Tricô – a união entrelaçada de fios

O tricô manual está na moda, não só pela beleza das peças e nem por ser um bom gerador de renda, mas por beneficiar a saúde e ajudar a prevenir doenças degenerativas como Alzheimer e Parkinson.

Peças de tricôPeças de tricô - Foto: Mariomar Teixeira

ANTES DE INICIAR O TEXTO DO ASSUNTO DE HOJE, COMUNICO A PEDIDO DA ASSOCIAÇÃO DOS OSTEOPATAS DO BRASIL – AOB A RESPEITO DA INFORMAÇÃO APRESENTADA, A SEGUIR, QUE NÃO CONDIZ COM A VERDADE:
1. A RESPEITO DO TRECHO “NO BRASIL, A OSTEOPATIA É UMA ESPECIALIZAÇÃO REALIZADA PARA MÉDICOS E FISIOTERAPEUTAS...”

É IMPORTANTE ESCLARECER QUE, NO BRASIL, A OSTEOPATIA É UMA ESPECIALIDADE DO FISIOTERAPEUTA, SENDO RECONHECIDA E DISCIPLINADA COMO ESPECIALIDADE PROFISSIONAL DO FISIOTERAPEUTA PELAS RESOLUÇÕES COFFITO Nº 220/2001 E Nº 398/2011.

AGRADEÇO O ESCLARECIMENTO FEITO A MIM E AOS LEITORES, DISPONIBILIZANDO A COLUNA AOS OSTEOPATAS SEMPRE QUE SE FAÇA NECESSÁRIO PARA EXPOR TÉCNICAS E INFORMAÇÕES PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TODOS.

O assunto de hoje é tricô. O tricô é minha essência, está além de uma paixão.

Antes de ter aulas de tricô (utiliza normalmente duas agulhas para entrelaçar o fio, criando uma peça que pode ser meia, calça, blusa, vestido, entre outras), já possuía minha agulha número 4, branca e um novelo de lã em pleno sertão de Pernambuco. Meu pai perguntava o porquê de ter algo que não iria usar, eu falei que iria sim aprender. O fato que todas as mulheres da minha família materna são excelentes em artesanato, principalmente crochê e bordado. Apesar de ter aprendido ambos, insistia que iria aprender tricô.

Quando cheguei à casa da minha amiga de infância, Luciane Dias Tonsig, ao ver a sua tia tricotando, eu fiquei na frente de Tia Ignez Dias Erberelli, ajoelhada implorando para que me ensinasse a tricotar. Tia Ignez, que nunca tinha me visto, gargalhava e pediu para sentar ao seu lado. Falou que só teria 15 (quinze) dias para aprender. Ao chegar ao décimo dia, ela falou estar espantada por ter uma aluna tão aplicada e que aprendia tão rápido. Ela dava aula de tricô em São Paulo.

No sertão de Pernambuco fazer tricô não era o comum em 1980. Mal tinha lojas de fios para crochê, imagine para tricô. Minha Tia Virginia da Conceição me presenteou com o primeiro estojo de agulhas e alguns fios para tricotar. Os primos quando me viam fazendo o tricô, eles diziam que iria ficar solteirona por tricotar, mas isso não impediu a minha dedicação ao tricô.

Com a minha mania de independência financeira, logo estava comprando fios grossos de algodão para fazer bolsas de tricô e vender. Adorava ver o meu pai rindo das minhas negociações e ele ficava surpreso por eu fazer sucesso.

Minha mãe ficava desesperada quando eu fazia um novo casaco de tricô, não tendo aonde usar, colocava para fazer os meus passeios à tarde em Petrolina em um calor de mais de 35º graus. Claro que eu queria me amostrar e apresentar o meu talento. Óbvio que ela me proibia de sair vestida com eles, afinal era loucura usar um casaco de lã em pleno sertão de Pernambuco, e não estamos falando do período do São João que tem um agradável clima em Petrolina-PE, até hoje.

Muitas amigas de minha mãe e até minhas amigas, quando viajavam para locais frios, pediam para que eu tricotasse uma peça ou mais para elas.

Quando conclui o ensino médio, o terceiro ano de magistério, meu pai perguntou o que gostaria de ganhar de presente. Sem pestanejar: - uma máquina de tricô. Fato concretizado.

Ao morar em Recife, sempre tinha encomendas de tricô, assim como o apoio da minha sogra Terezinha Gomes de Almeida e da minha Tia e Amiga Avanny Gomes, esta se tornou vendedora assídua das minhas peças.

Em Brasília, só faltava montar tenda no Armarinho Milano do Conjunto Nacional, enlouquecia com os fios em lançamento e as promoções. Lá conheci a professora de tricô e crochê Hildete Almeida. Após insistência dela, participei de um encontro no dia 15/06/2013, no Armarinho Milano da Asa Norte, que oxigenou a minha vida. A partir dali só participava de reuniões, aulas e encontros com o tricô na mão.

Atualmente faço parte de três grupos de tricô pelo e-mail, que são: [email protected]; [email protected]; e [email protected]. Além de vários grupos no Facebook.

Por que estamos falando do tricô?

