O desafio de transformar obra de “Tony & Susan” no longa “Animais Noturnos”

Drama premiado chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (29)

Ocupa Política reúne ativistas no Recife com programação de debates e apresentações culturaisOcupa Política reúne ativistas no Recife com programação de debates e apresentações culturais - Foto: ocupa política

 

Um drama premiado chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (29): o longa “Animais Noturnos”, estrelado por Amy Adams e Jake Gyllenhaal e inspirado no romance “Tony & Susan”, do escritor americano Austin Wright (1922-2003). O livro foi lançado na década de 1990 nos Estados Unidos e só chegou ao Brasil há cinco anos, mesmo considerado sucesso no exterior.

O formato da obra, cheia de camadas, não seria facilmente adaptado para o cinema, mas o diretor Tom Ford (o mesmo de “O Direito de Amar”) dá conta da proeza contando uma história dentro de outra. Na trama, Susan (Amy Adams) está em seu segundo casamento quando recebe o manuscrito do livro “Animais Noturnos”.
Casada com o charmoso e rico Hutton Morrow (Armie Hammer), Susan é surpreendida ao abrir o pacote. O autor é seu ex-marido, Edward (Jake Gyllenhaal), um escritor frustrado - ao menos enquanto estava com ela.
Logo Susan se vê angustiada pelas falhas do casamento atual e, ao mesmo tempo, ansiosa para terminar a história do livro, que narra a tragédia que acontece na vida do professor universitário Tony (também vivido por Jake Gyllenhaal).
O mocinho do livro é rendido por bandidos na estrada, vê sua filha e sua mulher serem sequestradas e decide começar uma caçada aos marginais. Enquanto a trama se desenrola, Susan começa a se questionar sobre a verdadeira intenção do ex ao lhe mandar a história.
Com menos detalhes do que o livro - como de costume - o filme é bem-sucedido ao entrelaçar a vida e os sentimentos de Susan com a trama do manuscrito que ela recebe.
Premiação
O longa “Animais Noturnos” já teve sessões na Mostra de Cinema de São Paulo e ganhou destaque por onde passou. O filme foi elogiado no Festival de Veneza, premiado nos Estados Unidos e ainda recebeu três indicações para o Globo de Ouro de 2017. Estão concorrendo o cineasta Tom Ford, nas categorias de melhor roteiro e direção, e Aaron Taylor-Johnson, como ator coadjuvante.
O artista inglês se destaca na pele de um personagem do livro que Susan recebe.
Essa é a primeira grande indicação do ator Taylor-Johnson, 26 anos, conhecido pelos filmes “Os Vingadores: a Era de Ultron” (2015), Capitão América 2 - O Soldado Invernal (2014) e “Godzilla” (2014).

 

Veja também

Ironia e celebração a Spike Lee marcam poemas da semana de Wilson Araújo
Poesia

Ironia e celebração a Spike Lee marcam poemas da semana de Wilson Araújo

Lei Aldir Blanc fez ressoar "artistas invisíveis" do Estado
Fomento

Lei Aldir Blanc fez ressoar "artistas invisíveis" do Estado