Recife recebe exposição sobre Império Romano no Shopping RioMar

Exposição “Império Romano: a Exibição”, no Shopping RioMar, mostra a herança deixada por uma das mais importantes civilizações

Exposição "Império Romano - A exibição" no shopping RioMarExposição "Império Romano - A exibição" no shopping RioMar - Foto: Maria Nilo/Site Roberta Jungmann

Infelizmente, o currículo escolar deixa muitas lacunas e não se aprofunda o suficiente sobre a História Mundial. A da Roma Antiga, uma das mais importantes civilizações, deixou uma herança em termos de arte, engenharia e arquitetura que, pouca gente sabe, utilizamos até os dias de hoje. Com a ajuda da mostra “Império Romano: a Exibição”, adquirir esse conhecimento fica muito mais fácil para os adultos e principalmente para as crianças. Até 10 de julho, a mostra poderá ser vista no Shopping RioMar, no Pina.

“Não fazemos ideia do quanto o legado desse império está presente em nossa realidade. Um exemplo é o símbolo do @, medida de peso inventada pelos romanos; a escada também é invenção deles, para ver o povo de cima”, declara Érico de Angelis, presidente da Exhibition Club, empresa internacional com sede na Espanha e responsável por trazer a exposição ao Recife. A estimativa é que 50 mil pessoas visitem o espaço, cujo acervo é inédito no Brasil.

Em um espaço de 750 metros quadrados estão expostas mais de 80 peças. São engenhocas como o bom e velho guindaste vitruviano, feito com roldanas e polia, com o objetivo de levantar cargas pesadas demais para a força do ser humano. Vitrúvio, aliás, foi um arquiteto bastante famoso na Roma daqueles tempos.

Foi ele quem inventou o guindaste e ainda o relógio feito a água. O ilustre filho romano inspirou ainda o pintor Leonardo da Vinci a criar o “Homem Vitruviano”, que remete à simetria e à perfeição das medidas do corpo humano, estudada por Vitrúvio mas alcançada apenas por Da Vinci, no desenho de um homem com os braços e pernas abertas encaixado em um círculo e um quadrado. Já que o assunto é arte, os afrescos nasceram em Roma. Eram pinturas feitas nas paredes das casas, que se revestiam de argamassa e sobre ela fazia-se o desenho.

Naquela época, papel valia ouro, e o papiro era transportado e conservado em uma caixa de metal chamada Capsa. Quando o que se tinha para escrever não era lá muito importante, melhor usar a tábula rasa, uma tábua de madeira com superfície de cera.

Há peças que não se pode tocar, como em qualquer museu. Outras, no entanto, são interativas, como a biga, um veículo de guerra. Ali, o visitante pode subir, tirar fotos. “Os objetos e painéis ligados à guerra são os que mais interessam às crianças”, conta Érico. Então eles ficarão encantados com as roupas e acessórios dos guerreiros, como os gigantescos escudos, lanças e capacetes de ferro, e com as maquetes em miniatura dos acampamentos de guerra. Destaque para os paus da vala, uma estrutura feita de três paus em forma de estrela e recebiam lâminas afiadas na ponta. Cada guerreiro levava a sua.

Futuramente, Érico avisa que podem chegar por aqui exibições sobre a Segunda Guerra Mundial e sobre o famoso faraó do antigo Egito, Tutancâmon.

Serviço:
“Império Romano: a Exibição”
Diariamente, até 10 de julho
Shopping RioMar (av. República do Líbano, 251, Pina, Piso L3)
De segunda a sábado, das 9h às 22h; domingos e feriados, das 12h às 21h
Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia) - a partir de três pessoas, todos pagam meia-entrada

Veja também

#EmCasaComSesc lança playlists dos espetáculos apresentados em 2020
Música

#EmCasaComSesc lança playlists dos espetáculos apresentados em 2020

Tarcísio Pereira: memória afetiva da cultura pernambucana
Luto

Tarcísio Pereira: memória afetiva da cultura pernambucana