O novo, e o de sempre, incrível João Bosco em 'Abricó-de-Macaco'

Cantor e compositor lança, hoje, álbum em que revisita canções antigas e duas inéditas

Entre as parcerias do DVD, Bosco canta com o filho Francisco em "Mano que Zuera" "Abricó-de-Macaco" teve lançamento adiado por causa da morte de Aldir BlancEntre as parcerias do DVD, Bosco canta com o filho Francisco em "Mano que Zuera" "Abricó-de-Macaco" teve lançamento adiado por causa da morte de Aldir Blanc - Foto: Lucilia Guimarães/FCC - DIVULGAÇÃO

Um disco composto por 16 faixas e com apenas duas delas inéditas não deveria soar como novidade para o mercado fonográfico, mas o (re) criar para artistas do quilate do cantor e compositor mineiro João Bosco é praxe, e está entre as mais bem-vindas da Música Popular Brasileira (MPB). 

Abricó-de-Macaco” (Som Livre/MPB Discos) é a mais recente prova inconteste disso, álbum que ganha lançamento hoje nas plataformas digitais, com DVD homônimo de registros de estúdio exibidos no Canal Brasil - programação inicialmente marcada para o mês de abril, antes da notícia do internamento do seu parceiro de mais de cinco décadas, Aldir Blanc, falecido no último 4 de maio.

Por falar em Aldir, cuja morte levou João Bosco ao luto e ao silêncio, estados declarados pelo próprio artista em seu Instagram e justificados por frases do tipo "Não existe João sem Aldir" e "Felizmente, nossas canções estão aí para nos sobreviver". 

E, de fato, algumas delas estão lá, revestidas pelas desconstruções típicas do compositor mineiro: “Linha de Passe” (1979) e "Profissionalismo É Isso Aí" (1980), esta última, até então um samba, que foi transformada em blues, confirmando a metamorfose presente no poderio de quem é intérprete de seu próprio cancioneiro, são algumas das recriações trazidas para o disco.

Com o filho Francisco Bosco, João retorna com “Mano que Zuera” canção que deu nome ao seu último trabalho de inéditas há três anos e abre o disco com a maestria instrumental (e longa) de Kiko Freitas (bateria), Ricardo Silveira (guitarra) e Guto Wirtti (baixo). A parceria pai/filho segue nas inéditas “Horda” e no samba que dá nome ao disco - título pensado, aliás, sob inspiração da árvore amazônica cujos frutos carregam cachos que desabrocham floridos e pomposos, qualidades imbuídas à trajetória de João em um álbum refinado por musicalidades que cabem em vários brasis. 

Senhora do Amazonas”(1984), parceria com Belchior (1946-2017), “Terreiro de Jesus”(2002), feita junto a Edil Pacheco e o filho Francisco, “Cordeiro de Nanã/Nação” e a imensidão de “Aquarela do Brasil" (1939), do mestre Ary Barroso (1903-1964), descrevem bem os percursos feitos País afora, no disco.

 

Capa do novo álbum de João Bosco

Capa do novo álbum de João Bosco - Crédito: Divulgação


"Holofotes” (João Bosco, Antonio Cicero e Waly Salomão, 1991), a voz e o violão em “Água de Beber” (AntonioCarlos Jobim e Vinicius de Moraes, 1961), “Cabeça de Nego” (do álbum homônimo de 1978) e “Chora Chorões”, ambas com a participação da sax soprano israelense Anat Cohen, que retorna em “Tanto Faz” e no pout porri “Blue In Green/Transversal do Tempo”, seguem complementando a pujança do disco. Já “Forró em Limoeiro" (1953) de Edgar Ferreira e “Pagodespell” (1995), parceria com Caetano e Chico, João ganha os reforços vocais de Alfredo Del-Penho, João Cavalcanti, Moyseis Marques e Pedro Miranda, integrantes de um trabalho que entrega o ineditismo de quem consegue desconstruir a própria obra para fazê-la ressurgir absolutamente nova.

Serviço

"Abricó-de-macaco" (Som Livre/MP,B Discos)

Lançamento nesta sexta (15) nas plataformas digitais e exibição do DVD no Canal Brasil, às 13h55

 

Veja também

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não
CINEMATECA

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020
SÃO PAULO

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020