Para o teatro, o mês é de “outubro ou nada”

De acordo com Samuel Santos, diretor da companhia "O Poste: Soluções Luminosas", o projeto representa um momento histórico para a classe artística

Anderson Ferreira concedeu entrevista à Rádio FolhaAnderson Ferreira concedeu entrevista à Rádio Folha - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

A frase “a união faz a força” pode até ser um cli­chê absoluto, mas traduz muito bem o espírito do Outubro ou Nada - 1ª Mostra de Teatro Alternativo do Recife. Diante de um momento em que a crise econômica é utilizada co­mo desculpa para o encolhimento dos investimentos em cultura, foi o esforço coletivo que fez um grupo de artistas locais criar seu próprio festival de artes cênicas.

Desta segunda-feira (3) até o dia 29 de outubro, serão encenados 35 espetáculos, reunindo cerca de 60 nomes da cena teatral independente do Recife. O circuito de apresentações teve co­mo impulsionador uma ação semelhante - só que de menor vulto - realizada no 26º Festival de Inverno de Garanhuns, em julho.

Na capital pernambucana, a programação vai ocupar um total de 14 espaços alternativos. Para Samuel Santos, diretor da companhia O Poste: Soluções Luminosas, o projeto representa um momento histórico para a classe artística.

“Antes de tudo, estamos diante de um ato político e de resistência. É importante mostrar para o poder público e para os espectadores em geral que há pessoas se reinventando para ­der continuar trabalhan­do a linguagem cênica na Cidade”, afirma.

Veja também

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações
Streaming

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos
Celebridades

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos