Os malvados favoritos da teledramaturgia

Intérpretes falam sobre os vilões mais marcantes de suas carreiras e que cativaram o público

22 Milhas22 Milhas - Foto: Internet / Reprodução

 

Os vilões da teledramaturgia caem facilmente no gosto popular. E não é difícil entender o porquê. São personagens que podem tudo dentro de uma história. E, em vários casos, ainda carregam boas doses de carisma e senso de humor. Muitos atores, aliás, são atraídos por esses mesmos motivos para papéis assim. Alguns, inclusive, mais do que torcer pela escalação, insistem pela oportunidade de fazer um teste para um vilão.

Com os anos de carreira, os antagonistas passam a ser mais frequentes. E há quem consiga elencar o seu favorito. Depois de viver algumas vilãs de Walcyr Carrasco, Elizabeth Savalla se diverte ao lembrar de Jezebel, de “Chocolate com Pimenta”. “É daquelas vilãs deliciosas de época que, por mais que cometa atrocidades, acaba conquistando o público e se dando mal de forma bem-humorada no final. O processo é delicioso porque, em novelas de época da seis, a gente pode pesar a mão e exagerar na personagem, ninguém tem o compromisso de parecer totalmente real”, avalia a atriz.
Em geral, atores evitam dizer que determinado personagem representa o ápice de sua carreira. Muitos, inclusive, preferem adotar o discurso de que o atual trabalho é sempre o mais marcante. Mas Renata Sorrah tem plena consciência do que representou Nazaré, vilã que interpretou em “Senhora do Destino”, de 2004. “Depois de tantos anos de carreira, foi muito intenso e revelador ter uma Nazaré Tedesco no meu caminho. Foi meu reencontro com o público e até hoje as pessoas falam dela nas ruas e nas redes sociais”, orgulha-se a atriz.
Acostumada a ser escalada para mocinhas, Juliana Silveira se surpreendeu quando teve a chance de viver sua primeira vilã na Record. Na ocasião, deu vida à neonazista Priscila, em “Vitória”, de 2014. Para a atriz, a complexidade que a personagem exigia chegou no momento certo de sua carreira. “Tudo tem seu tempo e eu tive paciência para esperar. Os personagens aparecem quando você está pronto. Passar por todas as emissoras até ganhar minha primeira vilã foi muito importante, eu estava preparada para fazer”, avalia ela, que foi escalada para sua segunda vilã em “A Terra Prometida”, com a sensual Kalési.

 

Veja também

Drica Moraes diz que criou relação com homem que doou medula para ela: 'Meu oitavo irmão'
famosos

Drica Moraes diz que criou relação com homem que doou medula para ela: 'Meu oitavo irmão'

Boom de novos assinantes que Netflix vivenciou na pandemia perde força
streaming

Boom de novos assinantes que Netflix vivenciou na pandemia perde força