Público lota o Santa Isabel para reverenciar o Festival Nacional do Frevo

O público ainda conferiu uma belíssima apresentação do Balé Popular do Recife, que dividindo um palco com a Orquestra do Maestro Edson Rodrigues, relembrou grandes clássicos do frevo pernambucano

Josildo Sá na final do Festival Nacional do Frevo no Teatro de Santa IsabelJosildo Sá na final do Festival Nacional do Frevo no Teatro de Santa Isabel - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

O público lotou o Teatro de Santa Isabel, na área central do Recife, para conferir a final do Festival Nacional do Frevo, realizado pela Prefeitura do Recife na noite desta sexta-feira (13). No palco, artistas interpretaram 12 frevos inéditos, selecionados entre 724 inscritos. Entre eles, participaram intérpretes já conhecidos na cidade, como Edinho Queirós, Josildo Sá e Ed Carlos.

As músicas concorreram nas categorias frevo de bloco, frevo de rua, frevo canção e frevo livre instrumental. Entre os prêmios estão apresentações remuneradas no Carnaval 2019 e no Festival de Inverno de Garanhuns de 2018, além das gravações em estúdio de suas composições. "O festival abriu o começo de um caminho sem fim para os compositores", disse a secretária de Cultura do Recife, Leda Alves.

Vencedores do Festival Nacional do Frevo

Na categoria Livre Instrumental, Primeiro de Maio, de Romero Bonfim; No primeiro dia do nosso amor, venceu a categoria frevo de bloco. Já em frevo de canção, Claudionor, o menino do Frevo, de Basílio de Castro (em homenagem ao maior intérprete de frevo, Claudionor Germano). Na categoria frevo de rua, o prêmio foi para Alvoroçado, do compositor Bené Sena. Confira, no final do texto, a lista completa de premiados.

Ao entrar no palco, o cantor Edcarlos levantou a plateia do Santa Isabel e terminou sendo o escolhido dos jurados como o melhor intérprete na música "Claudionor, o menino do Frevo". E Marcos FM foi o contemplado como melhor arranjador, na canção Sapecando.

O público ainda conferiu uma belíssima apresentação do Balé Popular do Recife, que, dividindo um palco com a Orquestra do Maestro Edson Rodrigues, relembrou grandes clássicos do frevo pernambucano. Angélica Madureira, diretora do Balé Popular, afirmou que estava muito entusiasmada por ter participado do Festival. "Puder unir a música com a dança é uma coisa fantástica. Sem a música não tem a dança e vice-versa". 

O maestro Ademir Araújo (Formiga) torce para que o frevo seja valorizado não só no Festival, mas que outras iniciativas semelhantes possam ter seguimento. "É louvável a iniciativa da Prefeitura do Recife pelo retorno, é a busca pelo aprimoramento". O cantor Edcarlos disse que o frevo é mundial e nada melhor do que o Festival Nacional para reafirmar a força do ritmo genuinamente pernambucano. "Junte-se a nós e venha fazer a diferença, aqui é a nossa casa". 

O processo de seleção do Festival contou com três eliminatórias, realizadas nos últimos dias nos dias 11 e 18 de maio e no dia 3 de julho, nas duas unidades do Compaz e no Paço do Frevo

Categoria Frevo Livre Instrumental - Autoral

1º colocado: "Primeiro de Maio", de Romero Bonfim

2º colocado: "Tubarão no Circo", de Zé Freire

3º colocado: "Frevo da Amizade", de Ronaldo Batata

Categoria Frevo de Bloco

1º colocado: "No primeiro dia do nosso amor", de Lourenço Gato e Flávio Souza

2º colocado: "Matando Saudade", de Luiz Gonzaga de Castro

3º colocado: "Tempo de Saudade", Luiz Guimarães

Categoria Frevo Canção

1º colocado: "Claudionor, o menino do Frevo", de Basílio de Castro

2º colocado: "Frevo Bregado", de Carlos de Melo Brasil

3º colocado: "Sabor de Rum Hortelã Café", de Edinho Queirós

Frevo de Rua


1 º colocado: "Alvoroçado", de Bené Sena

2º colocado: "Sapecando", de Marcos FM

3º colocado: "Adriana do Frevo e cia", de Parrô Melo

Veja também

Filme de Bob Cuspe, personagem de Angeli, leva prêmio em Annecy
Premiação

Filme de Bob Cuspe, personagem de Angeli, leva prêmio

Recém-casada, Solange Almeida diz que quer ser mãe novamente: 'Não vejo a hora'
Maternidade

Recém-casada, Solange Almeida diz que quer ser mãe novamente: 'Não vejo a hora'