Tauã Cordel: carreira solo com um forró 'good vibes'

Filho do cantor e compositor Nando Cordel, Tauã lança seu terceiro single e segue em carreira solo

Tauã Cordel, cantor e compositorTauã Cordel, cantor e compositor - Foto: Divulgação

Reinventar-se, no universo da música, é (quase sempre) necessário. Embora não seja regra, integra a trajetória de muitos artistas que desejam, por si só, buscar novos ares e dar conta de seus próprios caminhos - às vezes já trilhados, é bem verdade, mas não com os próprios pés. Tal qual tem feito Tauã Cordel, cujo sobrenome chancela uma passagem de sucesso para uma nova etapa a sós com a sua musicalidade.

"Passei a sentir vontade de fazer o meu trabalho solo, eu queria ter algumas liberdades para escolhas no estilo, nos arranjos e achei que era o momento de transição, por uma questão de evolução minha", contou em conversa com a Folha de Pernambuco o filho do cantor e compositor pernambucano Nando Cordel, que até o ano passado integrava a Tribo Cordel formada por ele e pelos irmãos Cauã e Ruan e que agora passa a lançar singles que devem culminar em um trabalho consolidado até o próximo ano.

Leia também:
PE tem 18 projetos de música selecionados em edital do Itaú Cultural
EP de pagode: Ludmilla experimenta de tudo na música
'Revoredo': uma década e meia de chão e coroação da liberdade

Seguro sobre o que deseja para um futuro próximo na carreira, Tauã define seu estilo (forró), com "uma pegada mais leve, de praia, como um 'xote safado' como diria Luiz Gonzaga", um dos nomes que ele traz como referência artística, além é claro, do próprio pai a quem ele carinhosa e nordestinamente trata como "painho". 

"Ele está nisso tudo, sempre foi nossa referência e guru, tudo que a gente faz tá ligado ao meu pai, com quem a gente faz parceria, troca ideias, conversa. Se eu tenho um pulso de conhecimento em minha casa tenho que usar, não é?", complementa Tauã que cita, também, Dominguinhos, Flávio José, Fagner, Armandinho, Tiago Iorc, Natiruts e Vitor Kley entre nomes que o acompanham como inspiração.

"O que me posiciona hoje na composição são as músicas boas e de qualidade, que se perderam. Escuta-se muita coisa pejorativa e comecei a ver que o ser humano é mais inteligente do que isso, dá para fazer música legal sem apelo e de forma diferente, porque as coisas no mercado são muito iguais e se a pessoas não falar o nome no meio da música, dificilmente se sabe quem é o cantor", ressalta ele que disponibilizou recentemente nas plataformas digitais o terceiro single "Num Barraco ou nas Estrelas", letra feita em parceria com Nando e que conta, também, com a participação do poeta e cordelista cearense Bráulio Bessa.

"Fiz essa música com painho, na casa dele, sentados na varanda. Quando levei para estúdio senti falta de uma fala, uma poesia no meio dela, sabe? Cheguei eu mesmo a escrever um poema mas pensei no Braúlio e que seria muito legal e incrível tê-lo com uma mensagem. Ele topou na hora".

Entre o pop e o gosto pela sonoridade raiz, levado pela sanfona, pelo triângulo, zabumba e baixo, Tauã Cordel vem compilando sua própria história. Além do single que teve a participação de Bráulio, ele já havia lançado " Papai do Céu", de Caco Nogueira e a autoral "Deu Vibe", todas com clipes que podem ser assistidos em seu canal no YouTube.

"As músicas que faço têm um lado pop bacana mas é sempre super raiz. Talvez a forma de tocar o violão é que tenha uma coisa mais progressiva", explica o cantor e compositor que promete lançar novos hits até o final deste ano para, na etapa seguinte, seguir na "pegada do forró bem summer, bem good vibes, com calma e o pé no chão".


 

Veja também

Felipe Prior instala câmeras em casa por medo de acusações de estupro
Vigilância

Felipe Prior instala câmeras em casa por medo de acusações de estupro

Incêndio na Cinemateca é tema de manifestos globais que criticam Bolsonaro
Cultura

Incêndio na Cinemateca é tema de manifestos globais que criticam Bolsonaro