Cultura+

Tecnologia a serviço da moda

Estampa do tecido é uma das etapas mais demoradas e caras da produção de uma peça de vestuário

Por causa do preço, a marca Rainha da Cocada recorre ao Sudeste do País para produzir as suas estampasPor causa do preço, a marca Rainha da Cocada recorre ao Sudeste do País para produzir as suas estampas - Foto: Divulgação

Quando você se encanta por uma estampa talvez nem imagine o trabalho que deu para colocar aquele desenho no tecido. Essa etapa é uma das mais demoradas da produção de uma peça. E em alguns casos - quando se quer design exclusivo - pode ser a mais cara também. Caso da estamparia digital, método mais moderno.

Em Pernambuco, ainda são poucas as confecções que contam com essa tecnologia. “As confecções do Polo Agreste produzem pouco e em tecidos mais baratos e sintéticos. Portanto não compensa investir meio milhão em uma máquina de impressão digital. Quando a quantidade é grande, a maioria das empresas já compra o tecido estampado de fora. É uma deficiência, pois não imprime a identidade local, apesar de baratear o produto”, lamenta Fredi Maia, presidente do Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco (NTCPE).

Existem técnicas alternativas que não deixam de lado a qualidade. Segundo o diretor presidente da grife de surfwear Rota do Mar, Arnaldo Xavier, a marca tem dois processos principais: a serigrafia e a sublimação. No primeiro, a tinta vai da tela para o tecido através de um rolo. Na tela, o desenho é gravado por fotossensibilidade - os pontos escuros do fotolito são os locais vazados que permitirão a passagem da tinta. Mais sofisticada, a sublimação imprime o desenho em papel com um corante sublimático, através de uma prensa térmica. Infelizmente, só quem suporta essas altas temperaturas são os tecidos sintéticos, impróprios para o nosso clima.

Mais artesanal, a marca Desalinho “printa” suas peças com carimbos feitos com borracha de sola de sapato. “Não temos o compromisso de produzir uma estampa perfeita. Nosso propósito é que a falha esteja presente”, declara Margarida Costa Lima. A proposta despretensiosa surgiu de uma necessidade de desautomatizar. “Tínhamos um escritório de design gráfico e trabalhávamos com computador o tempo inteiro e nos sentíamos incomodados. Queríamos trabalhar com as mãos”, lembra Margarida.

Na outra ponta da tecnologia, a estamparia digital é uma gigante poderosa que imprime diretamente do computador para o tecido em alta resolução. O custo é alto porque a tinta é cara e a manutenção do equipamento também. Em Pernambuco, a única máquina de estamparia digital que imprime em tecido natural pertence à Estampa Banana. “Fazemos moda e também painéis de parede para festas”, acrescenta Sofia Lobo, uma das designers da marca.

A grife BluK é uma das que utiliza a estamparia digital em suas peças. Segundo a empresária Keila Benício, dona da marca, a padronagem já vem pronta de São Paulo. “Eles fazem os desenhos a partir do tema escolhido e criado por mim e minha equipe, e depois enviam para que eu aprove”, conta a empresária. A jovem marca Rainha da Cocada também precisa recorrer ao Sudeste para produzir as estampas, já que fica mais barato comprar o tecido e estampar no mesmo lugar. “Não queríamos trabalhar com tecido sintético. Como a impressão digital é muito cara e não temos uma grande produção, optamos por fazer algo não voltado para o fast fashion”, explica a estilista Taís Fernandes. Para a estilista e proprietária da Refazenda Magna Coeli, a vantagem da estamparia digital é a possibilidade de exibir todas as texturas. “Para a última coleção que fiz, inspirada nas pedras portuguesas, quis que saísse no tecido até a sujeirinha das pedras, para dar um tom de real”, declara.

A empresária da grife Movimento, Tininha da Fonte, conta que em todo Brasil são pouquíssimas as fábricas que produzem poliamida com a quantidade de elastano necessária para fazer uma boa peça de beachwear. O processo de estamparia digital para esse tecido, portanto, também tem que ser cuidadoso e, segundo Tininha, não existe em Pernambuco. “Pensar na estampa é a parte de criação que mais gosto, mas é demorada”, admite a empresária.

Já a designer gráfica pernambucana radicada em São Paulo Lin Diniz, que possui especialização técnica em estamparia digital, a técnica cilíndrica (feita a partir de cilindros metálicos perfurados com o desenho da estampa) ainda é a mais viável, devido ao custo, principalmente quando a quantidade de tecido é grande. Lin já passou pela grife Iódice e pela agência paulistana de comunicação focada no design de moda, Cherry Plus. Atualmente, ela atende clientes como Tufi Duek e Luigi Bertolli. “Gosto mais dos trabalhos em que posso aplicar minhas artes manuais. Trabalho em cima do conceito da coleção e busco inspirações no meu repertório pessoal”, declara. O mercado, segundo Lin, é promissor, pois não existem muitos cursos na área. Em Pernambuco, por exemplo, não há nenhum. “Quem se especializar terá destaque”, acredita.

Veja também

Com mercado aquecido, Recife vê novas galerias de arte surgirem
Galeria de Arte

Com mercado aquecido, Recife vê novas galerias de arte surgirem

Gusttavo Lima: MP instaura procedimento para averiguar show de R$ 1,2 milhão em cidade mineira
Dinheiro Público

Gusttavo Lima: MP instaura procedimento para averiguar show de R$ 1,2 milhão em cidade mineira