A-A+

Velório de Francisco Brennand reúne centenas de amigos e familiares

Corpo do artista plástico será cremado nesta sexta, no Cemitério Morada da Paz, no Paulista, às 11h

Velório de Francisco BrennandVelório de Francisco Brennand - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Centenas de amigos e familiares compareceram, na noite desta quinta-feira (19), na Oficina de Cerâmica Francisco Brennand, no bairro da Várzea, para se despedir do artista plástico Francisco Brennand. No local, uma missa em homenagem ao artista foi realizada pelo Frei Rinaldo Pereira.

Brennand estava internado havia dez dias no Real Hospital Português e morreu em decorrência de complicações de uma infecção respiratória. O corpo será cremado nesta sexta-feira (20), no Cemitério Morada da Paz, no Paulista, às 11h.   

Leia também:
Francisco Brennand: suas influências e seu legado
Fábulas e mitologias populares eram inspiração para obras de Brennand
Morre o artista plástico Francisco Brennand, aos 92 anos 

Algumas figuras públicas do Estado, logo que compareceram ao velório, fizeram questão de ressaltar o legado deixado por Brennand. O governador Paulo Câmara voltou a reconhecer a grande contribuição do artista plástico para a cultura, tanto local, quanto nacional e internacional.

"Franscico Brennand foi um artista completo, que nos representou tão bem, tanto no Brasil quanto internacionalmente. E deixa um legado fantástico, extraordinário. Peças e mais peças. Pinturas. E muita lição. Lição de que é, sim, possível viver mantendo tradições e, ao mesmo tempo, levar esperanças e expressões artísticas tão bem concebidas como as que Brennand fazia", disse o governador.

Quem também ressaltou o caráter universal do artista foi o senador Armando Monteiro (PTB). "Francisco Brennand foi um artista extraordinário. Multiplo. Ele era escultor, pintor... Um intelectual de grande força. Um ícone de Pernambuco. Uma referência. Curiosamente, ele era muito pernambucano e muito universal. Ou seja, uma figura extraordinária... Uma grande perda para Pernambuco, que deixa um legado fantástico", afirmou.

O artista plástico José Cláudio relembrou da proximidade que tinha com Brennand. "Nós nos dávamos muito bem há bastante tempo. E eu devo muito a ele. Ele quem me procurou - acredite se quiser. E sempre me tratou maravilhosamente bem. É uma grande perda para a arte do Brasil. Aqui (em Pernambuco), nem se fala. É como se o teto tivesse desabado. Pessoalmente sou muito admirador dele. Quando estou pintando, lembro dele. Me pergunto: 'Se fosse Brennand aqui, o que ele faria?' Sempre conversava com ele. Ele tinha uma cultura muito grande. E eu sempre saia abastecido quando falava com ele", contou José Cláudio.

Filha mais velha de Francisco Brennand, Neném Brennand fala das lembranças que terá do pai, mas garante que ele nunca irá morrer para quem é fã do trabalho do pai. "Eu trabalhava com meu pai há quase 40 anos. Então, não separávamos muito o que era família, o que era trabalho. Mas, acho que a lembrança vai ficar dele é disso tudo aqui. Esse lugar é ele vivo. Não vai morrer dentro deste lugar. Quem chegar aqui vai ver Francisco Brennand... seja no pedaço de barro, de pedra, a natureza. Isso é Francisco Brennand. Eu tive a sorte e o privilégio de ser filha dele e acompanhar a trajetória dele por anos, e ele sempre surpreendia", contou a primeira de cinco filhos do artista.

Outro que apareceu para se despedir de Brennand, foi o secretário de cultura Gilberto Freyre Neto. Segundo ele, "Francisco Brennand é um legado de Pernambuco. Ele foi parte de influência de outros grandes mestres pernambucanos, que puderam transferir para ele uma série de valores. E a partir de hoje ele passa a ser nossa referência nas artes plásticas, na cultura, na estética. Nossa responsabilidade só aumenta como sociedade, na hora que temos em Brennand esta referência para as próximas gerações", garantiu o chefe da pasta. 

Veja também

Paulo Bruscky completa 50 anos de exposição censurada e dispara: 'Nunca tive medo'
Arte

Paulo Bruscky completa 50 anos de exposição censurada e dispara: 'Nunca tive medo'

'Duna' documenta o perigo real de líderes messiânicos, diz diretor Denis Villeneuve
Cinema

'Duna' documenta o perigo real de líderes messiânicos, diz diretor Denis Villeneuve