Teatro de Santa Isabel é palco da reestreia do 'Dita Curva'

Coletivo de mulheres inicia 2ª temporada nesta quinta-feira (12) e segue em turnê por João Pessoa, São Paulo e Rio

Espetáculo 'Dita Curva'Espetáculo 'Dita Curva' - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

O barulho é ensurdecedor. Vem do canto, vem da dança, das cordas do violino, dos olhares trocados, dos silêncios pulsantes e dos gritos de uma dezena de mulheres que se multiplicam em outras tantas porque representam existências e histórias ressignificadas pela força do feminino. Assim é o "Dita Curva", coletivo formado por multiartistas pernambucanas e que retorna aos palcos hoje, no Teatro de Santa Isabel, ponto de partida de uma segunda temporada que chega com a mesma robustez exibida na estreia em 2018, durante o Janeiro de Grandes Espetáculos.

"A ideia é reforçar a urgência dos assuntos, frutos de um sentimento coletivo que chega junto à necessidade de narrar e construir a nossa própria história como mulheres que somos", contou a cantora, compositora e dançarina Flaira Ferro, em conversa com a Folha de Pernambuco. A ela, que também é idealizadora do projeto, juntam-se Aishá Lourenço, Aninha Martins, Isaar, Isadora Melo, Laís de Assis, Luna Vitrolira, Paula Bujes, Sofia Freire e Ylana Queiroga.

Leia também:
"Viola de Bem Querer" reforça sintonia do Boca Livre
'Musicistas mulheres não veem suas histórias contadas em livros'


Com repertório que permeia o universo artístico de cada uma delas, a segunda temporada do espetáculo traz novidades que incluem, por exemplo, músicas inéditas e novos arranjos, levados pela mesma intensidade interpretativa que caracteriza o coletivo. "Com outras costuras, há mais picos e mais baixos na narrativa, que deixou de ter a linearidade da primeira temporada. Isso deixa a apresentação mais forte", ressaltou Juliana Santos, à frente da produção do Dita Curva que conta, também, com direção musical e artística, respectivamente, de Paula Bujes e Lili Rocha e iluminação de Natalie Revorêdo.

Para a cantora, compositora e instrumentista Isaar, fazer parte do grupo vai além das apresentações nos palcos, e funciona como uma espécie de cura para ela, para as demais integrantes e para os públicos que as assistem. "Tem sido uma verdadeira catarse para nós. Um encontro lindo que vai além da música porque levamos muito de cada uma de nós, e isso traz como retorno a cura, diante de um mundo tão machista e opressor. Quisemos buscar esse coletivo porque não tem como respirar de outra forma, enquanto mulher, enquanto cultura", ressaltou ela, à vontade junto às novas gerações que perfazem o coletivo. "Tem sido muito bom para mim estar em sintonia com essas meninas e tantos talentos", complementou.

Harmonia
Pouco importa a sequência de cada "ato" do espetáculo porque cada uma delas, em cena, se acrescentam. Ora pela alternância entre vozes, arranjos e interpretações, ora pela harmonia na troca de mensagens destemidamente expostas, sem deixar brechas. Tudo é dito, cantado, tocado, dançado e com intensidade, sem arrodeios.

"É tudo muito vivo. E estamos abertas a esse diálogo entre nós mesmas, cada uma com o seu direito de voz no grupo, de propor uma coisa nova, de trazer uma questão que está mais forte na própria vida. Vamos ouvindo umas às outras e filtrando o que cabe e, por isso, somos uma fonte inesgotável, com um trabalho sempre em construção, e como obra não finalizada em si, segue de acordo com o crescimento de todas nós", explicou Flaira, que comemora o circunstancial de ter, no espetáculo, a possibilidade de fala, nos tempos atuais.

"São questões como feminicídios e opressões que imprimem a urgência do espetáculo, é com essa força que voltamos e com o retrato de muita coisa que aconteceu em nossas vidas, em nosso País e no mundo. Fomos ressignificando o repertório e acho que tudo isso colabora para mostrar que estamos com mais fome ainda para o projeto", concluiu ela, que, junto às demais, após a reestreia no Recife, segue para apresentações em João Pessoa, São Paulo e Rio de Janeiro.

Em outubro, o espetáculo volta na Caixa Cultural. "A gente vai dar trabalho porque estamos aqui para falar sobre feminismo e outras falas pela frente", destacou Juliana Santos.

Veja também

Belutti diz ser desengonçado antes de estreia no Dança dos Famosos
Televisão

Belutti diz ser desengonçado antes de estreia no Dança dos Famosos

Compadre de Jojo Todynho é assassinado no Rio de Janeiro
Violência

Compadre de Jojo Todynho é assassinado no Rio de Janeiro