Na verdade, pesquisas mostram que artesanatos com a mão como crochê, tricô, renda de bilro, frivolité, entre outras, por exigirem raciocínio, concentração e coordenação motora beneficiam a saúde. Em Recife, fiquei orgulhosa em ver médicos sugerindo aos seus pacientes fazerem tricô. Principalmente os homens, para relaxarem.

Não se sabe a origem do tricô
, mas foram encontradas peças de tricô de 1200 d.C., no Egito. Assim como há registro que quem mais fazia tricô eram os homens, as mulheres ficavam responsáveis em pintar e preparar os fios para serem trabalhados. Aqui no texto, disponibilizo aos interessados o endereço eletrônico da História Secreta do Tricô, mas o documentário é todo em inglês.

O tricô manual está na moda, não é só por causa da beleza das peças e por ser um bom gerador de renda, pois relaxa e melhora a autoestima de quem faz. O primeiro fator é a saúde, pois a ação de tricotar é um estímulo para o complexo neurológico, nos mantêm hábeis e é vital para retardar o aparecimento de problemas cognitivos, colocarmos em funcionamento as áreas motoras do cérebro, as áreas responsáveis pela sensibilidade, pela parte visual, auditiva e a de linguagem o que ajuda a prevenir doenças degenerativas, como Alzheimer e Parkinson. O segundo fator são os fios, alguns não podem ser usados em máquinas, por serem muito delicados.

Em avião não se pode viajar com as agulhas de tricô, dessa maneira, é comum ver pessoas tricotando com os dedos ou com as mãos. Eu normalmente faço belos cachecóis quando estou viajando.

Aqui no Nordeste Brasileiro é comum ver renda, crochê, bordado, mas não é comum ver o tricô. Houve um período que possuíam duas lojas que vendiam material para tricô: Casa das Rendas e Casa Cabus (eu era cliente assídua).

Os fios Círculo e Coats Corrente encaminham receitas para os que se registram no site. Mas quando preciso de revistas com últimos lançamentos, eu sempre encomendo na Banca Paulista, com a atenciosa Marily Luna.

Atualmente, existe um forte movimento de debate, técnicas e benefícios do tricô e outros artesanatos que serão apresentados e discutidos no 6º Congresso Brasileiro de Tricô e outras manualidades ( www.congressobrasileirodetrico.com.br), nos dias 6 a 8/04/18, no Hotel Nacional Inn - Rua Lourenço Pinto, 456, Curitiba-PR. Contato: (41) 3322-4242. E-mail para reserva [email protected] - com Lucimara (importante avisar que é para o Congresso de Tricô).

No Youtube há o canal do Tricota Curitiba em https://www.youtube.com/tricotacuritiba e o site em www.tricotacuritiba.com.br.

Finalizo com o pensamento do nosso grande Poeta Carlos Drummond de Andrade (1902-1987): “Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo.” Que você use as suas mãos para liberar suas emoções da maneira mais construtiva para você e para os que estão ao seu redor.

Milhões de beijos iluminados,


DOCUMENTÁRIO:

A história secreta do Tricô - The Secret History Of Knitting - https://www.youtube.com/watch?v=bJiN9GNrDpA&sns=fb

EMPRESAS MENCIONADAS NO TEXTO:

Armarinho São José - https://www.armarinhosaojose.com.br

Armarinho Milano - Shopping Conjunto Nacional - Setor de Diversões Norte – Brasília-DF. Contato: (61) 3326-1263.

Aslan - http://www.aslan.com.br

Banca Paulista - Av. Conselheiro Aguiar, 4234 - Boa Viagem, Recife–PE. Contato: (81) 3326.6264.

Bazar Horizonte - http://www.bazarhorizonte.com.br/

Círculo - http://www.circulo.com.br

Coats Corrente - http://www.coatscorrente.com.br/

* Mariomar Teixeira - Numeróloga & Consultora: de Feng Shui, de 4 Pilares e de Zi Wei Dou Shu. Contatos: (81) 99807.4568 - Tim e WhatsApp / (81) 99100.9617 (Claro) – E-mail: [email protected]

Formada em Secretariado na UFPE com mestrado em Extensão Rural e Desenvolvimento Local na UFRPE. Filha, esposa e mãe. Ama ler, estudar, tricotar e cozinhar. Dedica-se aos estudos de metafísica desde 1980, principalmente Numerologia. Em 1993, além de assumir um concurso público federal, também o trabalho como numeróloga é reconhecido. Colunista da Folha de Pernambuco de 1998 a 2005, coluna Numerologia. No mesmo período foi colunista da Revista Club com as colunas: Holística e Lançamento de livros. Professora e Consultora de Feng Shui desde 1997.

* A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

Veja também

Virtuosismo é uma das características de Robertinho apontadas por colegas de renome
Série documental

Virtuosismo é uma das características de Robertinho apontadas por colegas de renome

Com protagonista pernambucana, 'Alice Júnior' mostra os desafios de uma adolescente trans
ANNE MOTA

Com protagonista pernambucana, 'Alice Júnior' mostra os desafios de uma adolescente trans