Cinema

"Transformers: O Despertar das Feras" estreia nos cinemas nesta quinta-feira (8); leia a crítica

Sequência do reboot "Bumblebee" deixa intimismo de lado em prol de retorno à narrativa de guerra alienígena, mas sem a força megalomaníaca de Michael Bay

"Transformers: O Despertar das Feras" estreia nos cinemas nesta quinta-feira (8)"Transformers: O Despertar das Feras" estreia nos cinemas nesta quinta-feira (8) - Foto: Divulgação

Após o reboot oitentista “Bumblebee”, lançado em 2018, a franquia “Transformers” indicava que passaria por uma revitalização total, dos visuais às narrativas, fugindo da megalomania do produtor e diretor Michael Bay, responsável por levar os “carros robôs” ao cinemas em 2007 e pela eventual saturação da marca em suas cinco sequências. Logo, “Transformers: O Despertar das Feras”, estreia desta quinta-feira (8) nos cinemas e primeira sequência após a repaginada, atiçou a expectativa do público, mas não entregou uma aventura intimista e carga emocional à altura do antecessor, nem a ação explosiva assinada por Bay.

A sétima adaptação para as telonas da linha de brinquedos da Hasbro acompanha o humano Noah (Anthony Ramos), ex-militar com histórico de rebeldia com dificuldades de encontrar um emprego, precisando de uma renda extra para auxiliar a mãe e pagar as despesas médicas do irmão mais novo. Quando conhece o transformer Mirage (Pete Davidson), é introduzido aos Autobots liderados por Optimus Prime (Peter Cullen), presos na terra há cerca de uma década, à procura de um artefato que pode levá-los para casa - o planeta Cybertron. A busca, no entanto, é ameaçada por Scourge (Peter Dinklage), servo do comedor de planetas Unicron (Colman Domingo).

Na superfície, a revitalização da franquia é um respiro necessário. A ambientação em 1994 traz um impacto positivo especialmente aos visuais dos robôs. Antes um amontoado de tralha metálica, cada Autobot agora parece único, com cores representativas e características dos veículos que utilizam de disfarce, e o mesmo diz respeito aos antagonistas Terrorcons e aos Maximals, animais-robôs-alienígenas que habitam a terra desde milênios antes da chegada da companhia de Optimus Prime, que funcionam essencialmente como coadjuvantes de luxo e agrado aos fãs da animação dos anos 1990 “Beast Wars”, onde foram introduzidos à série.

A nova estética ajuda a solucionar uma falha histórica da franquia nos cinemas: a falta de personalidade de qualquer Transformer que não seja Prime ou Bumblebee. Aqui, o comando de Steven Caple Jr. ao menos garante que o público se lembre da cor ou carro associado a cada robô quando for preciso identificá-los.

Dito isso, a ausência de Bay é definitivamente sentida na ação. Suas sequências explosivas e por vezes difíceis de acompanhar sempre foram muito criticadas (com razão), mas é inegável quanta energia elas traziam aos longas. Os combates em “O Despertar das Feras” são mais compreensíveis e bem fotografados, mas artificiais demais, sem força verossímil carregando cada impacto, transformando momentos de tensão em tédio - e os efeitos visuais não colaboram.

Como é de praxe para a maioria da saga, o longa também não agrada no roteiro, retornando à típica narrativa de “fim do mundo” que não leva a nada, e desperdiçando o potencial de bons personagens. A relação de Noah com seu irmão caçula, Mirage e Elena - a outra humana da aventura - poderia ter tido sucesso em acertar emoções genuínas se a obra se preocupasse um pouco menos com eventos de grande escala. Da mesma forma, somos introduzidos a um Optimus Prime jovem, amargo e esquentado, cujo amadurecimento acontece rápido demais para cativar, considerando ainda que não foi preciso dividir o holofote com Bee, deixado de lado a maior parte do filme.

No fim, “O Despertar das Feras” é só mais um “Transformers”, com uma narrativa um pouco mais interessante compensando a ação entediante, numa iniciativa da Hasbro e da Paramount para capitalizar ainda mais na marca pela próxima década, estabelecer seu próprio Universo Cinematográfico e vender ainda mais bonecos.

Veja também

No Recife: exposição imersiva "Michelangelo: O Mestre da Capela Sistina"
MICHELANGELO

No Recife: exposição imersiva "Michelangelo: O Mestre da Capela Sistina"

Conheça as novidades do programa "Estrela da casa", novo reality da TV Globo
TELEVISÃO

Conheça as novidades do programa "Estrela da casa", novo reality da TV Globo

Newsletter