Pela memória dos palcos

Pesquisador e jornalista Leidson Ferraz lança pesquisa do acervo digital “Teatro tem programa!”, na reta final do Festival Recife do Teatro Nacional

O governador Paulo CâmaraO governador Paulo Câmara - Foto: Paullo Allmeida

 Há mais de dez anos, o jornalista e pesquisador Leidson Ferraz vem se dedicando a mapear a produção teatral pernambucana em suas mais diferentes épocas. Nessa jornada laboriosa em busca de informações, ele sempre contou com a ajuda de um instrumento fundamental: os programas dos espetáculos produzidos por aqui. Essa importante fonte de pesquisa, agora, está reunido no acervo digital “Teatro tem programa!”, coordenado pelo jornalista. O lançamento está marcado para hoje, às 15h, no Teatro Hermilo Borba Filho, no Bairro do Recife, dentro da programação do 18º Festival Recife do Teatro Nacional.

O projeto permite o acesso virtual a 780 programas de peças teatrais montadas no Recife e em Olinda no século passado. São materiais gráficos dos mais diferentes tipos, tanto em forma quanto em conteúdo. “É o único documento que o teatro deixa. Além de imagens e fichas técnicas, alguns chegam a trazer reflexões sobre o processo de criação dos grupos”, afirma Leidson. Organizados em formato de revista, os folhetos estão dispostos página a página e em ordem alfabética, com indicação do ano em que foram editados. “Há registros raros, que estão quase indo embora. Alguns estão, inclusive, rasgados, mostrando o descaso na preservação desses documentos”, revela. O exemplar mais antigo, datado de 1926, foi confeccionado pela Sociedade Dramática do Feitoza.
O acervo foi digitalizado graças ao incentivo do Funcultura e ao apoio do setor de microfilmagem da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj). “Serão distribuídos 300 DVDs em instituições de todo o Brasil. Também há a possibilidade de ter acesso ao material através dos sites da Fundaj, da Fundarpe e do Teatro de Santa Isabel”, informa. Para reunir os documentos, Leidson contou com a colaboração de muitas pessoas, em especial, a atriz Inalda Silvestre, que por décadas colecionou centenas de programas.  

Encerrando o festival

O acervo “Teatro tem programa!” divide a noite com outros três lançamentos. Na ocasião, também serão apresentados os livros “O laboratório das incertezas” e “A escravidão do amor”, do dramaturgo paraibano Paulo Vieira, e a revista TREMA Nº 8, coordenada por Pedro Vilela. Mais tarde, às 19h, o Teatro Hermilo Borba Filho recebe o espetáculo “O pão e a pedra”, da Cia. do Latão (SP). Já no Teatro Barreto Júnior, às 16h, a Borbolina Produções (SP) encena o infanto-juvenil “O menino e a cerejeira”, adaptação da obra homônima do escritor japonês Daisaku Ikeda, que conta a história de um garoto que, após a morte do pai durante a guerra, vive com a mãe em uma cidade devastada pelo bombardeio.  

Ainda hoje, às 20h30, o Teatro Popular de Ilhéus (BA) leva ao Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu) a peça “Medida por medida”, versão da clássica comédia de William Shakespeare. A companhia permanece em Recife, amanhã, com o espetáculo “Teodorico Majestade”, sobre um prefeito grosso e corrupto que está prestes a ser expulso do seu atual cargo pela população. A sessão ocorre no mesmo local e horário que a anterior.

Também no domingo, às 19h, os cearenses do grupo Ba­gaceira sobem ao palco do Teatro Apolo com “Fishman”. O enredo gira em torno de dois homens em um pequeno bote sobre as águas de um lago, frente a frente, sem saber o que dizer. Completam a programação duas montagens pernambucanas: “Vento forte para água e sabão”, às 16h, no Teatro de Santa Isabel, e “Sebastiana e Severina”, às 16h30, no Teatro Barreto Júnior.

Veja também

Nego do Borel sofre acidente de moto e vai parar no hospital
famosos

Nego do Borel sofre acidente de moto e vai parar no hospital

Thiago Martins critica aglomerações e dias depois dá festa em novo apartamento
celebridades

Thiago Martins critica aglomerações e dias depois dá festa em novo apartamento