Querosene Jacaré: ainda mais conectados, 15 anos depois

Banda recifense Querosene Jacaré relança o disco “Fique Peixe”, de 2001, agora disponível em plataformas digitais

Cortejo da abertura do Carnaval de OlindaCortejo da abertura do Carnaval de Olinda - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

 

Há 15 anos, quando o termo antenado ain­da era sinônimo de atualizado, a banda Querose­ne Jacaré já estava um passo à frente: era uma banda conec­tada. Naquele ano, o gru­po, já sem o ex-band-lea­der Ortinho, lançava seu segundo álbum, “Fique Peixe” (Manguenitude/Polydisc-Sony Music, 2001), com letras e músicas em mp3 no site Manguenius, do portal Terra. Visionários, seus integrantes achavam que a iniciativa ajudaria na divulgação em vez de contribuir com a pirataria. Uma década e meia depois, o disco retorna às plataformas digitais (Spotify, Deezer, Google Play e iTunes, entre elas) com distribuição do selo Tratore. 

“O pessoal ficava perguntado no Facebook: Cadê o ‘Fique Peixe’?. Por acaso a gente pensou em relançar e viu que estava fazendo 15 anos”, conta o baterista AD Luna. Ele lembra que, anos depois, a Mombojó também lançou um álbum primeiramente apenas na internet e foi divulgado que se tratava do pioneiro nesse tipo de ação. “Mas a primeira foi a Querosene Jacaré”, repara.

E esse reaparecimento da Querosene não se limita ao relançamento de “Fique Peixe”. A banda está em estúdio, com a formação do segundo disco, ensaiando e rearranjando as canções dos dois álbuns. “Principalmente do segundo”, enfatiza AD. “Estão ficando bem diferentes. Só “Banana Elétrica”, de Cinval, está igualzinha.” A principal diferença, em comparação à fase anterior, segundo o baterista, é que agora “é um negócio sem agonia”. “Na época do primeiro disco, ainda havia a esperança de estourar e fazer sucesso. Hoje isso não existe mais. A gente toca sem pressão, por prazer.” E pelo jeito a Querosene não pretende ficar se limitando a revisitar seu próprio passado. “Já está saindo coisa”, afirma AD, referindo-se a novas músicas. 

O disco

Em 2001, a Querosene Jacaré não era uma banda tão longeva, mas já era cheia de histórias. Da formação original, que gravou o álbum de estreia “Você Não Sabe da Missa um Terço“ (Paradoxx, 1998), saíram o vocalista Ortinho e o guitarrista Hélio Loyo; e Alfaia, que passou a cantar, assumiu também o contrabaixo após o covarde assassinato do companheiro Airton Gordinho num assalto, um ano antes. 

O crime, aliás, ocorreu durante as gravações, e provocou a mudança do grupo para um formato mais enxuto, com Tonca (guitarra), Adelson (agora só AD, bateria) e Cinval (percussão) completando o quarteto. A formação, claro, influenciou no resultado do novo trabalho. Ao contrário do que poderia se espe­rar, com a redução do gru­po, os músicos mais experientes deixaram o som mais aberto, com mais informações, ideias, influências e vontade de se sobressair. Até a produção ficou a cargo da banda.

Em “Fique Peixe”, o rock’n’roll psicodélico da Querosene passou a dialogar mais com a música brasileira e com os recursos elétricos e eletrônicos de palco e de gravação. E o fato de não contar mais com um artista de referência - o inigualável Ortinho - tornou o trabalho mais fácil de se conferir em detalhes. Foi um verdadeiro divisor de águas para a ban­da, ainda hoje capaz de instigar um retorno do gru­po, como o que acontece agora.

 

Veja também

Espaço Cultural Boa Viagem terá lançamento com show, palestra e lançamento de livros
RECIFE

Show, palestas e livros no novo Espaço Cultural Boa Viagem

Priscilla Alcantara mostra bastidores da gravação de 'Vou Voar', tema de filme da Netflix
Netflix

Priscilla Alcantara mostra bastidores da gravação de 'Vou Voar', tema de filme da Netflix