Centenário

Semana de Arte Moderna completa 100 anos e ainda ecoa nas artes

Evento realizado em São Paulo, no ano de 1922, foi um marco na transformação cultural do Brasil

Quadro 'Operários', de Tarsila do Amaral (1933)Quadro 'Operários', de Tarsila do Amaral (1933) - Foto: Foto: Reprodução

"Para muitos de vós, a curiosa e sugestiva exposição que gloriosamente inauguramos hoje é uma aglomeração de 'horrores'", disse o intelectual Graça Aranha, no discurso de abertura da Semana de Arte Moderna, realizada no Teatro Municipal de São Paulo, há exatos 100 anos. Revolucionária para uns e dispensável para outros, o evento realizado entre os dias 13 e 17 de fevereiro de 1922, com a intenção de provocar transformações na estética artística do Brasil, só teve sua dimensão consolidada tempos depois.

 


O que valia antes não valia mais
A ocasião chega ao centenário como sendo o ponto de partida para uma nova linguagem. Naquela época, houve uma aproximação às ideias vanguardistas europeias, que se entrelaçam ao processo de industrialização e avanço do Capitalismo vivido fortemente em São Paulo

"Era a vontade de romper com padrões estabelecidos. A irreverência e o espírito de reverter o processo de mesmice, criando uma arte inovadora e polêmica", define a professora de literatura e autora de livros com críticas literárias Zuleide Duarte.

Embora o início do movimento seja lembrado por essa data, suas ideias já eram gestadas tempos antes. "Foi importante para que os pensamentos de Mário e Oswald de Andrade, Anita Malfatti, Victor Brecheret e Menotti Del Picchia fossem alinhados. Não houve quem primeiro falasse sobre isso. Há muitos nomes e alguns ficaram à frente e assumiram", resume Duarte, completando que sempre há interferências do contexto político-econômico e que se houve uma elite, essa era composta por intelectuais capazes de uma reviravolta naquele momento.  

Abapuru, de Tarsila do AmaralAbaporu, de Tarsila do Amaral, é uma das principais obras do período antropofágico do modernismo (Foto: Reprodução) 



Ecos na produção artística
Criticada e até ignorada por parte da imprensa da época, o evento de 1922 atravessou o tempo. O pernambucano Manuel Bandeira teve o seu poema "Os Sapos", declamado por Ronald de Carvalho, em meio às vaias da plateia. Ele apresentava uma espécie de declaração de princípios modernistas. Já na década de 1950, em mais uma comemoração ao evento, o poeta comentou: "acho perfeitamente dispensável comemorar o trigésimo aniversário da Semana. Que esperassem o centenário."

Chegada a época, o professor de Letras da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e presidente da Academia Pernambucana de Letras (APL), Lourival Holanda, pontua: "devemos pensar se é um marco que já se fechou ou um espiral que percebemos ecos? Que relação temos hoje com a capoeira e a beleza do street dance, por exemplo? Devemos esse acesso à 22. Não celebrar apenas os nomes, mas a atitude que continua ativa", conclui. Ainda segundo o professor, a repercussão está no fato de que a arte deve ser vivida, antes de ser contemplada.

Já para o editor e escritor Sidney Rocha, ganhador do prêmio Jabuti de Literatura, os grandes autores modernistas são hoje clássicos modernos. "Mas os tais ecos estão na Tropicália quem mais devedor do modernismo que Caetano Veloso, que Gilberto Gil, que os poetas concretistas? Os ecos são sobretudo na linguagem, em que predomina mais que a liberdade, a libertinagem total", defende.

Fora do Sudeste
Com mais recursos, São Paulo era terreno fértil para a divulgação do movimento. "Mas havia modernidade em Alagoas, Minas e Pernambuco. Nos anos 1920, tínhamos pintores de extrema modernidade. No entanto, aqui prezamos por tradições. O que não impediu uma arte de ação, como em Vicente do Rego Monteiro e Cícero Dias, que vai para a Europa debater artes plásticas com Picasso. Isso é vanguarda e não está ligado à Semana", pontua Holanda.

O movimento acontecia por aqui, mas não como influência direta dos paulistas. Segundo Sidney Rocha, Joaquim Cardozo e Ascenso Ferreira, por exemplo, faziam produções modernas sem precisar copiar autores do Sudeste. "Ironicamente, os mais fracos são justamente aqueles que se ligaram de modo mais direto ao movimento dos que atuaram na Semana, como Joaquim Inojosa e Austro-Costa. Há nomes desconhecidos, como Benedito Monteiro, moderníssimo no pouco que pode ser publicado dele na curta vida que teve", detalha.

