"Quis parar para repensar as coisas", diz Vladimir Brichta sobre afastamento da TV

Ator passou dez anos longe de novelas

Tribunal de Contas de PernambucoTribunal de Contas de Pernambuco - Foto: TCE-PE

Quem estava acostumado com o cômico Armane, de "Tapas & Beijos" (2011 a 2015) ou com o malandro Celso, da recém-exibida "Justiça" -ambas séries da Globo- agora pode ver o ator Vladimir Brichta interpretar um personagem bem diferente de tudo o que já fez até hoje: o intenso e inconsequente roqueiro Guilherme Santiago.

Ele é o protagonista de "Rock Story", nova novela das 19h, que estreou nesta quarta-feira (9). A trama é escrita por Maria Helena Nascimento, com direção-geral de Dennis Carvalho e Maria de Médicis.

"Rock Story" também marca o retorno de Brichta às novelas após dez anos. Seu último trabalho em um folhetim havia sido "Belíssima", exibida pela Globo de 2005 a 2006.

O ator conta que voltou com tudo. "Está me dando prazer, e eu acho que eu estou bem", anima-se. Ele diz que, quando resolveu dar esta pausa, foi porque estava frustrado com seu rendimento.

"Quis parar de fazer televisão um pouquinho para repensar as coisas. Quando eu voltei, eu não voltei negando novelas, mas o que surgiu primeiro foi o projeto da série 'Faça Sua História' (2008). Era algo bom, uma linguagem que me interessava experimentar na televisão, então era oportuno topar aquilo", diz.

"Depois, surgiu outro trabalho: a série 'Separação?!' Quando eu podia escolher ela e fazer uma novela, a série parecia mais oportuna, então foi mais uma questão de confluência de movimento interno e das oportunidades", explica.

História
Em "Rock Story, ele vive um astro do rock que brilhou nos anos 1990 e, agora, luta para reerguer a carreira. Ele vê no jovem Léo Régis (Rafael Vitti), astro da música romântica da atualidade, o seu maior inimigo, e o acusa de ter roubado o hit "Sonha Comigo", que, segundo Gui, é de sua autoria e foi escrita para a esposa, Diana (Alinne Moraes).

Por isso, resolve agredir Léo publicamente, logo no primeiro capítulo da trama. Esta é a gota dágua para o colapso de seu casamento e o início de uma história de amor entre Diana e Léo Régis.

Apesar de ser a primeira vez que interpreta um cantor na televisão, a música faz parte da vida de Brichta há tempos.

Ele conta que começou a cantar em uma peça de teatro da qual participou em Salvador, onde mora desde os quatro anos de idade. "Lá, todo mundo meio que canta e dança. Nem todos têm a voz do [Daniel] Boaventura, mas todo mundo dá um jeito", brinca.

O ator também costumava acompanhar a ex-mulher Gena, que era cantora e morreu em 1999, em suas apresentações. "Às vezes cantava umas canjazinhas lá", relembra. Atualmente, ele é casado com a atriz Adriana Esteves.

Sobre sua performance na novela como Gui Santiago, avalia: "Olha, a imagem está nota dez. O som, se chegar nos oito tá lindo."

Semelhanças
Autenticidade é a palavra-chave quando o ator pensa no que tem de mais semelhante com seu personagem.

"A gente se manter autêntico. Perseguir a autenticidade acho que é um exercício diário... Eu, pelo menos, persigo, e no personagem tem muito disso. Ele erra pelos excessos, mas está sendo autêntico nas escolhas, nas reações, então acho que eu carrego essa busca de alguma forma", diz.

Brichta, 40, não tem a menor dificuldade em lidar com a chamada nova geração. Ele, que tem uma filha de 19 anos chamada Agnes, fruto do seu primeiro casamento elogia os companheiros de trabalho mais novos, como, por exemplo, Rafael Vitti, 21. "Eles são muito focados".

"O tempo inteiro a gente se surpreende com as outras gerações. Eu causei surpresa aos meus pais e os meus filhos causam em mim também. Mas não é aquela coisa de levar um choque, e sim de saber que há uma transformação, de saber que muitas coisas que chegam são para ficar e a gente vai aprender a lidar com elas", acrescenta.

Veja também

STJ vai julgar exclusão de posts e links que vinculem Ney Matogrosso a Kim Kataguiri
Polêmica

STJ vai julgar exclusão de posts e links que vinculem Ney Matogrosso a Kim Kataguiri

SPFW institui cota racial obrigatória para desfiles em decisão histórica
Moda

SPFW institui cota racial obrigatória para desfiles em decisão histórica