'Por Onde Andam Os Porcos': quatro dias de performance na Galeria Janete Costa

Espetáculo questiona estruturas e fala sobre ruínas da humanidade

Performance 'Por Onde Andam os Porcos'Performance 'Por Onde Andam os Porcos' - Foto: Rhaiza Oliveira

Corpos como cernes de questionamentos comuns a quem vive em sociedade e com ela compartilha vivências, ora sufocadas por cobranças em excesso, ora cercadas de mazelas coletivas e letargias que cessam a capacidade de enxergar além do próprio egoísmo. Esses são alguns dos direcionamentos que serão levados ao palco da Galeria Janete Costa (Parque Dina Lindu) com a performance "Por Onde Andam Os Porcos", apresentado em curta temporada nesta terça (30), quarta (31), sexta (2) e sábado (3), às 19h30.

Com direção geral de Kildery Iara, o espetáculo, que é para maiores de 18 anos, parte de uma releitura da imagem do “porco capitalista” - termo criado a partir do livro "Revolução dos Bichos", de George Orwell - e traz indagações sobre o ser como indivíduo político, responsável pelo mundo sentenciado tal qual como ele se apresenta.





Leia também:
'Cinema pernambucano só surpreende', afirma homenageada do Cine PE, Drica Moraes
Salve a Bossa Nova e toda sua perenidade

"O trabalho pretende gerar dúvidas e dividir responsabilidades, sem intencionar respostas ou caminhos. O que fazemos é dar um diagnóstico do que a gente já sabe, das relações (de ruína) construídas coletiva e individualmente, interpretadas em formato de metáforas", enfatiza Kildery em entrevista à Folha de Pernambuco, que além de estar à frente da direção do espetáculo, também atua como intérprete-criadora. "É como se os corpos que vivemos não estivessem suportando mais as devastações criadas pela própria humanidade. Por isso falamos da gênese de um novo corpo", complementa. 

Por meio de jogos e improvisos dirigidos, as metáforas corporais da performance estabelecem movimentos que repensam o uso dos espaços que, de acordo com Kildery, "se mostram isolados do resto mundo, tal qual uma obra de arte emoldurada".

"Quando acabamos o trabalho, não oferecemos soluções sobre a possibilidade de um novo mundo. Desejamos dividir a responsabilidade com as pessoas, porque é importante parar de se afastar do que é de todos nós", salienta ela que, no palco, se vale de um pulmão superdimensionado que filtra e armazena oxigênio, enquanto que outros pares do elenco cria/interpretam corpo braços menores do que o convencional. "É como se a gente não conseguisse, com o corpo que temos, dar conta de viver", conclui a diretora do espetáculo, que tem incentivo do Funcultura PE.

Serviço
Por Onde Andam Os Porcos

Terça (30), quarta (31), sexta (2) e sábado (3), às 19h30
Galeria Janete Costa (Parque Dona Lindu, Av. Boa Viagem)
R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada), à venda no Sympla
Classificação indicativa: 18 anos

Veja também

Evento online comemora os 100 anos do livro 'A Menina do Narizinho Arrebitado'
Literatura infantil

Evento online comemora os 100 anos do livro 'A Menina do Narizinho Arrebitado'

Warner decide ignorar cinemas e lançar todos os filmes direto no streaming
Estúdio de cinema

Warner decide ignorar cinemas e lançar os filmes direto no streaming