Ted Bundy: conheça produções que contam a história do serial killer

Theodore matou mais de 30 mulheres nos Estados Unidos durante a década de 1970

Serial killer Ted Bundy ficou conhecido por matar mulheres na década de 1970Serial killer Ted Bundy ficou conhecido por matar mulheres na década de 1970 - Foto: Reprodução

Um dos gêneros que vem ganhando força no Brasil através do cinema, da TV e da literatura é o de crimes reais. Dos mais famosos até os poucos conhecidos, os detalhes dos casos parece intrigar e despertar o interesse do público. Dentro deste tema, uma ramificação que faz bastante sucesso envolve aqueles criminosos que possuem um modus operandi, escolhem suas vítimas a dedo e, na sua maioria, carregam traumas de infância: os assassinos em série.

Das figuras mais comentadas e ficcionalizadas, os crimes de Theodore Robert Bundy são destaque desta sexta-feira (3). Na década de 1970, nos Estados Unidos, o psicólogo e estudante de direito matou mais de 30 mulheres. Ele conseguiu fugir da polícia duas vezes antes de ser condenado à morte, em julho de 1979. O serial killer era descrito como uma pessoa simpática e de boa aparência, optando por atuar em causa própria no tribunal. Os fatos da época já renderam documentários, filme e livro. Confira!

Leia também:
‘This Is Us’: Quarta temporada amplia narrativa sem perder a qualidade
'Netflix Party' possibilita ver séries com amigos a distância
Estreias de terror para maratonar na sexta-feira 13

Quem foi?

Ted Bundy era tido como uma pessoa extremamente sociável e inteligente, embora seu nível de QI possa ser questionado. Quando se formou em psicologia e começou seus estudos na Universidade de Direito de Seattle, acabou sendo reprovado por não comparecer às aulas. Acredita-se que nessa época, por volta de 1973, começou a sequestrar e matar mulheres, mas é possível que haja vítimas anteriores ao ano em que se tem registro, já que muitas delas nunca foram encontradas.

Ele viajou para estados como Colorado, Washington e Florida, cometendo assassinatos sem deixar quase nenhuma pista. Seu modus operandi incluía espancar, mutilar e mover as mulheres para outros locais, quase sempre deixando marcas de mordidas. Alguns corpos não eram possíveis reconhecer.

Na primeira vez que Bundy foi detido, enquanto aguardava a preliminar do julgamento, conseguiu fugir saltando de uma janela. Só foi recapturado seis dias depois. Ted foi considerado culpado por tentativa de sequestro e agressão, com uma pena de até 15 anos. Com o passar do tempo, foram encontradas provas de alguns assassinatos – Caryn Campbell, 23 anos, por exemplo – e acabou sendo transferido para uma prisão no Colorado.

Durante o tempo em que passou preso e aguardando julgamento, Ted conseguiu fugir mais uma vez, de dentro de sua cela, por um buraco que levava ao quarto dos oficiais. O serial killer vestiu um uniforme e saiu pela porta da frente. Livre novamente, matou mais mulheres. Lisa Levy e Margaret Bowman foram atacadas e mortas dentro de uma república de estudantes. Karen Chandler e Katy Kleiner também foram violentadas, mas conseguiram escapar.

Capturado novamente, inicialmente por roubo de carro e cartões de crédito. A polícia só conseguiu identifica-lo quando Ted fez um telefonema para sua namorada, Elizabeth Kendall. Em 1979, conseguiram analisar sua arcada dentária em comparação com a marca deixada nas vítimas, comprovando ser o autor dos crimes.

Theodore foi considerado culpado pelas mortes de Margaret Bowman, Lisa Levy e Kimberly Leach, esta última de 12 anos de idade. Bundy foi condenado à pena de morte em cadeira elétrica. Dias antes da execução, Ted confessou ter matado por volta de 30 mulheres, mas a suspeita é que esse número seja maior. Ele morreu aos 42 anos, na prisão estadual da Florida, em janeiro de 1989.

Documentários

Há dois documentários que contextualizam os crimes de Ted Bundy e suas vítimas. “Conversando com um serial killer: Ted Bundy” estreou na Netflix em janeiro de 2019 e possui 4 episódios com entrevistas do criminoso pouco antes de morrer, além dos advogados, agentes da polícia e imprensa que acompanharam o caso na época.

Já em “Ted Bundy: Falling For A Killer”, da Amazon Prime Video, o viés acontece pelos depoimentos de Elizabeth Kendall, namorada de Theodore, e a filha do casal, Molly. Durante os cinco episódios, a convivência e relacionamento dos dois são postos em outra perspectiva.





Filme e livro

Para conhecer todos os detalhes dessa história, é impossível não passar pelo livro “Ted Bundy: Um Estranho ao Meu Lado”, da DarkSide, escrito pela autora Ann Rule, que conheceu o serial killer e ficou próxima dele em determinada fase da vida, antes de saber o que tinha acontecido. Em seu projeto, Rule soma as lembranças pessoais da época e sua apuração como repórter investigativa. Para quem se interessa em conteúdos criminais este livro é leitura obrigatória.

Já no filme “Ted Bundy: A Irresistível Face do Mal”, estrelando Zac Efron no papel do psicopata, a narrativa tem foco na habilidade de Bundy em defender a si mesmo no primeiro julgamento televisionado dos Estados Unidos, além dos relatos de Elizabeth sobre os anos que passou ao lado do serial killer. O maior atrativo do filme é a atuação de Efron e sua caracterização bizarra. O longa é baseado no livro “The phantom prince: My life with Ted Bundy”, da própria Elizabeth Kendall, e está disponível no catálogo da Netflix.



*Fernando começou a assistir a séries de TV e streaming em 2009 e nunca mais parou. Atualmente ele já maratonou mais de 300 produções, totalizando aproximadamente 7 mil episódios. A série mais assistida - a favorita - é 'Grey's Anatomy', à qual ele reassiste com qualquer pessoa que esteja disposta a começar uma maratona. Acesse o Portal, Podcast e redes sociais do Uma Série de Coisas neste link.

*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

Veja também

Marido de Paulo Gustavo, internado há mais de um mês, busca apoio na fé
Celebridades

Marido de Paulo Gustavo, internado há mais de um mês, busca apoio na fé

Mãe de Gil confirma que o proibiu de doar parte do prêmio para igreja e diz que filho é protagonista
Entrevista

Mãe de Gil confirma que o proibiu de doar parte do prêmio para igreja e diz que filho é protagonista