Sul-coreanos criticam Festival de Berlim por convite a diretor acusado de abusos

Kim Ki-duk, que já recebeu um Leão de Ouro em Veneza, é acusado de agressão física e abuso sexual

Diretor Kim Ki-dukDiretor Kim Ki-duk - Foto: Wikimedia Commons

Mais de 100 organizações civis sul-coreanas criticaram o Festival de Berlim, que expressou apoio à campanha #MeToo contra o abuso das mulheres, por sua "indulgência" com o diretor Kim Ki-duk, acusado de agressão física e abuso sexual.

Kim é um dos cineastas mais conhecidos da Coreia do Sul e já recebeu um Leão de Ouro no Festival de Veneza por "Pietá" (2012) e um Urso de Prata de diretor em Berlim por "Samaritana" (2004).

Em dezembro, uma atriz que pediu anonimato denunciou abusos do diretor durante uma filmagem. A atriz acusou Kim de abusos físicos e sexuais. Ela disse que o diretor a agrediu e a obrigou a rodar cenas nuas e de sexo que não estavam no roteiro de "Moebius" (2013), antes de substituí-la por outra atriz.

A mulher, que depois das filmagens encerrou sua carreira de 20 anos, apresentou uma denúncia. Kim, de 56 anos, foi condenado a pagar 5 milhões de wons (4.600 dólares) por agressão física. As outras acusações, incluindo a de assédio sexual, não foram aceitas com a alegação de falta de provas.

A atriz apelou da decisão sobre o abuso sexual. Kim admitiu que dar tapas era parte do aprendizado. Seu filme mais recente, "Human, Space, Time and Human", será exibido no Festival de Berlim, que começa nesta quinta-feira.

"Estamos vivendo nesta injusta realidade, em que o autor de um ataque físico trabalha e é bem-vindo em qualquer parte como se nada tivesse acontecido, enquanto a vítima que denunciou o abuso é isolada e marginalizada", escreveram em um comunicado 140 organizações da sociedade civil, que incluem grupos de defesa dos direitos da mulher, dos direitos humanos e de ajuda às vítimas.

Leia também:
Movimento contra abusos sexuais será o destaque no Festival de Berlim
José Padilha competirá no Festival de Berlim com filme americano
Conflitos do cotidiano se dilatam no filme 'O insulto'


O diretor da Berlinale, Dieter Kosslick, afirmou que a edição deste ano do festival servirá de "fórum" para discutir como combater o abuso contra as mulheres na indústria de cinema.

Kosslick disse que a organização do evento não aceitou os trabalhos de cineastas acusados de "maneira grave" de abusos sexuais. "Por que, então, a Berlinale é indulgente com Kim, estendendo o tapete vermelho para ele e para seu filme?", questiona o comunicado, que acusa os organizadores do festival de "consentir e endossar" o comportamento de Kim.

A organização do festival afirmou que as alegações de abuso sexual foram rejeitadas e que o evento "se opõe e condena toda forma de violência, ou de má conduta sexual".

Veja também

Paço do Frevo faz live em comemoração ao Dia do Frevo de Bloco
Live

Paço do Frevo faz live em comemoração ao Dia do Frevo de Bloco

Andréia Sadi anuncia gravidez de gêmeos na Globonews; André Rizek confirma na SporTV
Anúncio

Andréia Sadi anuncia gravidez de gêmeos na Globonews; André Rizek confirma na SporTV