Trilha da história do Brasil por Nelson Motta

Produtor e crítico musical seleciona, em livro, as canções que mais representaram o País ao longo do século 20

A GaiolaA Gaiola - Foto: Divulgação

 

A ideia de Nel­son Motta ao selecionar as músicas do li­vro “101 canções que tocaram o Brasil” era mais montar um álbum conceitual que uma simples coletânea. Ele queria fazer um mosaico da história (e das histórias) do Brasil e dos brasileiros ao longo do século XX. Um período que, ali, começa em 1899 (com “Ó a­bre alas”, de Chiquinha Gonza­ga) e termina em 2003 (com “À procura da batida perfeita”, de Marcelo D2 e Davi Corcos).

“O livro tem uma história dos sentimentos do Brasil através da música. Um mapa de como a MPB entrou na história do Brasil e dos brasileiros. Durante muito tempo as grandes questões nacionais eram debatidas nas canções. Elas são a trilha da nossa história”, explica Nelson.

Nelson queria um panorama o mais abrangente possível, mas nunca achou que se­ria possível ser objetivo ao montar a lista - a convite de Eduardo Bueno, curador da Coleção 101, pela qual sai o livro. “Jamais faria um trabalho com as 101 canções mais bonitas, é impossível. Antônio Carlos Miguel (jornalista e crítico musical que colaborou com Nelson no livro) me sugeriu essa ideia das músicas que tocaram no rádio, na TV, na vida das pessoas.”

O escritor e pesquisador começou o trabalho juntando as listas de melhores do século das revistas e dos sites. Depois, acrescentou suas impressões e partiu para o corte. “Como escolher que canções do Dorival, do Chico e do Cartola vão entrar? Nessa hora, entra o arbitrário, o gosto pessoal mesmo”, diz Nelson. “Procurei contemplar os diferentes gêneros, representar o máximo deles.”

A seleção inclui músicas que carregam com elas muitas outras que acabaram não entrando. “‘Velha infância’ repre­senta muitas músicas da Marisa (Monte) que não entra­ram. Da mesma forma, o sam­ba, esse universo enorme, e aparece em momentos co­mo ‘Coração em desalinho’ (de Ra­tinho e Monarco), expli­ca ele, que botou músicas das quais não é fã, mas prefere não revelar quais são. “Tem duas que reconheço o valor, mas implico. Mas não tem co­mo negar a importância delas.”

Os verbetes incluem contextualização sociopolítica (como as acusações de “governista” recebida por “País tropical”), comentários sobre a fase atravessada pelo artista no lançamento da canção (“Tom Jobim estava num péssimo momento quando saiu ‘Águas de março’, ninguém tocava bossa nova aqui”, diz) ou curiosidades (como a forma como Vinicius de Moraes o inspirou para criar a letra de “Como uma onda”, parceria sua com Lulu Santos): “ Ajudou na seleção o fato de eu ter o olhar de produtor, compositor e crítico.”
Em suas multitarefas, Nelson segue trabalhando em di­ferentes projetos, como a pro­dução do disco de Alessan­dra Maestrini, um musical sobre a era dos festivais e uma curiosa encomenda para Maria Bethânia. “Ela me pe­diu para fazer a versão em português de uma música que quer gravar do primeiro CD de Amy Winehouse.”

 

Veja também

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações
Streaming

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos
Celebridades

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos