Trilogia "Xampu", lançada em box, salta aos ouvidos

HQ retrata o cotidiano de jovens paulistas em um ambiente barulhento, vivido entre os anos 1980 e 1990

Personagens e tramas se entrelaçam aos sons de guitarras, baterias e baixo do rock’n’rollPersonagens e tramas se entrelaçam aos sons de guitarras, baterias e baixo do rock’n’roll - Foto: Reprodução

O universo dos anos 1980 e 1990 permeia “Xampu”, trilogia de histórias em quadrinhos escritas e desenhadas por Roger Cruz, vencedor do troféu HQMIX e renomado artista de títulos como “X-Men”,” Homem-Aranha” e “Hulk”, na esfera internacional, e “Turma da Mata - Muralha” e de “MSP+50 - Mauricio de Sousa por Mais 50 Artistas”, nacionalmente. A série ganha, agora, uma edição exclusiva em box, parceria entre a Panini e Stout Club, que engloba os três volumes de HQs.

Diferentemente de suas histórias de super-heróis, Cruz explora, em “Xampu”, o cotidiano de jovens paulistas com ar de nostalgia - antes da internet, do celular, do Facebook. A trama se desenrola em um pequeno apartamento da Zona Norte de São Paulo, "O Apê", que já é apresentado no primeiro capítulo da primeira HQ e estremece ao som dos headbanguers que protagonizam a história. Com o falatório, a gritaria e o som 3 em 1 tocando ao fundo, Roger trata o cotidiano como ele é: sujo, boêmio, confuso e sem glamour.

Curiosamente, é possível relacionar os quadrinhos a uma música de heavy metal. O som é barulhento, pesado e cheio de ruídos, mas encontra-se uma voz por trás, uma mensagem - principalmente para quem gosta do estilo.

Leia também:
HQ 'O Livro dos Coelhos Suicidas' alinha o adorável ao adulto
Um novo olhar sobre Palmares em 'Angola Janga'
Pernambuco em momento novo e intenso para as histórias em quadrinhos

Com “Xampu” não é diferente: personagens e histórias se embaralham com sons de guitarras, baterias e baixo de uma geração movida a novas experiências e rock’n’roll. As tramas das pequenas histórias (pois cada HQ traz uma dupla ou um grupo diferente de personagens, habitantes do mesmo universo de amigos) são das mais diversas, como tende a acontecer com obras que exploram o simples cotidiano: uma situação simples, como a de Raquel, que precisa entregar um vestido para a tia a pedido de sua mãe; uma macábra, como a experiência com um jogo de tabuleiro que convoca espíritos; e uma memória, como o relato de uma aventura ao Rock In Rio, para o show de Guns'n'Roses.

"Xampu" poderia se passar em qualquer lugar do mundo, com qualquer grupo de pessoas, e essa é uma das coisas pela qual se destaca: o sentimento de familiaridade - a HQ promete um ar de nostalgia para aqueles que viveram a época retratada (conceito reverenciado, inclusive, na capa do box, que traz um disco de vinil). Mas é a verossimilhança em si que traz um toque pessoal, uma profundidade aos personagens que permite ao leitor se conectar.

Contudo, o defeito da HQ é, por vezes, o jeito que retrata as mulheres. Por apresentar um mundo mais grosseiro, sem delicadezas, é comum que tenha nudez e palavrões (a censura dos quadrinhos é 18 anos), mas isso não justifica que expressões e atitudes sexistas sejam aceitáveis, mesmo que façam parte do “contexto da época”. Acabam sendo trechos desconfortáveis para se ler.

Serviço:
Box da trilogia "Xampu"
Autor: Roger Cruz
Editora: Panini
Preço médio: R$ 55

Veja também

Rua do Bom Jesus, no Recife, está entre as mais lindas do mundo
Roberta Jungmann

Rua do Bom Jesus, no Recife, está entre as mais lindas do mundo

Vaquinha virtual pede doações para cirurgia do baterista Hugo Carranca
Solidariedade

Vaquinha virtual pede doações para cirurgia do baterista Hugo Carranca