Série

'Sombra e Ossos' mostra potencial para herdar os fãs de 'Harry Potter'

História usa bem a jornada do herói tão bem recebido como em Harry Potter e Katniss Everdeen

Cena da sérieCena da série - Foto: Divulgação

"Sombra e Ossos", nova série da Netflix, é o que todo fã de sagas literárias espera de uma adaptação. Com personagens cativantes, romance que não tem medo de ser brega e bons efeitos visuais, a produção se destaca diante de outras que tentaram emplacar suas sagas literárias e falharam, como "Eragon" e "Percy Jackson".

Alina Starkov reina com uma mistura de meiguice e atrevimento na atuação de Jessie Mei Li. A produção é uma adaptação da trilogia "Grish"a, escrita pela israelense Leigh Bardugo e publicada pela primeira vez em 2012.

A história, tanto da série quanto do primeiro livro, que corresponde à primeira temporada, usa bem a jornada do herói que, no geral, já vimos e amamos diversas vezes, com Harry Potter e Katniss Everdeen, de "Jogos Vorazes", por exemplo.
 



A jovem protagonista é uma cartógrafa do primeiro exército de Ravka, um país fictício que está em guerra com outras duas nações fronteiriças. Ravka vive uma situação difícil e incomum, já que uma grande muralha de sombras chamada de Dobra divide o país e impede o acesso ao litoral, causando conflitos políticos e dificuldades econômicas.



Na Dobra, monstros chamados de volkra parecem ter como único alvo os seres humanos. Além disso, o país tem como cidadãos os grisha, pessoas que são capazes de manipular água, fogo, ar e outras matérias.

Alina é uma grisha e descobre ser, inclusive, a única do seu tipo, uma conjuradora do Sol que, segundo profecias, acabaria com a Dobra, criada séculos atrás pelo Herege Negro, um grisha que controlava sombras.

A descoberta acontece durante uma incursão na Dobra com o primeiro e o segundo exércitos, respectivamente, de não grishas e grishas, com objetivo de chegar a Ravka Leste e ao litoral.

Após descobrir seu poder, Alina é convocada a lutar pelo segundo exército comandado por Darkling (Ben Barnes), o único grisha de sombras vivo e que descende do Herege Negro.

A relação com Darkling põe em xeque o amor que Alina sente por seu melhor amigo, Mal (Mally, no livro), que ficou para trás após ser ferido na obra. Mal é um excelente rastreador e integra a infantaria do primeiro exército. Temos aqui o triângulo amoroso que funciona e não se perde em ciúme tolo.

A jornada de Alina, de órfã à Santa Alina, como fica conhecida por toda a Ravka, é mostrada ao longo da primeira metade da temporada.

A narrativa tem tudo o que uma boa jornada do herói pede: questionamentos sobre a própria capacidade, profecias, reviravoltas, assassinos, o mestre que ensina protagonista a usar os poderes recém descobertos, intrigas e um personagem antagônico que inveja o herói.

No entanto, a série vai além e acrescenta elementos da literatura e do audiovisual para jovens adultos: sexo implícito, romances com direito a frases clichê, mas que funcionam por justamente se reconhecerem bregas, mortes bem filmadas e camadas sobre camadas de intrigas políticas -embora essa parte precise de um investimento maior para disputar com "Game of Thrones", por exemplo.

A jornada do herói associada ao clima de histórias para jovens adultos não é a única combinação que valoriza "Sombra e Ossos" ou que explica a sensação de que há duas séries em uma.

Os oito episódios de "Sombra e Ossos" também acompanham uma segunda saga literária que deriva da trilogia "Grisha" e se passa no mesmo universo, a duologia "Six of Crows". No entanto, o enredo é original e foi desenvolvido pela própria Leigh Bardugo para o seriado para servir de história de origem da duologia.

Foi uma jogada de mestre da Netflix, que deixou engatilhada, após o episódio final da temporada, um gancho para uma série derivada com quatro personagens muito cativantes, com histórias bem construídas e que deixam o público com vontade de mais.

Destaque para o pistoleiro negro e LGBTQIA+ Jesper, interpretado pelo inglês Kit Young, e para Inej, uma acrobata interpretada por Amita Suman, atriz nascida no Nepal. A convergência das duas sagas adaptando o universo Grisha, francamente inspirado na Rússia dos czares, mostra a que veio na segunda metade da temporada.

O nome por trás da série, Eric Heisserer, toma liberdades criativas que divergem do primeiro livro da trilogia principal, mas que são convenientes, às vezes engraçados e levam aos mesmos acontecimentos.

É um desvio oportuno de percurso que tem potencial de agradar e surpreender até mesmo aos fãs dos livros. Tudo vem acompanhado de perto pela mente por trás do universo "Grisha", que assina a produção da série ao lado de Heisserer ("Bird Box", 2018), Shawn Levy ("A Chegada", 2016), Pouya Shabazian ("Divergente", 2014), Dan Levine ("Mentes Sombrias", 2017) e Dan Cohen ("Amor e Monstros", 2021).

Não é exagero dizer que a série trata com respeito a mitologia rica construída por Bardugo e acrescenta ainda mais camadas a história. A produção certamente terá uma segunda temporada e tem o que é preciso para ser a próxima grande mina de ouro da Netflix e herdar de "Jogos Vorazes" o manto de adaptação de saga literária sucesso de audiência.

SOMBRA E OSSOS
Disponível na Netflix
Classificação 14 anos
Elenco Jessie Mei Li, Archie Renaux, Freddy Carter
Produção EUA, 2021
Avaliação Ótimo

 

 

Veja também

Niterói aprova mudança de nome de rua para homenagear Paulo Gustavo
Homenagem

Niterói aprova mudança de nome de rua para homenagear Paulo Gustavo

Príncipe Harry diz que se mudou para os EUA para 'quebrar ciclo familiar' de 'dor e sofrimento'
Realeza

Príncipe Harry diz que se mudou para os EUA para 'quebrar ciclo familiar' de 'dor e sofrimento'