Sertão em sons diversos por Almério

Em seu segundo disco, “Desempena”, músico Almério se lança na fusão de instrumentos, para mostrar a riqueza sonora da Região

Almério lança o álbum no Recife, nesta quinta-feira, no Teatro de Santa Isabel Almério lança o álbum no Recife, nesta quinta-feira, no Teatro de Santa Isabel  - Foto: Breno César/Divulgação

No universo particular criado por Almério em seu segundo disco “Desempena”, umpífano tem a mesma qualidade roqueira de uma guitarra elétrica. Assim como a poesia MPBzística pode ser embalada pelas melodias do pop alternativo. O álbum já está disponível em streaming, levando o ouvinte em um passeio por um Sertão por vezes melancólico, mas rico em sonoridades e histórias humanas.

“Desempena” teve produção de Juliano Holanda, que também assina a composição, junto com Almério. O disco também teve a participação especial de Elba Ramalho e foi lançado com o selo Natura Musical. “Desde que o projeto foi aprovado, começamos o processo de produção. Juliano é uma pessoa incrível e que tem muito domínio da técnica de estúdio. Além disso, ele compõe muito. Foi até difícil escolher entre tantas músicas boas”, conta Almério, em entrevista à Folha de Pernambuco.
Lançado quatro anos após o primeiro disco solo, “Almério”, “Desempena” traz como mote a fusão de ritmos e instrumentos não convencionais, como os já citados pífanos. “Como cresci em Caruaru, vivi muito com essa influência. Quando vi pela primeira vez, achei a coisa mais rock n’ roll do mundo”, conta. As 11 faixas do disco passeiam por influências diversas como rock, samba, indie, pop e MPB.
Em fase de divulgação do disco, Almério hoje se divide entre as cidades de Caruaru, Recife, São Paulo e Rio de Janeiro. O show de lançamento será nesta quinta-feira, no Teatro de Santa Isabel. “É um movimento natural. Quando você se destaca, acaba tendo que voar mais alto, seguir novas oportunidades. Se estou aqui hoje, é por causa dos meus fãs, que me acompanham desde Caruaru”, conta.
Em setembro, Almério dá mais um passo importante na carreira ao subir no Palco Sunset do Rock in Rio, ao lado de Johnny Hooker e Liniker. Ícones da nova Música Popular Brasileira, os três apresentam show conjunto: “Ainda está muito preliminar, estamos decidindo repertório. O Rock in Rio é a maior vitrine de bandas do País. Eu procuro nem pensar tanto nisso ainda senão acabo ficando nervoso”, revela Almério.
A ideia do show em conjunto surgiu após uma noite do festival Rec Beat, no Cais da Alfândega, que contou com apresentações individuais dos artistas. Foi quando um dos curadores do Rock in Rio sugeriu a parceria. “Liniker e Johnny são pessoas incríveis e com propostas musicais muito interessantes. Só temos a ganhar com esse intercâmbio”.
Pernambuco in Rio
Além de Hooker e Almério, a programação do Rock in Rio terá ainda apresentações dos pernambucanos Nação Zumbi, que se apresentam em parceria com Ney Matogrosso, e Alceu Valença, que sobe ao palco com Geraldo Azevedo e Elba Ramalho, no projeto O Grande Encontro. As apresentações ocorrem no palco secundário do evento, dedicado às parcerias musicais inusitadas.
Alceu foi atração do primeiro Rock in Rio, em 1985. Em 2001, o festival também recebeu a banda Sheik Tosado, que revelou o cantor e compositor China.

Veja também

'Recife Assombrado' chega ao streaming e deve ganhar continuação
Terror

'Recife Assombrado' chega ao streaming e deve ganhar continuação

Xuxa diz que Fiuk 'vai pegar mais de uma' no Big Brother
Famosos

Xuxa diz que Fiuk 'vai pegar mais de uma' no Big Brother