Regina ganha sobrevida com Bolsonaro após minimizar ditadura e dar chilique

Ela chegou a ser cumprimentada pela postura em frente às câmeras

Regina DuarteRegina Duarte - Foto: Marcos Corrêa/PR

Se para a classe artística a entrevista da secretária Especial de Cultura, Regina Duarte, à CNN Brasil foi alvo de críticas, no governo de Jair Bolsonaro (sem partido) a repercussão foi positiva para a atriz.

De acordo com relatos ouvidos pela reportagem, as falas de Regina na noite desta quinta-feira (7) foram bem vistas por integrantes do Palácio do Planalto e do primeiro escalão da Esplanada.

Ela chegou a ser cumprimentada pela postura em frente às câmeras. Com isso, a secretária ganha uma sobrevida. Ela vem passando por um processo de fritura da ala ideológica do governo com respaldo de Bolsonaro.

Incomodou o presidente o fato de dentro de dois meses no cargo a atriz ter se mantido no campo da neutralidade, quando o esperado pelo Palácio do Planalto é que a Secretaria de Cultura mantenha o clima de "guerra cultural", com críticas à esquerda, por exemplo.

Leia também:
Artistas criticam postura de Regina Duarte e cobram providências contra a crise no setor
Regina Duarte dá chilique ao vivo na TV ao ouvir críticas à sua gestão


Na visão de aliados de Bolsonaro, ela que estava "em cima do muro" se posicionou mais próxima a pautas defendidas pela militância governista. Foi visto com bons olhos por ministros e auxiliares do presidente o fato de ela ter minimizado mortes e torturas durante a ditadura militar, elogiado e defendido o presidente publicamente e, por fim, encerrado a entrevista criticando jornalistas.

Regina, que se mantinha em silêncio desde o fim de março, quando concedeu uma entrevista à TV Globo que irritou o presidente, falou à CNN nesta quinta. Ela demonstrou irritação com os jornalistas da emissora após a exibição de um vídeo em que a atriz Maitê Proença critica sua gestão.

"O que você ganha com isso? Quem é você que está desenterrando uma fala da Maitê [Proença] de dois meses atrás? Eu não quero ouvir, ela tem o meu telefone. Eu tinha tanta coisa para falar, vocês estão desenterrando mortos", disse Regina, colocando fim à entrevista.

Ela também minimizou a ditadura militar, a tortura e as mortes pelo novo coronavírus, que já ultrapassam 9.000 casos no Brasil. Na TV, a atriz cantarolou a música "Pra Frente Brasil", que marcou a comemoração da vitória da seleção brasileira no México, em 1970, mas que foi usada politicamente pelo general Emilio Garrastazu Médici, que presidia no país naquele momento, dois anos após a edição do AI-5, que impôs uma série de restrições à democracia brasileira.

"Cara, desculpa, na humanidade não para de morrer gente. Se você falar de vida do lado tem morte", afirmou, indagada sobre tortura no regime militar. Nomes ligados a Bolsonaro, como o ex-comandante do Exército general Eduardo Villas Bôas, elogiaram a postura da atriz.

"Fiquei encantado com a Regina pela demonstração de humanismo, grandeza, perspicácia, inteligência, humildade, segurança, doçura e autoconfiança que nos transmitiu", escreveu Villas Bôas no Twitter, nesta sexta-feira (8).

"Admirei também a habilidade com que desvencilhou das armadilhas que os entrevistadores tentaram colocar a ela, que visivelmente havia se preparado para, numa atitude totalmente desarmada, abordar temas relativos a sua pasta. Apreciei a firmeza com que reagiu à desleal tentativa de confrontá-la com a igualmente artista Maitê Proença", afirmou, parabenizando a secretária.

Villas Bôas é um importante conselheiro de Bolsonaro e ainda é visto como uma forte líder pelo meio militar. Outro elogio feito a Regina veio do escritor e principal ideólogo do bolsonarismo, Olavo de Carvalho.

"Maitê, a Regina não tem obrigação nenhuma para com uma classe que sempre viveu de dinheiro público. Ela tem para com os milhões de brasileiros que pagam o salário dela e de toda essa maldita classe de vampiros", escreveu Olavo em suas redes sociais na quinta.

A mensagem foi replicada pela militância bolsonarista, que passou a elogiar a atuação de Regina depois de uma série de críticas a ela. Nesta sexta, porém, o escritor adotou outra opinião e criticou a secretária.

"Defendi a Regina Duarte contra a Maitê Proença, mas, uma como a outra, essas véia embonecada metida a inteliquituar [sic] não há saco que aguente."

A sinalização de Olavo, que costuma antecipar o humor da militância bolsonarista e do próprio presidente sobre determinado assunto, é vista como um fator de que, apesar da sobrevida, Regina poderá enfrentar novos processos de desgaste no governo Bolsonaro.

Veja também

Inscrições abertas para oficina de contação de histórias voltadas para identidade cultural e social
Itaú Cultural

Inscrições abertas para oficina de contação de histórias voltadas para identidade cultural e social

Lucas ganha imunidade no BBB 21 e se junta a mais seis que não podem ir ao Paredão
BBB 21

Lucas ganha imunidade e se junta a outros que não podem ir ao Paredão