Mulheres na comédia driblam machismo e conquistam premiações

“Fleabag” e “The Marvelous Mrs. Maisel” são exemplos de protagonismo feminino nas sitcoms

"Fleabag" tem suas duas temporadas com 100% de aprovação pelo Rotten Tomatoes"Fleabag" tem suas duas temporadas com 100% de aprovação pelo Rotten Tomatoes - Foto: Divulgação

Quem nunca ligou a TV pela tarde e viu que estava passando algum filme de comédia protagonizado por Eddie Murphy, Jim Carrey ou Adam Sandler? Grandes clássicos do gênero levam o nome desses e de outros atores como protagonistas, mas dificilmente lembramos das mulheres ao mencionar comediantes que ficaram eternizados na indústria do cinema e TV. Felizmente, ao longo dos anos o cenário vem mudando e o público não exclui o talento dos homens, mas está aberto a consumir histórias criadas, produzidas e protagonizadas por elas.

Mulheres sempre estiveram presente nas produções, mas, na época, eram reservado às atrizes os personagens secundários ou com perfis de dona de casa e secretárias, nunca alguém com poder. No artigo “As Mulheres Seriadas: Uma Breve Análise Sobre as Protagonistas Femininas nas Séries Brasileiras de Comédia”, de Fernanda Friedrich, destaca-se uma pesquisa do site Fivethirtyeight, reiterando um ambiente sexista. “Enquanto 32% dos médicos, 33% dos advogados, 14% dos engenheiros e 16% do exército é formado por mulheres [na vida real], na ficção os números caem para 10%, 11%, 5% e 3% respectivamente”, diz o texto.

Leia também:
‘Mandamentos de um Serial Killer’ expõe clichê de moralidade distorcida
Breaking Bad: A Trajetória de Jesse Pinkman

Os números apresentados são de 2015 e seja na ficção ou não, estão longe de serem o ideal. A perspectiva, no entanto, está em constante mudança. Hoje temos vários exemplos de mulheres que estão sendo reconhecidas pelo seu trabalho nas premiações internacionais, não só em papéis de destaque, mas criando, escrevendo e protagonizando a mesma produção. A coluna Uma Série de Coisas desta sexta-feira fala - e indica! - algumas delas.

Amy Sherman-Palladino é um dos nomes que se deve anotar no caderninho quando se quiser procurar séries bem escritas. Para quem não associa nomes às suas obras, saiba que a roteirista está por trás de uma série bem querida do público: “Gilmore Girls” (2000-2007). Atualmente, Sherman-Palladino é responsável pelo roteiro, direção e produção executiva de “The Marvelous Mrs. Maisel” (2017-até hoje), original Netflix. Com essa última, Amy se tornou, em 2018, a primeira mulher na história do Emmy a vencer, simultaneamente, as categorias de melhor roteiro e direção em série de TV.

A criadora se inspirou em sua própria família para criar o universo de Mrs. Maisel. Em entrevistas, ela chegou a mencionar que seu pai também foi comediante e que cresceu em volta de um grupo de judeus tentando fazer o outro rir. É uma bela forma de viver, concordam?

“The Marvelous Mrs. Maisel” se passa em 1958 e conta a história de uma mulher recém-divorciada que precisa se adaptar às mudanças de sua rotina de dona de casa ao mesmo tempo que tenta desenvolver seu talento como apresentadora de stand-up.



Ainda sobre a série, a atriz Alex Borstein ganhou duas vezes seguidas o Emmy de Melhor Atriz Coadjuvante em Série de Comédia por sua personagem Susie. Este ano, em seu discurso, ela foi aplaudida de pé com um discurso encorajador: “Eu quero dedicar esse prêmio à Amy-Sherman Palladino [criadora da série], e todos na equipe e no elenco. Para a minha mãe, e a minha avó, que é imigrante e sobrevivente do Holocausto. A minha avó perguntou a um guarda: 'O que acontece se eu sair da fila?'. Ele respondeu: 'Eu não vou conseguir te matar, mas alguém vai’. E ela saiu da fila, e eu estou aqui hoje. Saiam da fila, meninas”, disse Borstein.

Outra produção que superou as expectativas foi “Fleabag”. Para o nosso azar, sua criadora Phoebe Waller-Bridge já adiantou de que não terá mais temporadas e que a segunda foi a última. “Fleabag” estreou em 2016 e atingiu 100% de aprovação no Rotten Tomatoes.

O ano com certeza é de Phoebe. A escritora também contribui para “Killing Eve”, da BBC America, que traz Sandra Oh e Jodie Comer no elenco. Este ano, Waller-Bridge ganhou nas principais categorias de comédia do Emmy, por “Fleabag”. A série tem um humor irônico com tons de drama e acompanha a vida da protagonista tentando lidar com o luto. O diferencial é que a protagonista quebra a quarta parede ao olhar para a câmera e fazer pequenos comentários que só o público consegue ouvir. A série também conta com a participação de Olivia Colman, vencedora do Oscar por sua atuação no filme “A Favorita” (2018). “Fleabag” está disponível no catálogo da Amazon Prime Video.



Por último é válido mencionar “Veep” (2012-2019), finalizada este ano na sétima temporada. A série conta a história de uma senadora que é escolhida para o cargo de vice-presidente dos Estados Unidos. Das 11 indicações na categoria de Melhor Atriz em Série de Comédia, Julia Louis-Dreyfus ganhou seis, sendo a atriz recordista conseguir mais prêmios com a mesma personagem. Dentre os elogios conquistados pela série durante os anos, o fato de ser um retrato bem fiel da política americana somado com um elenco competente e com bastante sincronia ajudaram “Veep” a ser um marco na história das comédias comandadas por personagens femininas. A série está disponível na HBO Go.



*Fernando começou a assistir a séries de TV e streaming em 2009 e nunca mais parou. Atualmente ele acompanha mais de 280 produções e já assistiu mais de 7 mil episódios. A série mais assistida - a favorita - é 'Grey's Anatomy', à qual ele reassiste com qualquer pessoa que esteja disposta a começar uma maratona. Facebook: Uma série de Coisas. Instagram: @umaseriedecoisas. Twitter: @seriedecoisas_ YouTube: Uma Série de Coisas. Podcast: Pocbuster. Portal: umaseriedecoisas.com.br.

*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

Veja também

HQs lançadas pela Cepe são finalistas de prêmio nacional
Quadrinhos

HQs lançadas pela Cepe são finalistas de prêmio nacional

Programação de outubro do 'Palco Virtual' celebra 15 anos do Grupo 3 de Teatro
Itaú Cultural

Programação de outubro do 'Palco Virtual' celebra 15 anos do Grupo 3 de Teatro