Som da Terra lança álbum na sede do Galo da Madrugada

Com histórias para cantar, banda celebra no novo disco os 40 anos do maior bloco de rua

Grupo vai também homenagear o centenário de ChacrinhaGrupo vai também homenagear o centenário de Chacrinha - Foto: Kaká Morais/Divulgação

Definindo-se como contemporâneos do Galo da Madrugada - ambos nasceram no mesmo período, na década de 1970 -, a banda Som da Terra aporta, agora, nos ritmos do Carnaval recifense.

O grupo lança álbum nesta quinta-feira (26), às 20h, e não pense que é coincidência ser logo na Quinta no Galo, a sede do bloco: “A gente tem uma relação muito forte com o Galo da Madrugada porque nós somos a banda mais antiga a tocar no Galo. E a gente fez música em homenagem a ele! ‘Ei pessoal, vem moçada! São os 40 anos do Galo da Madrugada…’”, canta, animado, Rominho Pimentel, vocalista e percussionista do grupo.

A banda adianta o aniversário do bloco de rua em seu novo disco, "Som da Terra - 40 anos do Galo". “Nada mais justo do que a gente lançar lá”, explica o músico.



Em seus 42 anos de carreira, o grupo já passou por diversos ritmos. Na época em que foi formado, em 1975, Luiz Gonzaga e o Quinteto Violado foram as principais influências, com a banda puxando para o forró nordestino. Agora, homenageiam outro ritmo pernambucano: "Nós temos uma relação muito forte com o Carnaval.

O Som da Terra é um grupo de Música Popular Brasileira, mas nós temos nossas raízes esticadas em Pernambuco. Ano passado trabalhamos só com frevos de bloco, esse ano estamos só com os frevos canção, os mais tocados no carnaval de Recife", explica Rominho, que destaca, entre as canções do álbum, "Banho de cheiro", de Elba Ramalho, "Nas ondas do desejo" e "Balança o saco", ambas de Almir Rouche.

Leia também: 
José Pinteiro lança música autoral
Pernambuco tem uma dança que nenhuma terra tem...
Os 40 anos de saudade do frevo de Nelson Ferreira

No meio dos sucessos já conhecidos pelo público, a banda não deixa sua marca: “Há novos arranjos pras músicas, inclusive ‘Voltei Recife’, que a gente começa com um vocal e depois que entra o instrumental. ‘Roda e avisa’ é uma homenagem a Chacrinha, já que ele estaria comemorando 100 anos se estivesse vivo. Colocamos essa música como se tivéssemos tocando pra ele, inclusive com uma chamada com a própria voz de Chacrinha, de uma participação que fizemos no programa dele”, revela o vocalista.

Com cinco discos já lançados, há muita história pra contar: “Um dos momentos mais bonitos foi em Olinda, em 1997, quando acabou o carnaval de Boa Viagem. Nós fomos no trio elétrico tocar em Olinda, quando ainda não existia festas por lá. E aí eu fiz uma promessa para o público: se todos comparecessem na Quarta-feira de Cinzas, às 6h da manhã, a gente faria uma surpresa. Tudo isso rolou um cochicho enorme e, no dia, a Praça 12 de Março estava completamente lotada. Eu pedi para todo mundo dar as mãos e a gente fez uma mensagem belíssima, cantamos a ‘Ave Maria’. O pessoal se emocionou, era choro em cima e embaixo do trio elétrico!”, relembra Rominho.

Serviço:
Som da Terra, 40 anos do Galo
Na sede do Galo da Madrugada (Rua da Concórdia, 984, São José, Recife)
Nesta quinta-feira (26), às 20h
Preço médio do CD: R$ 10
Ingressos: R$ 30 (individual) e R$ 120 (mesa para quatro pessoas)
 

Veja também

Série 'The Wilds' se inspira em 'Lost' e reinventa enredo para jovens
Uma Série de Coisas

Série 'The Wilds' se inspira em 'Lost' e reinventa enredo para jovens

Criolo faz show tecnológico e diz que país vive um tempo fúnebre
Música

Criolo faz show tecnológico e diz que país vive um tempo fúnebre