Movie 2019
19h30 - “Erlon Chaves - Maestro do Veneno” (Dir: Alessandro Gamo)

Quinta-feira (17)
14h - Oficina Produção de Videoclipes com Smartphone, por Rostand Costa
19h - Seleção de videoclipes da Convocatória Play The Movie 2019
19h30 - “Pipoca Moderna” (Dir: Helder Lopes)

Sexta-feira (18)
19h - Seleção de videoclipes da Convocatória Play The Movie 2019
19h15 - “Slam - Voz de Levante” (Dir: Tatiana Lohmann e Roberta Estrela D’Alva)

Sexta-feira (18), no Chaminé
20h45 - TOMAGA - Cine-Concerto ao vivo







Veja também

Filme mostra que não há muito por trás do enigma Cid Moreira
Crítica

Filme mostra que não há muito por trás do enigma Cid Moreira

JP Gadêlha se mostra decepcionado com Biel e chama Cartolouco de mentiroso
Reality Show

JP Gadêlha se mostra decepcionado com Biel e chama Cartolouco de mentiroso