Oscar 2020 mostra que a diversidade ainda não atingiu o patamar necessário quando o assunto é cinema

Presença feminina entre os diretores indicados ao prêmio foi escassa, mas o escritor Stephen King, um dos jurados, declarou que a diversidade não é um critério a ser levado em conta. Problema acontece também na produção cinematográfica do Brasil e de Pern

O papel de uma escrava negra quase foi dado a Julia Roberts, mas Cynthia Erivo brilha em "Harriet" e luta pela liberdade e pelo OscarO papel de uma escrava negra quase foi dado a Julia Roberts, mas Cynthia Erivo brilha em "Harriet" e luta pela liberdade e pelo Oscar - Foto: Divulgação

A cerimônia do Oscar 2020 acontecerá apenas no dia 9 de fevereiro, mas o mundo todo aguarda ansioso pelos resultados - inclusive os brasileiros, que serão representados pelo documentário "Democracia em vertigem", de Petra Costa. Petra é uma das poucas mulheres que participam da cerimônia, além das indicadas ao título de melhores atrizes. Contrariando uma tendência de mercado (em 2019, procurando dar um pouco mais de espaço à representatividade, 12% dos cem filmes de maior bilheteria foram dirigidos por mulheres), a presença feminina entre os diretores indicados ao prêmio foi escassa.

Neste ano, são marcantes ausências como as de Céline Sciamma (de "Retrato de Uma Jovem em Chamas", que acabou concorrendo na categoria de Melhor Filme Internacional), Greta Gerwig (que conquistou duas indicações por "Adoráveis Mulheres", nas categorias de melhor filme e melhor roteiro adaptado) e Kasi Lemmons (que registrou a saga da abolicionista Harriet no filme de mesmo nome, e teve que lidar com a pressão para colocar Julia Roberts no papel de uma escrava negra - defendido brilhantemente por Cynthia Erivo, única negra indicada este ano ao papel de melhor atriz).

Leia também:
Brasil estreia em documentário longa-metragem no Oscar 2020
Confira cinco curiosidades sobre os indicados ao Oscar 2020
Portaria com indicação de filme brasileiro ao Oscar 2020 é publicada
Cinemateca pernambucana faz aniversário e preserva ativamente nosso cinema

Mas isto não é novidade, já que nos últimos dez anos, dentre 50 possibilidades de indicação, apenas uma mulher esteve entre os candidatos da maior categoria individual: justamente Greta, com "Lady Bird", em 2018. Na semana passada, a novidade (ou não) foi a declaração do escritor e roteirista Stephen King, um dos jurados do Oscar, de que não se preocupa com diversidade quando se trata de indicar obras à premiação. "Eu nunca consideraria a diversidade, apenas a qualidade", afirmou ele, que indicou obras para melhor filme, melhor roteiro adaptado e melhor roteiro original. A afirmação gerou polêmica nas redes sociais, com respostas como a da diretora negra AvaDuVernay, que postou que quando acorda e "vê um tuíte de alguém que você admira e é tão atrasado e ignorante", sua vontade é "voltar para a cama".

Para Kalor Pacheco, a premiação do Oscar dita as regras do mercado internacional, e por isso é preciso considerar as disparidades

Para Kalor Pacheco, a premiação do Oscar dita as regras do mercado internacional, e por isso é preciso considerar as disparidades - Crédito: Radh Lenine/Divulgação

"Uma programação como Oscar acaba ditando as regras do mercado internacional, e se só há homens ou pessoas brancas, ainda que mulheres, se torna algo muito distante da diversidade. É preciso abrir mais, considerar as disparidades", aponta Kalor Pacheco, roteirista e realizadora audiovisual pernambucana.

Para a coordenadora de cinema da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), Ana Farache, o cinema, nos Estados Unidos e no resto do mundo, inclusive no Brasil, "se instituiu com a presença majoritária de homens brancos, originalmente de classe média, com participação feminina inicialmente quase que exclusivamente no elenco das produções". "Ainda estamos no começo de um longo percurso que a mulher precisa percorrer para ocupar seu espaço devido e merecido no audiovisual", pontua Ana.

Traçando um paralelo com a produção brasileira e pernambucana, pode-se perceber, como destaca Kalor Pacheco, que o acesso à produção e à formação ainda está centrado na branquitude e no gênero masculino. "As coisas vêm andando, muito como resposta aos movimentos sociais, às lutas, à implementação das cotas nas universidades públicas, que vêm dando acesso a uma parcela da população que não tinha acesso a elas. A guerra é acirrada. O incentivo público à produção audiovisual aqui em Pernambuco existe há uns quinze anos, mas só há três começou a haver ações afirmativas de gênero e de raça", afirma Kalor.

Ana Farache diz que historicamente o cinema foi construído com a presença majoritária de homens brancos de classe média

Ana Farache diz que historicamente o cinema foi construído com a presença majoritária de homens brancos de classe média - Crédito: Kleyvson Santos/Folha de Pernambuco

"Temos um time de cineastas mulheres em Pernambuco, atualmente, como Adelina Pontual, Luci Câmara, Renata Pinheiro, Cecília da Fonte, Tuca Siqueira e Déa Ferraz, todas brancas. Infelizmente a presença da mulher negra em nosso cinema é ainda mais mioritária, embora tenha se ampliado e fortalecido nos últimos anos", acrescenta Ana Farache.

As duas citam o exemplo da cineasta mineira Adélia Sampaio: negra e filha de uma empregada doméstica, ela ousou filmar o longa-metragem "Amor Maldito" (1984), que traz um casal de lésbicas. Foi o primeiro filme nesse formato feito por uma mulher negra no Brasil. "As exceções à regra sempre existiram, mas a porta precisava ser arrombada com os dois pés", analisa Kalor.

Paula Fiuza acredita que a igualdade nas produções de cinema pode ser construída através de grupos de suporte e políticas de apoio à diversidade

Paula Fiuza acredita que a igualdade nas produções de cinema pode ser construída através de grupos de suporte e políticas de apoio à diversidade - Crédito: Divulgação

Branca e filha de uma família de intelectuais que a criou de forma igualitária, a cineasta carioca Paula Fiuza acha importante que cada vez mais se discutam essas questões. "Eu não sou parâmetro, porque sempre me senti muito forte por ser mulher. Isso sempre me abriu mais portas do que fechou. Mas sei que sou afortunada, fora do padrão, e que tenho a missão de também carregar essa bandeira", avalia.

Para Paula, no universo do cinema, "que a princípio devia ser por natureza mais criativo e menos preconceituoso", persistem sérias discriminações e diferenças. "É preciso construir uma igualdade e isso se faz com grupos de suporte e políticas de apoio à diversidade", descreve.

Autora do longa-metragem "Sobral, o homem que não tinha preço" (2013) e da série "Pra onde corre o Rio" (2020), ela é irônica ao analisar quem é contrário à necessidade de se ter múltiplos olhares tanto na hora de produzir, como de atingir o público do cinema. "Falando na linguagem que algumas pessoas entendem melhor, que é a do dinheiro, é bom lembrar que as pesquisas mostram que quem decide qual filme assistir é a mulher do casal", brinca.

Veja também

Documentário inédito "Elza Infinita" estreia no GNT, nesta quarta (8)

Filme

Documentário inédito "Elza Infinita" estreia no GNT, nesta quarta (8)

Longa de animação brasileiro 'Bob Cuspe, nós não gostamos de gente' pode concorrer ao OscarCinema

Longa de animação brasileiro 'Bob Cuspe, nós não gostamos de gente' pode concorrer ao Oscar