Um convite para a leitura crítica

Semana do Livro de Pernambuco, que vai de amanhã a domingo, alia literatura com questões sociais e políticas

Chapa majoritária femininista do PSol que disputou eleições de Pernambuco apoiará Haddad no 2º turnoChapa majoritária femininista do PSol que disputou eleições de Pernambuco apoiará Haddad no 2º turno - Foto: Divulgação

 

Do mesmo berço da Bienal do Livro de Pernambuco (cuja próxima edição será em 2017), a Semana do Livro de Pernambuco nasceu para ser uma grande pensata. Não é uma feira literária, mas um momento de pensar. A partir do ano que vem, a Semana integrará a programação da Bienal, no mesmo formato que se apresenta agora: discutindo literatura, mas pautada pelas temáticas mais debatidas do ano e com o tema fixo “Narrativas Possíveis do Presente”. Nesse evento-piloto, que começa amanhã, vem puxando 2016 falando do momento político brasileiro, de questões de gênero, de memória e de jornalismo. Será no Museu do Estado de Pernambuco até o próximo domingo (4), com entrada franca.
A primeira palestra de amanhã é do crítico e escritor José Castello, uma masterclass sobre o romance de Franz Kafka, “O processo”, ideia do próprio curador do evento, o jornalista Schneider Carpeggiani. “‘Ribamar’ (livro de Castello que levou um prêmio Jabuti em 2011) é uma espécie de ‘Carta ao pai’. Prontamente ele aceitou, releu ‘O processo’ e comentou sobre a atualidade do livro, como está ligado ao que se passa hoje”, comentou Carpeggiani. O dia segue com Bernardo Kucinski e a tradutora e escritora Ivone Benedetti.
Às 18h30, a Cia de Eventos (empresa promotora das programações) começa outro projeto, um “esquenta” para a Bienal com o poeta, escritor e cineasta Fernando Monteiro (homenageado da mostra, juntamente com o escritor Lima Barreto) e um convidado a cada mês. Na estreia de hoje, Monteiro recebe a poeta e fotógrafa pernambucana, radicada na Alemanha, Adelaide Ivánova. Às 18h, Antônio Neto e José Alves Sobrinho lançam “Pegadas de um Sertanejo-Vida e memória de José Saturnino”.

Na quinta, no painel, Carpeggiani discute jornalismo com a colunista do El País Eliane Brum. A programação segue com Elvira Vigna, que conversa sobre seu romance “Como estivéssemos em palimpsesto de putas”, um olhar crítico sobre a atual sociedade. Às 19h, o fotógrafo e jornalista Chico Ludemir lança “A história incompleta de Brenda e de outras mulheres” e fala sobre seu processo criativo com as mulheres trans e travestis que perfilam em sua obra. No espaço Livro Aberto, às 18h, Leo Asfora lança o seu “Além das palavras”, uma obra que reúne 81 poemas que discorre sobre a vida, com sentimento e reflexão.

Nos três dias seguintes da Semana do Livro de Pernambuco, haverá ainda uma conversa sobre as formas de resistência e de luta por direitos na universidade pública e a presença do escritor Raimundo Carrero (que fala sobre “Pérolas porcas”, seu novo romance que será lançado em 2017), além do quadrinista André Dahmer. No domingo, destaque para o painel “Como fazer a magia de Harry Potter funcionar”, com Monica Figueiredo, da editora Rocco, responsável por todos os livros da série no Brasil.

 

Veja também

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco
Folha de Pernambuco

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco

'Fazer o certo requer coragem', diz Dani Calabresa sobre acusações contra Marcius Melhem
Assédio

'Fazer o certo requer coragem', diz Dani Calabresa sobre acusações contra Marcius Melhem