Jô Soares

"Por que o humor tem que ser politicamente correto?", questionou Jô Soares, em última entrevista

Apresentador e humorista, que morreu aos 84 anos, dizia que hoje seria impossível manter um programa na TV sem ser acusado de partidarismo

Jô SoaresJô Soares - Foto: Reprodução / Twitter

"Por que o humor tem que ser politicamente correto?", questionou Jô Soares, em sua última entrevista. O apresentador e humorista — que morreu, aos 84 anos, na madrugada desta sexta-feira (5) — acreditava que todos os personagens cômicos que ele interpretou ao longo da carreira continuariam a ser bem recebidos pelo público, inclusive aqueles considerados politicamente incorretos, como o Capitão Gay.

"Não tem que haver essa preocupação", afirmou Jô, em entrevista a Marcelo Tas, no programa "Provoca", da TV Cultura, em 2019. "Nunca pensei que pudesse julgar de outra forma o humor: ou é engraçado ou não é. É só isso. Mau gosto é uma coisa que se aplica à moda", ressaltou.

Na ocasião, Jô Soares fez críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e reforçou a opinião acerca das relações entre humor e política: super-herói homossexual que vestia um uniforme rosa e vivia ao lado do ajudante Carlos Sueli (interpretado por Eliezer Motta), o Capitão Gay sobreviveria, muito bem, obrigado, se ainda fosse exibido na TV.

"Por incrível que pareça, ele (Bolsonaro) não tem força para interferir na censura. Ele pode tentar o que quiser, mas a nossa Constituição salvadora tem cláusulas pétreas, e uma delas é esta: a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa...", afirmou, sobre os ataques do atual governo à Cultura.

O apresentador contou, à época, que acreditava ser impossível manter um programa de entrevistas na televisão sem ser acusado de partidarismo. "Sempre as pessoas serão acusadas de partidarismo. Nós aqui falando, e vai ter gente achando que sou do PT ou você é do PT", disse ele, para Marcelo Tas. "O fascínio pelo rótulo é incrível. Você vai na farmácia sabendo que o génerico é igual ao outro, mas você quer o outro. O rótulo tem uma força. O cara poder dizer que nós dois somos dois veados velhos, e isso dá uma alegria enorme para ele", acrescentou.

Jô Soares lamentava profundamente a atual situação política do país. "Não tem tido debate no Brasil. Não tenho mapa de coisa nenhuma. Espero que as pessoas comecem a votar em quem querem, e não em quem acham que vai ganhar. Eleição não é casa de apostas", contou.

"Conheço pessoas que me surpreenderam ao dizer que votaram no Bolsonaro, falando: 'Ah, meu candidato preferido não ia ganhar mesmo'. E muitas dessas pessoas por serem contra o PT. Isso vira um fantasma... Hoje em dia, o PT é um fantasma doentinho, que precisa de UTI. O PT precisa reconhecer os erros que teve para ir para frente, porque nenhum partido é isento de erros. O que fez 'virar' foi o combate à corrupção que o PT simbolizava. Daí de repente se vê que o PT foi tão corrupto quanto os outros. E fica um decepção em termos de opção", explicou.

Apesar dos pesares, Jô mantinha a esperança sobre o futuro do Brasil. "Em relação ao mundo, meu país está bem. Em relação ao seu passado, ele já esteve bem melhor. Sempre. Foi havendo um desgaste e um vaivém. Mas acho que mesmo assim o país melhora. O próprio país alimenta a minha esperança. O país tem uma força vital, de energia, de ser humano que eu não vejo nos outros países. O que me desespera é a espera", explicou.

Veja também

João Gomes anuncia rapper L7nnon como segundo convidado de DVD que será gravado no Marco Zero
MÚSICA

João Gomes anuncia rapper L7nnon como segundo convidado de DVD que será gravado no Marco Zero

Atriz Anne Heche está intubada e estável após grave acidente de carro nos EUA
hospitalizada

Atriz Anne Heche está intubada e estável após grave acidente de carro nos EUA