Sílvio Neves Baptista toma posse na Academia Pernambucana de Letras

Advogado e escritor recifense passa a ocupar a cadeira 19 da instituição, que já foi de Marcus Accioly, falecido em outubro do ano passado

Sílvio Neves Baptista ao lado de Margarida CantarelliSílvio Neves Baptista ao lado de Margarida Cantarelli - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Em uma grata mistura entre a Literatura e o Direito, surge a obra de Sílvio Neves Baptista, advogado e escritor recifense que tomou posse, nesta segunda-feira (5), da cadeira número 19 da Academia Pernambucana de Letras (APL), anteriormente ocupada pelo poeta Marcus Accioly, falecido em outubro do ano passado.

Com 34 dos 37 votos possíveis, Sílvio já se torna notável pela sua popularidade entre os membros. "Conheço Silvio desde a infância porque morávamos perto e estudávamos no mesmo colégio. Nos reencontramos como professores na Faculdade de Direito e eu acompanhava os estudos dele sobre a obra de Eça de Queiroz, que é um autor que eu também gosto muito", revela a presidente da APL, Margarida Cantarelli.

Entre os principais livros do novo imortal da Academia está "Eça de Queiroz: Um caso de abandono materno e filiação sócio-afetiva. As consequências do desamparo dos filhos no Direito atual".

"Ele é uma pessoa que é muito respeitada como professor e como intelectual e também pela agradável convivência com ele, pela maneira afável de conviver, de trabalhar em grupo. Tudo isso a gente leva em conta, porque o acadêmico vem para somar e, a cada momento, a Academia precisa mais se abrir para a sociedade", argumenta Margarida.

Leia também:
Sílvio Neves Baptista toma posse na APL
Livro mostra outras perspectivas da Revolução Pernambucana
Pernambucano entre vencedores do Prêmio Cepe Nacional de Literatura


"Então, tem que dispor de pessoas sem perder seu lado intelectual, pessoas que saibam destinar os outros ou transferir para os outros um pouco do seu conteúdo e de sua experiência com a literatura", analisa a professora.

Sílvio, que já tinha tentado se eleger para a APL antes, agora se faz mais notável graças a sua obra "Eça de Queiroz: Um caso de abandono materno e de filiação socioafetiva. As consequências do desamparo dos filhos no direito atual", sobre o escritor português, além de outros livros na área de Direito Civil.

"Eu sempre tive o sonho de entrar na Academia, apesar de sempre ter me dedicado ao estudo do Direito”, lembra o advogado. Ser eleito foi muito gratificante, principalmente por ter sido uma maioria expressiva. A Academia tem uma vasta pauta cultural e eu pretendo me inserir nisso e continuar fazendo o que sempre fiz”, diz.

O imortal José Paulo Cavalcanti Filho, responsável pela saudação a Sílvio Neves Baptista na posse, ressalta a importância das obras do escritor na cultura brasileira. "O seu trabalho sobre Eça de Queiroz é um marco dentro da nossa literatura, tanto na pernambucana quanto na brasileira. A Academia Pernambucana de Letras fica enriquecida com a sua presença", elogia.

Sílvio vai, sim, continuar fazendo o que sempre faz - trabalhando com a juventude. "Silvio, além de ser um excelente jurista e advogado, é um professor muito acostumado a trabalhar com a juventude. Eu acredito que a vinda dele vai somar à Academia, principalmente neste momento em que a gente está iniciando um trabalho especial com os jovens. Será uma pessoa que certamente dará um grande apoio, porque tem prazer e muita tendência a trabalhar com jovens", elogia a presidente Margarida.

Veja também

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações
Streaming

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos
Celebridades

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos