Streaming

Pernambucano George Moura assina 'Onde está meu coração', nova série do Globoplay

Escrita em parceria com Sergio Goldenberg, obra terá exibição especial na TV nesta segunda-feira (3)

George Moura, roteirista pernambucanoGeorge Moura, roteirista pernambucano - Foto: Victor Pollak/Globo/Divulgação

“Onde está meu coração”, nova série original do Globoplay, traz a assinatura de George Moura. Responsável por sucessos como as minisséries “Amores roubados” e “O canto da sereia”, o pernambucano é um dos mais prestigiados nomes do atual casting de autores da Globo. Seu mais novo projeto, escrito em parceria com Sergio Goldenberg, chega ao streaming nesta terça-feira (4). Antes disso, o primeiro episódio ganha, nesta segunda-feira (3), uma exibição especial na TV, através da sessão “Tela Quente”, logo após o “BBB”.

Com direção de Luísa Lima, o trabalho tem na dependência química o estopim para os conflitos que movimentam sua trama. Amanda, vivida por Leticia Colin, é uma jovem médica bem-sucedida que acaba perdendo o controle da própria vida ao se deixar levar pelas drogas. Em entrevista à Folha de Pernambuco, George revelou o que o motivou a escolher essa temática.

“Todo mundo tem uma história familiar ou conhece alguém que já enfrentou problemas com álcool, substâncias consideradas ilegais ou até mesmo remédios. Ao mesmo tempo, as pessoas têm medo de falar sobre isso, porque ainda é um tabu. Nossa ideia é tratar da dependência química sem moralismo e de maneira ampla”, explica.

Fugindo de clichês e estereótipos, a dupla de roteiristas optou por uma abordagem que foca nas consequências da dependência química para as relações familiares. “Quando uma pessoa lida com esse tipo de doença, todos ao seu redor são afetados de alguma forma. É sobre isso que queremos falar”, comenta.

O perfil desenhado para a protagonista - vinda de uma família de classe alta e com boa formação acadêmica - também aponta para uma tentativa dos autores de mudarem a visão a respeito do tema. “Durante a nossa pesquisa, chegamos a visitar clínicas de reabilitação com diárias caríssimas. Soubemos que nesses lugares, nos últimos anos, houve um crescimento de mais de 200% de pessoas internadas pelo uso do crack, uma droga muitas vezes ligada à miserabilidade. Isso mostra que a adesão à droga não é uma questão de classe social”, relembra.

Leticia Colin vive Amanda em 'Onde está meu coração' (Foto: Fábio Rocha/Globo/Divulgação)

Com um elenco formado ainda por nomes como Daniel Oliveira e Fábio Assunção, “Onde está meu coração” foi toda gravada em 2019, em locações externas da cidade de São Paulo, e deveria ter sido apresentada ao público no ano passado. Em função do maior escalonamento de estreias adotado pela Globo após a paralisação de filmagens durante a pandemia, a obra acabou sendo adiada.

Roteirista  

George e Sergio já trabalham em uma nova parceria. Trata-se da série “Paraíso perdido”, baseada em quatro peças de Nelson Rodrigues. “Devemos terminar de escrever em maio. Serão 50 episódios, livremente inspirados no universo rodriguiano, mas adaptando os seus personagens aos dias de hoje”, adianta o roteirista, que assim como o famoso dramaturgo que levará para as telas, é um pernambucano vivendo em terras cariocas.

“Posso me mudar para Plutão, mas não vou deixar de ser pernambucano em nenhum momento. Moro no Rio há 26 anos, mas sempre aparece alguém para falar que o meu sotaque é forte. Meu olhar é de um artista que não nasceu no grande centro e, por isso, sabe que as histórias do Brasil profundo são diversas”, defende.

Para George, “Onde está meu coração” forma a segunda parte do que ele chama de “Trilogia da busca”, que começa com “Onde nascem os fortes”, gravada em Pernambuco e exibida em 2018. “Esses dois trabalhos têm em comum personagens femininos como protagonista e, principalmente, essa busca pelas emoções genuínas que movem o ser humano. Isso, aliás, está presente em tudo o que eu escrevo, seja falando do Sertão ou de um grande metrópole como São Paulo”, afirma.

Veja também

Exposição homoerótica é cancelada no Pará e ecoa censura a 'Queermuseu'
Censura

Exposição homoerótica é cancelada no Pará e ecoa censura a 'Queermuseu'

Justiça proíbe Antonia Fontenelle de falar sobre Luciana Gimenez
Celebridades

Justiça proíbe Antonia Fontenelle de falar sobre Luciana Gimenez