Para cada detalhe, uma motivação'

Editora Ubu, lançada por diretoras que faziam parte da equipe da extinta Cosac Naify, procura manter cuidado na elaboração dos livros

Gisela Gasparian, Elaine Ramos e Florencia Ferrari fizeram sociedade para criar a nova empresaGisela Gasparian, Elaine Ramos e Florencia Ferrari fizeram sociedade para criar a nova empresa - Foto: Divulgção

Enquanto o mercado editorial brasileiro segue pesquisando formas de ampliar o número de leitores e debater os hábitos de leituras, novas editoras de perfil intrigante seguem surgindo. Foi lançada em setembro deste ano a Ubu Editora, projeto criado por Florencia Ferrari, direto­ra editorial, e Elaine Ra­mos, diretora de arte, que ocupavam esses mesmos cargos na Cosac Naify, editora que encerrou as atividades em 2015. No dia do lançamento, a Ubu teve mais de 10 mil curtidas no Facebook.
“Com o fechamento da Cosac Naify, Elaine e Florencia viram uma oportunidade de abrirem uma nova editora em que pudessem dar continuidade a seu trabalho ao mesmo tempo em que pudessem atender aos leitores que tinham tanto apreço por um certo tipo de cuidado com o livro”, explica Julia Fagá Alves, gerente de comunicação e marketing da editora. “A Ubu nasce com 35 títulos do catálogo da Cosac, que serão publicados ao longo do próximo ano, e alguns projetos novos, que devem também propor pontes entre diferentes campos do conhecimento”, diz.
O nome da editora se refere à obra “Ubu Rei”, escrita pelo poeta e dramaturgo francês Alfred Jarry. “Jarry inspirou diversas escolas, de surrealistas, dadaístas ao Teatro do Absurdo”, explica Julia. “Entendemos que o conhecimento sobre Jarry não faz jus a sua força e que trazer esse tipo de conceito e história para nosso público é nossa vocação”, ressalta. Do autor, a Ubu planeja o lançamento de “O supermacho - romance moderno”, em novembro. Também em novembro será publicado “Ressaca tropical”, de Jonathas de Andrade, artista alagoano radicado no Recife.
A editora surge com um perfil definido. “Buscamos estabelecer conexões entre diversos temas relevantes à vida contemporânea. Inicialmente teremos um foco em ciências humanas e ensaios críticos, por conta do catálogo vindo da Cosac, assim como em clássicos da literatura, arquitetura, design”, afirma Julia. “Nosso foco está em buscar títulos que componham um ‘fundo de catálogo’, ou seja, livros atemporais e relevantes que têm uma venda constante ao longo do tempo”, detalha.
Entre os primeiros livros publicados pela Ubu estão “Os sertões”, de Euclides da Cunha, e “Jacaré, não!”, de Antonio Prata. “A edição de ‘Os sertões’ é um projeto extremamente complexo por ser uma edição crítica, que decorre de uma análise das diferenças entre as várias edições, e por apresentar vários materiais complementares, como um ensaio fotográfico da Guerra de Canudos e imagens das anotações das cadernetas utilizadas por Euclides da Cunha”, explica Julia.
A Ubu vem crescendo a partir de um pequeno suporte. “É uma editora com uma estrutura mínima que precisa se pagar e se mostrar sustentável”, diz Julia. “Essa preocupação se revela na própria sociedade com Gisela Gasparian, que tem experiência como executiva e consultora na McKinsey. O cuidado com o design e a edição do livro continua, mas as variáveis são controladas - tanto as tiragens são pensadas para estarem adequadas ao público alvo, como cada detalhe do projeto gráfico deve ter uma motivação”, destaca.

Digital
Está nos planos da editora trabalhar também com o formato digital. “Damos muito valor ao livro enquanto objeto e nosso foco será sempre na melhor edição possível no formato impresso. A migração para e-books no Brasil é lenta e acreditamos que a experiência de ler um livro físico nunca será ultrapassada pela virtual. Há estudos, por exemplo, que concluem que a capacidade de compreender e memorizar textos é menor no formato digital”, indica Julia. “A verdade é que a migração para o livro digital foi superestimada em velocidade e amplitude. Mais ainda no Brasil, onde apenas 7% dos leitores adotou o e-book versus 16-17% nos EUA e Reino Uni­do”, ressalta.

Veja também

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações
Streaming

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos
Celebridades

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos