Nova série da Globoplay, 'Aruanas' é aposta alta do streaming

A série, que foi produzida em parceria com o Greenpeace, tem estreia marcada para o dia 2 de julho

"Aruanas", da Globoplay, estreia no dia 2 de julho"Aruanas", da Globoplay, estreia no dia 2 de julho - Foto: TV Globo/Divulgação

A série "Aruanas" tem de tudo para ser sucesso, a julgar pelo trailer, divulgado esta semana. A trama, protagonizada por nomes consolidados e elogiados da teledramaturgia brasileira (Taís Araújo, Leandra Leal, Débora Falabella, Camila Pitanga e Thainá Duarte - esta última menos conhecida pelo grande público, mas igualmente talentosa), foi feita em parceria com o Greenpeace, o que faz todo o sentido, levando-se em conta o teor do trabalho. 

"Aruanas" se concentra na situação dos ativistas ambientais no Brasil. Nos últimos três anos, o país sul-americano ocupa o primeiro lugar no número de ativistas mortos, informou a revista Variety, citando dados de que, somente em 2017, 57 ativistas foram mortos, dos quais 80% trabalhavam em causas ambientais. A série terá pré-estreias em Londres, Nova Iorque e São Paulo ainda no fim deste mês.

 

Estela Renner e Marcos Nisti assinam a produção da série, que tem estreia marcada para o dia 2 de julho. Por meio do site Aruanas.tv, a Globoplay vai disponibilizar os dez episódios da série em 11 línguas, com distribuição em 150 países. Entre julho e outubro, metade do que for arrecadado com as vendas da série por esse site, será doado a projetos em defesa da Amazônia.

Há cerca de 250 pessoas na equipe, que preza por uma maior igualdade de gênero. Para o elenco, também foram selecionados atores e atrizes locais que, segundo Leandra Leal, engrandeceram a produção: "Foi incrível trabalhar com pessoas que vivem a floresta, que conhecem mesmo."

 

As atrizes durante o lançamento da série

As atrizes durante o lançamento da série - Crédito: TV Globo/Divulgação

Para Taís, a militância que é representada na série também pode ser sentida dentro do próprio set. "A gente fala dos ativistas e na verdade, o que optamos fazer com essa série também é ativismo. Quando você pensa em fazer uma equipe bem dividida entre homens e mulheres, isso também é ativismo", afirma a atriz.

Camila Pitanga, que vive uma vilã, revela que foi a amiga Taís que a convenceu a participar da trama. "Preciso agradecer à Taís. Ela foi a madrinha para que eu estivesse na série", lembra.

Veja também

Record demite Marcos Mion após 11 anos na emissora, diz colunista
Famosos

Record demite Marcos Mion após 11 anos na emissora, diz colunista

Cinco filmes que merecem continuações
Cinema

Cinco filmes que merecem continuações