Três histórias baseadas em fatos reais que podem estar no Emmy 2019

Serviços de streamings apostam em conteúdo dramático forte

Patricia Arquette e Joey King interpretam mãe e filha em um crime baseado em fatos reaisPatricia Arquette e Joey King interpretam mãe e filha em um crime baseado em fatos reais - Foto: Divulgação/Hulu

Julho está chegando e, com ele, uma data importante para os que gostam de acompanhar as premiações das séries aclamadas mundialmente. É no mês das férias que acontece a revelação dos indicados ao Emmy Awards, o famoso “Oscar das séries”. Então anota aí: 16 de julho conheceremos quem disputa os títulos de melhores do ano.

Mas não é qualquer série que poderá concorrer ao Emmy 2019. Para se tornar elegível, a produção precisa ter sido transmitida (em streamings ou canais de TV pagos) entre 01 de junho de 2018 e 31 de maio de 2019. Tendo esse período como base, devemos considerar alguns fatos curiosos. O primeiro deles é que “Game Of Thrones” está no páreo deste ano e a HBO já anunciou que, controversamente, inscreveu os episódios da última temporada em categorias que foi bastante criticado. O episódio final, por exemplo, está inscrito para Melhor Roteiro, já o episódio que marcou a guerra entre os Caminhantes Brancos e os vivos tem chances de ganhar como Melhor Fotografia – na época, houve inúmeras reclamações das cenas escuras e confusas.

Leia também:
Entenda a ordem cronológica dos eventos de 'Dark'
Recapitulando 'Jessica Jones'

Polêmica à parte, as outras produções parecem estar mudando de estratégia e procurando evitar o embate com “GoT”, uma das séries mais premiadas da ocasião. O serviço de streaming Hulu, por exemplo, adiou a terceira temporada de “The Handmaid’s Tale” para este mês, ficando inelegível em 2019, mas tendo maiores chances em 2020. Ainda assim, por ter alguns episódios da segunda temporada exibidos dentro do período estipulado, a presença da série distópica não seria impossível. Quem também tem possibilidade de concorrer com temporada antiga é “Pose”, série do Ryan Murphy (Glee) que possui o maior elenco transgênero da história da televisão americana.

A própria HBO está com “Westworld” pausada até segunda ordem. “Big Little Lies”, da mesma emissora, só retornou com a segunda temporada após a data de inscrição ao Emmy e também não entra na disputa. Outros exemplos que valem a citação e que também estão fora da edição de 2019 são as séries mais populares da Netflix, “The Crown”, “Stranger Things” e “Black Mirror”, este último ainda conseguindo ficar apto com seu filme interativo, “Bandersnatch”, podendo levar o Emmy de Melhor Filme para TV.

Mas se tem uma categoria que a Daenerys não vai conseguir ‘tacar’ fogo é na de Melhor Minissérie, certo? Pensando nisso, a coluna desta sexta-feira (28) destaca algumas produções baseadas em fatos reais que tem grandes chances de serem reconhecidas na celebração. O Emmy Awards 2019 acontece no dia 22 de setembro.

The Act (Hulu)

Embora sendo promovida como série, “The Act” pode concorrer na categoria de Minissérie por ser uma antologia. Ou seja, de acordo com as regras da Associação de Artes e Ciências Televisivas, histórias que começam e terminam na mesma temporada e que não dão sequência na linha narrativa para os próximos anos são consideradas séries limitadas.

A primeira temporada de “The Act” conta a história real do assassinato de Dee Dee Blanchard, morta em 2015. A responsável pelo crime, sua filha Gypsy, foi presa e condenada no mesmo ano. A série aborda o relacionamento conturbado e psicologicamente doentio das duas, interpretadas pelas atrizes Patricia Arquette (Boyhood) e Joey King (A Barraca do Beijo).

Dee Dee sofria da síndrome de Munchausen por procuração, ou seja, causava sintomas na própria filha com o objetivo de conseguir atenção e satisfação pessoal. Ao passo em que Gypsy amadurece, decide por um fim na situação. O caso teve tanta repercussão que virou um documentário da HBO, chamado “Mommy Dead and Dearest”, e, agora, pode ser vista na série criada por Dean e Nick Antosca.

A química de Patrícia Arquette e Joey King é o maior atrativo na produção da Hulu. Tendo conquistado algumas estatuetas de melhor atriz no ano passado, pela série “Escape at Dannemora”, Arquette prova mais uma vez que tem grande facilidade em passear entre as diversas personalidades que a profissão exige. Já King é a grande surpresa da trama. Conhecida pelo filme teen da Netflix, “A Barraca do Beijo”, a jovem se afasta do comum quando entrega uma personagem complexa e de profundidade nunca vista em nenhum trabalho anterior.

Número de episódios: 08.
Disponível em: Hulu.



Chernobyl (HBO)

Sobre saber contar histórias a HBO é referência no assunto. “Chernobyl” tem sido bastante comentada, principalmente por atingir números que ultrapassam “Breaking Bad” e “Game Of Thrones” em avaliações. Inspirada no livro “Vozes de Tchernóbil”, de Svetlana Aleksiévitch, a minissérie aborda as consequências do pior desastre nuclear da história, no norte da União Soviética, em 1986.

Durante cinco episódios, “Chernobyl” mostra a omissão do governo com relação à falha no projeto dos reatores nucleares e da escolha de não corrigir os erros técnicos apontados. Isso, somado ao fato da equipe não ser capacitada para a função, resultou no acidente químico que, direta e indiretamente, causou inúmeras mortes. No elenco estão nomes como Stellan Skarsgård (Piratas do Caribe), Michael McElhatton (Game Of Thrones), Emily Watson (A Menina Que Roubava Livros) e Jared Harris (Mad Men).

Número de episódios: 05.
Disponível em: HBO GO.



Olhos Que Condenam (Netflix)

Estreando no catálogo da Netflix em e 31 de maio, data limite para concorrer ao Emmy, “Olhos que Condenam” conta a história real de cinco adolescentes que são injustamente acusados de estuprar uma mulher em 1989, no Central Park.

No decorrer dos quatro episódios, a trama expõe o racismo, desrespeito e a parcialidade da justiça, além dos detalhes da tática policial visando qualquer coisa que seja distante da igualdade. Crua, intensa e dolorosa de assistir, é impossível não lacrimejar com a história desenvolvida por Ava DuVernay, deixando o questionamento de “e se todos fossem considerados iguais?” ecoando na memória.

Joshua Jackson (Fringe), Vera Farmiga (Motel Bates), Felicity Huffman (American Crime) e Famke Janssen (Busca Implacável) fazem parte do elenco.

Número de episódios: 04.
Disponível em: Netflix.

*Fernando começou a assistir a séries de TV e streaming em 2009 e nunca mais parou. Atualmente ele acompanha mais de 200 produções e já assistiu mais de 6 mil episódios. A série mais assistida - a favorita - é 'Grey's Anatomy', à qual ele reassiste com qualquer pessoa que esteja disposta a começar uma maratona. Facebook: Uma série de Coisas. Instagram: @umaseriedecoisas. Twitter: @seriedecoisas_ YouTube: Uma Série de Coisas. Podcast: Pocbuster. Portal: umaseriedecoisas.com.br.

*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas. 

 

Veja também

Game põe Deus no controle; veja como Jesus foi parar em jogo que simula milagres
Deus virtual

Game põe Deus no controle; veja como Jesus foi parar em jogo que simula milagres

Renata Sorrah será a nova vilã da continuação de 'Verdades Secretas'
Streaming

Renata Sorrah será a nova vilã da continuação de 'Verdades Secretas'