Não assinatura de Bolsonaro é um segundo prêmio, diz Chico Buarque em rede social

O comentário foi uma resposta a comentário do presidente que deu a entender que não vai assinar o diploma que será concedido ao compositor pelo Prêmio Camões

Imagem da obra "Revela-te, Chico - Uma fotobigrafia"Imagem da obra "Revela-te, Chico - Uma fotobigrafia" - Foto: Daryan Dornelles

Chico Buarque usou as redes sociais nesta quarta-feira (9) para responder ao comentário feito por Bolsonaro, que deu a entender que não vai assinar o diploma que será concedido ao compositor pelo Prêmio Camões, o principal troféu da língua portuguesa. "A não assinatura do Bolsonaro no diploma é para mim um segundo Prêmio Camões", escreveu o cantor e escritor.

Questionado se assinaria o diploma que acompanha a premiação de EUR 100 mil (cerca de R$ 447,3 mil), valor dividido entre Brasil e Portugal, o presidente disse que sua decisão é um "segredo". "Eu tenho prazo? Até 31 de dezembro de 2026, eu assino", afirmou, fazendo alusão à reeleição. Seu atual mandato termina em dezembro de 2022.

O assunto tem rachado a cúpula do governo. Para integrantes do setor moderado, a assinatura do diploma seria apenas uma iniciativa protocolar e, por isso, o presidente deveria seguir a tradição, evitando criar um constrangimento com o governo português.

Leia também:
'Até 31 de dezembro de 2026, eu assino', diz Bolsonaro sobre prêmio a Chico Buarque
Bolsonaro é pressionado a não assinar prêmio Camões de Chico Buarque
Chico Buarque é o novo ganhador do Prêmio Camões
 

Na avaliação de membros do núcleo ideológico, no entanto, ao não assinar o documento, o presidente faria um gesto político, posicionando-se contra o uso de recursos públicos em ações não prioritárias e demonstrando que seu mandato representa uma ruptura em relação aos governados anteriores.

Veja também

Cine PE tem inscrições de filmes prorrogadas
Cinema

Cine PE tem inscrições de filmes prorrogadas

Série de lives 'Nossas vozes' debate racismo estrutural
13 de maio

Série de lives 'Nossas vozes' debate racismo estrutural