Entrevista com o escritor Sidney Rocha

A Arte Moderna é considerada por muitos como um rompimento, uma atitude. No contexto da literatura, o que podemos considerar como 'rompimento' e 'atitude de ação', a partir dos escritores modernistas?


Alerta de treta: termos como moderno, modernismo, modernagem, modernidade, associados ou não à arte, provocam bastante confusão, até mesmo entre os estudiosos, 52 semanas por ano, e por 100 anos. 

O que se chama de rompimento ou de ruptura foi, naquele contexto da Semana, o de 1922, com aquilo chamado então de Passadismo. A primeira contraposição do Futurismo, como, de início, aceitou ser chamado o modernismo brasileiro. No início foi um exagero infantil: todo o novo é bom, todo o velho é ruim, e daí a guerra declarada principalmente ao parnasianismo. Tal rompimento era, antes de amadurecer o movimento com os seus autores, mais de discurso, de palavras de ordem, de manifestos. Fizeram parte dessa atitude ação tal proclamação de independência com o passado, mas com um grau razoável de relativismo e de contradição, pois a atitude de ação verdadeira num escritor não é um manifesto [o que muitos escritores e escritoras contemporâneas confundem], mas a obra efetiva, e neste sentido, o mesmo Manuel Bandeira que escreveu a sátira aos parnasianos que é o poema "Os Sapos" foi quem mais de uma vez reconheceu a enorme dívida que teve com românticos, simbolistas e parnasianos. Daí não ter querido estar em São Paulo, no Teatro Municipal, durante a Semana, embora aceitasse a recitação do seu poema. Os paulistas Mário de Andrade e Oswald de Andrade foram os principais expoentes naquela ocasião tanto do rompimento quanto à atitude de ação, em ambos os casos pela forma como trataram de articular uma nova linguagem, coloquial, irônica, brasileira. De todo modo, o modernismo literário brasileiro é o movimento passadista mais resistente.

2. A gente fala de um acontecimento de 1922 que ainda ecoa nos dias de hoje - quais seriam esses ecos na produção literária hoje em dia?

Temos que ver que 22 era aquele. Era tempo de avanços do capitalismo em um país com grandes disputas sociais. Isso nos conecta ao 22 de hoje. Por isso, mais do que os ecos, as próprias vozes continuam a soar. Os grandes autores modernistas são hoje clássicos modernos já. Mas os tais ecos estão na Tropicália quem mais devedor do modernismo que Caetano Veloso, que Gilberto Gil, que os poetas concretistas? Os ecos são sobretudo na linguagem, em que predomina mais que a liberdade, a libertinagem total.

3. Pernambuco não teve uma participação expressiva na Semana de 22, em São Paulo, mas o movimento também acontecia por aqui. Quais autores pernambucanos você destacaria deste período e por quê?

O movimento acontecia por aqui, mas não como influência direta dos paulistas. Joaquim Cardozo e Ascenso Ferreira, por exemplo, faziam suas coisas modernas sem precisar imitar nenhum autor paulista ou carioca. Ironicamente, os mais fracos são justamente aqueles que se ligaram de modo mais direto ao movimento dos que atuaram na Semana, como Joaquim Inojosa e Austro-Costa. Há nomes desconhecidos, como Benedito Monteiro, moderníssimo no pouco que pode ser publicado dele na curta vida que teve, e outro Monteiro, muito maior, que é o exemplo do chamado homem-orquestra: Vicente do Rego Monteiro, que participou da Semana diretamente, com as pinturas expostas lá, embora estivesse ele em Paris na ocasião. Importantíssimo não apenas como pintor, mas também como poeta e editor. É o grande nome de Pernambuco do início da modernização das artes aqui e lá que precisa ser urgentemente revisitado.

Veja também

"Só Se For Por Amor": Netflix divulga data de estreia e teaser de nova série brasileira
Streaming

"Só Se For Por Amor": Netflix divulga data de estreia e teaser de nova série brasileira

Festa Inverse traz ao Recife Dubdogz e outras atrações da cena eletrônica
DJs

Festa Inverse traz ao Recife Dubdogz e outras atrações da cena eletrônica